Operação Cajueiro, papel da imprensa de Sergipe

0

Faz 35 anos, não podemos esquecer ou negar a história. Artigo do jornalista Milton Alves, que como profissional de comunicação, conviveu com a Operação Cajueiro:

 

Noite quente. 20 de fevereiro de 1976. A cidade cantava músicas momescas e os alegres foliões davam as caras pelos bairros. Eu estava sentado na calçada de um barzinho, na confluência das Ruas Permínio de Souza e Nossa Senhora das Dores, bairro Cirurgia. Os planos, naquele momento, eram de participar no dia seguinte, sábado de Carnaval, do Bloco de Sujo, que saía do bairro Suissa e concentrava-se no Centro de Aracaju. Nenhuma conversa sobre política. De repente, um carro Opala amarelo pára diante de nós. De dentro do veículo ouço a voz – não tão rouca como a de hoje – do então deputado estadual Jackson Barreto (MDB), dando-me a notícia: Mílton Alves, os companheiros estão caindo. Não sabemos para onde estão sendo levados.

 

Aqueles companheiros eram exatamente líderes do Partido Comunista Brasileiro, PCB, líderes sindicais e líderes estudantis. A Operação Cajueiro, que não sabíamos até aquele momento deste nome, estava em curso. O Quartel do 28º Batalhão de Caçadores havia sido ocupado por tropas federais que se deslocaram da Bahia. Poucos foram os militares federais sediados em Aracaju que se mantiveram no Quartel e outros foram convocados da Marinha e da Polícia Militar de Sergipe. A cidade cantava as musiquinhas carnavalescas alheia à Operação Militar, que foi justificada como necessária para extirpar uma célula comunista. Acreditavam os militares que daqui poderia surgir um movimento que viesse a derrubar o Governo Militar, imposto à Nação em 1964, por um golpe.

 

A imprensa em Sergipe teve sempre ares de serviço público. Os jornais editados em Aracaju foram às bancas no sábado e domingo sem fazer citações das prisões de ”perigosos homens e mulheres”. As emissoras de rádio e de televisão pior. Aos jornalistas que atuavam em jornais sediados em Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo nenhuma informação era dada. No Quartel do 28º Batalhão de Caçadores se estabeleceu uma muralha que desestimulasse os jornalistas ultrapassarem. Aos familiares as informações eram escassas e contraditórias. Diziam apenas que estão sendo “convidados” a esclarecer coisas de comunistas. Quando perguntados aonde e quando os militares silenciavam. Os presos políticos iam caindo um a um, de forma violenta. A cidade cantava Oh, jardineira por que estás tão triste, mas o que foi que aconteceu…

 

Segunda, terça e quarta-feiras os jornais não circularam. Nas emissoras de rádio e de televisão era gritante a ignorância dos fatos. As primeiras notícias começaram a chegar ao conhecimento dos correspondentes. Sabia-se que os presos políticos, tratados brutalmente como perigosos subversivos, estavam presos nos porões do 28º Batalhão de Caçadores e se imaginavam, depois confirmadas, torturas. Brutais golpes que abalassem moral e fisicamente os presos. As primeiras notícias, finalmente, chegavam ainda que incompletas para os correspondentes, mesmo assim suficientes para que textos fossem cuidadosamente elaborados e se denunciassem as torturas. Jornal da Bahia, O Estado de São Paulo, O Globo e o Jornal do Brasil fincaram trincheiras para denunciar os maus-tratos.

 

Os presos políticos tiveram os olhos encobertos com uma venda de borracha que deixaria marcas da tortura. Os brutais procedimentos seriam aos poucos revelados por familiares. A tensão daqueles dias atingiu os jornalistas. Lembro, ainda sob forte impacto de emoção, os angustiantes momentos para produzir uma matéria para o Jornal da Bahia. Ao meu lado o jornalista Paulo Barbosa de Araújo, já falecido, então correspondente do Estado de São Paulo. Nossas matérias eram produzidas numa pequena sala do prédio onde funcionou o Cinema Pálace. Textos foram trabalhados à luz da máquina de telex para que não despertassem a atenção de militares que se concentravam em frente ao Palácio Olímpio Campos. Depois do trabalho ir para casa ganhava cenas de filme.

 

O medo tomava conta, sim, de mim e de Paulo Barbosa. Não poderíamos expor os rigores de um plano traçado para que pudéssemos fazer chegar às nossas redações os fatos das prisões em Aracaju. Solicitávamos telefones das lojas na Rua João Pessoa com o falso pedido para contatos com familiares, aqui mesmo na cidade. As ligações a cobrar eram dirigidas para as redações. O bloqueio imposto pelos militares para que nada sobre as prisões fosse informado estava furado. O Estado de São Paulo carimbou “enviados especiais” e o Jornal da Bahia “criou” uma sucursal. Os serviços de segurança não conseguiram descobrir a identidade dos jornalistas autores dos textos denunciando as prisões dos presos políticos na Operação Cajueiro. Anos depois, as identidades foram reveladas.

 

A imprensa de Sergipe era cúmplice da barbárie militar e se dispôs a uma única informação: publicar carta assinada por Wellington Mangueira renunciando ao comunismo e ao cigarro. Mangueira não renunciou ao comunismo e nunca fumou. Vergonhoso papel. Os jornais e as emissoras de rádio e de televisão não prestaram o serviço de informar detalhes das prisões e torturas. Quando os presos políticos começaram a ser libertados, mesmo com riquezas das narrativas sobre as prisões e torturas, como a de Mílton Coelho que ficou cego, o comportamento da imprensa de Sergipe não se modificou. Nada para ela havia ocorrido. Em liberdade, o ex-preso político Marcélio Bonfim numa frase resume, ainda hoje, o papel dos correspondentes: “A Mílton Alves e a Paulo Barbosa  devemos vidas, quando denunciaram as prisões e quebraram nossa incomunicabilidade”. Faz 35 anos, não podemos esquecer ou negar a história.

 

Obs: o blog se sente honrado por publicar o artigo do jornalista Milton Alves, que optou por espaço para escrever sobre um período vergonhoso para a imprensa de Sergipe e, graças a ele e Paulo Barbosa, o país foi informado da Operação Cajueiro.

 

Operação Cajueiro – Relato de um filho de uma das vítimas

 

Texto de Romualdo Alves de Menezes:

 

Não fui uma das vitimas diretamente, mas sofri o pão que os “golpistas” amassaram. Sou filho de Faustino Alves Menezes, na época taxista que como muitos interioranos vieram tentar a vida em Aracaju.  Em 1976, apenas com 13 anos sem noção de muita coisa que se passava no país, mas temeroso pelo terrorismo que foi implantado a todos os brasileiros, onde para irmos a escola Augusto Ferraz no Bairro Industrial , olhávamos para todos os lados a procura dos papa fígados, denominação dada aos comunistas pelos militares e seus simpatizantes.

 

Pois bem, não sabia eu que em minha própria casa havia um papa fígado, meu pai. Um homem que lutava diuturnamente labutando com o táxi para colocar comida, roupa e lazer dentro de casa, afinal ao contrário de muitos moradores da rua São Expedito no Bairro Santo Antonio, meu pai sempre nos levava à praia e aos estádios para assistir os jogos do Itabaiana. Lembro também de quando da inauguração do estádio Batistão, levou toda a família as cadeiras para que não tivéssemos problema em sentar. Isso foi em 1970, fui uns dos trinta mil torcedores que viram a seleção brasileira jogar pela primeira e única vez em 40 anos em solo sergipano.

 

Foi esse homem que sempre pautou e pauta pela moralidade, pela responsabilidade, pelo respeito ao próximo, como também queria e quer até hoje o melhor para o Brasil e os brasileiros, que foi chamado de papa figo, no popular. Em um domingo, não recordo a data, pois não o perguntei quando estava escrevendo o artigo, estávamos na praia do Abais, convidados que fomos pelo saudoso tio Gaspar, ferrenho pescador e que vez em quando, participava das competições de pescas. Meu pai trabalhador como até hoje, fazia questão de que a família usufruísse das suas horas vagas e geralmente em uma praia.

 

Justamente na segunda-feira que após a ida ao Abais, meu pai saiu com seu táxi para trabalhar e como era época de férias ficamos eu e meu irmão Francisco a brincar na pracinha da rua, juntamente com os outros amigos. Passa o dia e o meu pai não retorna para almoçar, coisa que todos os dias fazia. Chega a noite e nada, minha mãe começa a ficar preocupada com a situação, afinal não recebi notícias de meu pai. Que noite terrível aquela da segunda. Eu pequeno e sem querer que os meus amigos soubessem o que estava acontecendo, tinha que ir a rua para brincar e não me deixar abater pela situação, porém, alguns dias, depois chega a notícia da prisão e o local onde estava encarcerado, o quartel da colina do vinte oito BC.

 

Pensando que estaria mais calmo, eis que chega em nossa casa um carro da PF, de onde saem dois agentes e um rapaz gordinho, mas que era o mais excitado em achar algo de comprometedor em nossa casa, um tal de Tadeu, era o mais arrisco, subia e descia escada, chegando a esvaziar a caixa d’água e um reservatório que meu pai construíra devido à falta de água em Aracaju. Que visão sempre teve meu pai, pois armazenava água para o caso das constantes interrupções do líquido em Aracaju. Revistaram tudo e embaixo da cama onde meu pai descansava com minha mãe, encontraram um jornalzinho, pois era pequeno mesmo, salvo engano era o candeeiro. Depois soube que vinha diretamente do Rio e que ele era um dos responsáveis pela distribuição de alguns exemplares com os companheiros. O mais arrisco não era da PF, alguns anos atrás, descobri que se tornou um coronel da Polícia Militar de Sergipe, tendo falecido a cerca de uns 5 anos.

 

 Fazia perguntas a minha mãe e a nós, inclusive segurando uma foto do astronauta russo, o primeiro a subir ao espaço, questionou se era nosso tio. Hoje estamos tocando a vida, meu pai continua trabalhando mesmo com seus 77 anos e os golpistas e aproveitadores de plantão, continuam soltos e usufruindo de uma anistia unilateral, onde só um lado teve as seqüelas físicas, psicológicas e morais abalados, os outros, estão por ai soltos, com seus soldos vultosos e com estrelas no peito pela devassa que fizeram com pessoas humildes e honestas da população brasileira. Romualdo Alves de Menezes.

 

Obs: Este jornalista conhece Faustino. Quando ingressou no PCB, militante estudantil na década de 80, tive o prazer de “sugar” preciosos ensinamentos de Faustino nas intermináveis reuniões do partido. Um homem simples que honra não só seus filhos, mas todos os sergipanos que o conhecem.

 

Ex-presos políticos fazem apelo pela indicação de Menezes ao STJ

O encontro promovido pela OAB/SE com vítimas da ditadura militar para lembrar os 35 anos da Operação Cajueiro foi marcada por forte emoção dos cidadãos transformados em presos políticos durante o período do regime militar e, nesta condição, acabaram torturados física e psicologicamente. Emoção traduzida nas lágrimas de cada orador e, em cada pronunciamento, gestos de apoio incondicional à candidatura do advogado sergipano Carlos Alberto Menezes ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

 

Operação Cajueiro

Os trabalhos foram conduzidos pelo presidente em exercício da OAB/SE, Maurício Gentil, que justificou a iniciativa da entidade, lembrando os 35 anos da Operação Cajueiro, que culminou com a prisão e tortura de sergipanos engajados na luta pela redemocratização do país. “Para não deixar que, nunca mais, episódios como aquele da Operação Cajueiro sejam esquecidos e proporcionar, sobretudo, que as novas gerações tomem conhecimento, se integrem sobre como tudo aconteceu para que estejam sempre vigilantes em defesa do estado democrático de direito, da cidadania e das liberdades públicas em nosso país”, considerou Gentil.

 

Emoção

Manifestaram-se de forma emocionada o vice-governador Jackson Barreto, o promotor Elias Pinho, o ativista sindical à época Milton Coelho, que perdeu a visão por força das torturas a que fora submetido nos porões da ditadura militar, o ex-vereador Antonio Gois, os advogados Wellington Mangueira e Zelita Correia, o presidente de honra do PMDB, José Carlos Teixeira, o agrônomo Rosalvo Alexandre e o ex-deputado Iran Barbosa. O ex-vereador Marcélio Bonfim, embora citado como símbolo da resistência por todos os ex-presos políticos, preferiu apenas acompanhar as manifestações dos colegas em silêncio. “Prefiro não me manifestar porque me faz lembrar companheiros assassinados nas catatumbas dos órgãos de segurança”, justificou o ex-parlamentar.

 

Mensagem

O titular na Presidência da OAB/SE, Carlos Augusto Monteiro Nascimento, não pode comparecer ao ato em homenagem às vítimas da ditadura militar por ter compromisso no Conselho Federal da OAB em Brasília, mas enviou mensagem de apoio a cada um dos presentes. O ouvidor geral do Conselho Federal da OAB, Henri Clay Andrade, designado por Carlos Augusto para coordenar o encontro também ficou impossibilitado de participar do ato público em homenagem às vítimas da ditadura. Ele estava em Brasília e o vôo no qual ele partiria com destino à capital sergipana foi cancelado. “Fui preso e torturado pela GOL. Estou condenado ao exílio em Brasília. Voo cancelado. Impedido de comparecer ao evento histórico na OAB/SE”, lamentou Henri Clay, no twitter.

 

Reunião

O governador Marcelo Déda reuniu-se na sexta-feira, 18, no Palácio dos Despachos, com o sergipano Carlos Alberto Menezes, membro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e um dos nove nomes escolhidos para disputar três vagas para ministro do Supremo Tribunal de Justiça (STJ). O vice-governador do Estado, Jackson Barreto, também esteve presente ao encontro.

 

Apoio fundamental

Carlos Alberto veio pedir apoio ao governador Marcelo Déda para que a sua candidatura se fortaleça e alcance êxito. “O apoio de Marcelo Déda é fundamental e, sem o qual, nada vai funcionar para a postulação que hoje não é apenas minha, mas a vontade de Sergipe para ocupar uma vaga dentro do STJ. Déda assimilou a natureza da postulação e manifestou que este apoio será dado. Ele concordou inteiramente e saí muito feliz do encontro”, afirmou.

 

Déda formaliza apoio a candidatura de Carlos Alberto

O governador, por sua vez, formalizou o seu apoio à candidatura de Carlos Alberto alegando que a

Déda: Presença de Carlos Alberto no STJ traduzirá a expressão jurídica do Estado (foto ASN).
presença dele no STJ representa, além de um currículo abastado, a tradição intelectual dos sergipanos na área das ciências jurídicas.“O Estado de Sergipe indicou um nome que tem o perfil para o cargo, um currículo extraordinário e uma experiência no mundo jurídico que lhe autoriza ocupar essa importante magistratura. A presença dele no STJ traduzirá a expressão jurídica do Estado e a tradição intelectual dos sergipanos nessa área. Manifestei meu apoio e já articulei algumas ações que tomaremos no sentido de informar à presidenta Dilma Rousseff do apoio que o governo e a sociedade sergipana dão a Carlos Alberto”, declarou Marcelo Déda.

 

Torcidas “Organizadas”? I

Chocante, com requintes de perversidade, absurdo, não há expressões que possam representar, de fato, a monstruosidade cometida contra um ser humano, e que ganhou espaços na mídia, inclusive nacional – o caso do homem decapitado, cujo corpo foi encontrado por um cidadão que caminhava na praia – em mais um episódio, que, lamentavelmente, tem ligações com as chamadas, impropriamente, torcidas organizadas.

 

Torcidas “Organizadas”? II

Fica mais uma vez comprovado que essas hordas de bárbaros não podem, absolutamente, ser chamadas de torcidas e, muito menos, organizadas. O Ministério Público tem plena razão quando adotou medidas restritivas ao acesso desses vândalos aos nossos estádios. Nossas autoridades têm razões de sobra para endurecer, de uma vez, contra esses malfeitores travestidos de torcedores. A vítima, segundo se informa, também integrava as tais torcidas.

 

Torcidas “Organizadas”? III

A atuação do MP e da Justiça, aliada à da Polícia Civil e Militar, além do Corpo de Bombeiros e outras entidades, merece, incontestavelmente, o apoio da sociedade civil. Não se pode mais protelar uma atitude drástica no combate a esses marginais, que nada têm de torcedor. Torcedor é aquele que vai para o estádio torcer pelo seu time favorito, de forma entusiasta, mas ordeira. Desta forma, este blog posiciona-se inteiramente a favor de uma ação que possa, como no passado ocorreu em São Paulo, decretar a extinção completa dessas organizações terroristas. O futebol sergipano, que luta por uma recuperação, agradece.

 

 

CQC  em Aracaju

Os políticos que se preparem. Os integrantes do polêmico programa de humor da rede Bandeirantes, o CQC, estarão em Aracaju na segunda-feira, 21, para acompanhar o Fórum dos governadores do Nordeste.

 

CUT/SE reivindica salário mínimo regional ao governador

Na última sexta-feira (18), a Central Única dos Trabalhadores de Sergipe (CUT/SE) entregou documento ao Governador Marcelo Déda reivindicando pautas que, se encaminhadas, contribuirão para o desenvolvimento econômico e social do estado e do Nordeste.A entrega do documento se deu por ocasião do XII Fórum de Governadores do Nordeste, que acontece nesta segunda-feira (21), em Aracaju. Além de todos os líderes dos executivos da região, têm presença confirmada o governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia e a Presidenta Dilma Rousseff.

 

Mínimo de R$ 580,00

A principal reivindicação apresentada pela CUT é a criação de um salário mínimo regional. Na última semana, em votação na Câmara dos Deputados foi aprovado o salário mínimo nacional de R$ 545,00, quando a defesa da CUT e outras centrais sindicais era um mínimo de R$ 580,00.

 

Vereadores querem Renatinho na Codevasf/SE

Por unanimidade, os vereadores de Propriá, aprovaram Moção de Solicitação do nome do ex-prefeito e ex-deputado Renato Brandão, para ocupar o cargo de superintendente da Codevasf em Sergipe. A moção, de autoria do vereador Marcos Oliveira, do PV, será encaminhada as autoridades competentes. Na propositura, os vereadores lembram que é preciso colocar na Codevasf alguém que conheça profundamente a região e a sua importância para Sergipe.

 

MPF/SE: Justiça Federal condena ex-prefeito de Propriá

E por falar em Renatinho, ainda na sexta-feira, a Justiça Federal em Sergipe (JF/SE) decidiu condená-lo, pelos atos de improbidade administrativa cometidos em 2004. Atendendo ao pedido do Ministério Público Federal (MPF), o juiz federal Fernando Escrivani Stefaniu reconheceu a responsabilidade do réu pelas irregularidades na prestação de contas de recursos federais.O ex-prefeito deixou de prestar contas da aplicação de recursos federais para o Programa de Apoio aos Sistemas de Ensino para Atendimento à Educação de Jovens e Adultos (Peja), repassado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Constatou-se ainda que o débito sem a devida justificação é da ordem de R$  110.648,93.

 

Limpeza das fossas

Desabafo de alguns moradores da Zona de Expansão: O que fazer? o Ministério Público obrigou que a Caixa, a Emsurb e a Deso, fizessem as limpezas das fossas dos  Residenciais da Zona de  Expansão, só que agora nenhum desse órgãos atendem mais os pedidos, a quem recorrer?

 

Constituição e Justiça

A comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa, a mais importante da Casa, será presidida durante os próximos quatro anos pelo deputado líder do governo, Francisco Gualberto. Essa comissão temática tem a responsabilidade de analisar e julgar previamente todos os projetos de lei apresentados, seja através do Executivo, do Judiciário ou do próprio parlamento. Os demais membros da comissão, formada por nove deputados, serão escolhidos ainda esta semana.

 

Reunião nacional

O presidente do Tribunal de Justiça de Sergipe – TJSE, Des. José Alves Neto está participando da reunião extraordinária do Colégio Permanente de Presidentes de Tribunais de Justiça do Brasil. A reunião será realizada hoje à tarde no plenário do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, em Brasília. Na ocasião, os participantes assistem, a partir das 13 horas, uma exposição proferida pelo Conselheiro Jefferson Kravchychyn, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), sobre regime de custas do Poder Judiciário.

 

Regime de custas do PJ

Na pauta da reunião consta a apresentação e discussão de propostas relativas ao regime de custas no Poder Judiciário, matérias de interesse interno e outras relativas ao tema e que serão abordadas nos debates. No Ofício Circular nº 5/11, o Desembargador Marcus Faver, presidente da Comissão Executiva, confirma a realização do próximo encontro, a ocorrer na Bahia, entre os dias 12 e 14 de maio do corrente ano.Acompanhado da Juíza Auxiliar da Presidência, Adelaide Moura, o Des. José Alves Neto recebeu a informação da tramitação na Câmara dos Deputados do Projeto de Lei nº 1992, de 2007, que trata da previdência complementar e que tem implicações para os servidores.

 

Truculência

Em pronunciamento na Câmara Municipal de Aracaju, na última quinta-feira, 17/02, o vereador Dr. Emerson (PT) contestou a truculência contra direção do Sindicato dos Radialistas, que foi proibido de entrar na TV Sergipe. Dr. Emerson relata que, na companhia de colegas radialistas, foi barrado na TV Sergipe para a distribuição de informativo da categoria, durante esta semana. “É inadmissível que esse tipo de cerceamento ainda aconteça em Sergipe. Não tivemos acesso para o exercício legal da representação”, disse.

 

Auxílio para MEIs declararem Imposto de Renda I

O prazo para os Micro Empreendedores Individuais (MEIs) declararem o Imposto de Renda junto à Receita Federal termina no próximo dia 28 de fevereiro. Para aqueles que ainda não realizaram o procedimento, o Sebrae, em parceria com o Sindicato das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas e das Empresas de Serviços Contábeis do estado de Sergipe (Sescap), está oferecendo auxílio de forma gratuita.

 

Auxílio para MEIs declararem Imposto de Renda II

Uma equipe de contadores trabalha em regime de plantão na sede do Sebrae, localizada na avenida Tancredo Neves n° 5.500, das 8h às 12h e das 14h às 18h, buscando atender aos interessados. A declaração também pode ser feita nos escritórios da entidade em Estância, Itabaiana e Lagarto.

 

Walter Uchoa

O Blog conversou, esta semana, com Walter Uchoa, irmão do prof. Uchoa, que, depois de décadas morando em São Paulo, está de volta a Aracaju. Publicitário, Walter é um ótimo papo. Na década de 40, mais propriamente no ano de 1947, foi radialista, em Aracaju, atuando na antiga Rádio Difusora, atual Aperipê. Em sua passagem pela “pioneira”, Walter Uchoa trabalhou com Silva Lima e Wellington Elias. O diretor da emissora oficial era Cláudio Silva. É o mais recente participante da turma de aposentados que bate um papo, diariamente, no Shopping Jardins. Fazem parte desse grupo: Canabrava de Mendonça, Dr. José Rivaldo, Lauro Fontes, Carlos Tirso e muitos outros.

 

Posse da nova diretoria da Apese

Tomou posse nesta sexta-feira, 18 de fevereiro, na sede da Associação dos Procuradores do Estado de Sergipe (Apese) a nova diretoria, que vai comandar a instituição no biênio 2010-2011. A chapa “Apese: União e atuação” foi eleita com 88% dos votos da classe. Para o novo presidente da associação, o procurador de Estado, Pedro Durão, a missão prioritária da entidade é consolidar a independência dos procuradores de Estado que exercem papel relevante na defesa dos interesses da coletividade e da proteção dos bens públicos.

 

Diretoria

Além de Pedro Durão na presidência da Apese, a diretoria conta também com os procuradores de Estado Paulo Modesto dos Passos (vice-presidência); Túlio Cavalcante Ferreira (secretário-geral) e Augusto Carlos Cavalcante Melo (tesoureiro).

 

Shoppings não podem cobrar estacionamentos

 “Os shoppings-centers de Aracaju não podem ser maiores do que a lei. Enquanto eu for o prefeito de Aracaju, a Lei 3.348 que proíbe a cobrança nos estacionamentos de shoppings, de autoria do vereador Elber Batalha Filho (PSB) será cumprida”. A garantia foi dada pelo prefeito Edvaldo Nogueira na manhã desta sexta-feira, 18 durante coletiva de imprensa em seu gabinete, prometendo aplicar multa de R$ 2 mil UFIRs.

 

De forma dura

O prefeito disse não gostar de especulações. “Já estou me antecipando reunindo a imprensa para mostrar que se houver desobediência por parte dos shoppings-centers, vou aplicar multa de 2 mil UFIRs, se insistirem, o alvará será suspenso por 30 dias. Caso continuem desobedecendo, iremos cancelar conforme o que determina a legislação. A Prefeitura vai atuar  Cópia da Lei Municipal 3.348 de forma muito dura”, alerta Edvaldo Nogueira.

 

Passarelas

Na ocasião o prefeito Edvaldo Nogueira informou que já foi iniciado um estudo visando a construção de passarelas na cidade. “Apesar de a cultura da população não ser de atravessar em passarelas [a da frente do Terminal Rodoviário José Rollemberg Leite e da entrada da cidade não são utilizadas], vamos implantá-las visando dar mais segurança  aos pedestres. Como os custos são altos [em torno de R$ 4 milhões], já que temos que pensar na mobilidade, em elevadores, ainda não temos previsão”, enfatiza destacando que as campanhas educativas a exemplo da faixa de pedestres serão intensificadas. (Infonet)

                  

PSC

O vice-presidente nacional do PSC – o pastor Everaldo Pereira – declarou que o processo eleitoral em Sergipe passa pelo Partido Social Cristão.

 

Bancos

Com o fim do horário de verão, os bancos voltarão a funcionar, a partir da próxima segunda-feira, das 10 às 16 horas.

 

Rádio e TV

Programação das emissoras de TV e de rádio voltará ao normal, com o fim do horário de verão, o que vai acontecer no próximo domingo.

 

Salário mínimo

Confirmada para a próxima quarta-feira (23.02), a votação, no senado, do valor do salário mínimo. O governo espera vencer, também, na Câmara Alta. O PMDB, maior aliado do PT, volta a apresentar suas “faturas”, ou seja, cargos no segundo escalão.

 

Futebol sergipano

Quarta rodada do campeonato começa hoje,no Batistão. Jogarão Itabaiana X Sergipe. O clássico da rodada será disputado domingo, no Estádio Presidente Médici. Medirão forças o tricolor da serra (Itabaiana) e o Mais Querido (Sergipe).

 

TV Sergipe

Joga pesado na promoção da Copa TV Sergipe de futsal. Já a Atalaia, da Rede Record, transmite ao vivo alguns jogos do campeonato estadual.

 

 

Radares

Ontem (18.02) – em alguns pontos da cidade, implantação, pela SMTT, de novos controladores eletrônicos. Operações em que o trânsito, simplesmente, fica embananado.

 

Caciques políticos e sues apaniguados carcomidos

Infelizmente alguns dos grandes caciques da política insistem em “barganhar” cargos de primeiro, segundo e terceiro escalões para seus apaniguados, quando alguns desses “contemplados” são até incompetentes, arrogantes déspotas e até platibelondons, muitas das vezes já foram detentores desses mesmos cargos a quase 25 anos…acesse o link:www.entreamigosnatv.com.br

 

 

Sergipe pode receber Festival Brasileiro de Kart

O diretor da ASCOT, empresa de produção de eventos esportivos, Sílvio Novembre e o presidente da Associação Sergipana de Kart (ASK), Célio Lima, órgãos vinculados à Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA), estiveram reunidos com o Secretário de Estado de Esporte e do Lazer, Maurício Pimentel.Na oportunidade, discutiram a possibilidade do sétimo Festival Brasileiro de Kart ser realizado em Aracaju, entre os dias 17 e 21 de agosto. O evento contará com o apoio do governo do estado, através da Secretaria de Estado do Esporte e do Lazer (SEEL).

 

Cenário nacional

O secretário Maurício Pimentel mostrou-se otimista, com a possibilidade de inserir mais uma vez o estado de Sergipe, no cenário nacional do esporte a motor. O evento contará com a participação de 100 pilotos, que competiriam em sete categorias diferentes, envolvendo ainda mais de mil pessoas, entre dirigentes, árbitros, mecânicos e pessoal de apoio das equipes.

 

ESPAÇO CARNAVAL – Para os blocos de rua

 

Bloco Unidos do Morro Século XX – Bairro Industrial

O Bloco Unidos do Morro Século XX, com mais de oito anos de existência, estará realizando – o já tradicional concurso da escolha da Princesa e Rainha Idoso no Centro Social Século XX (o mais antigo do estado), dia 23 de fevereiro, quarta-feira, a partir das 15h. Já no dia 02 de março, quarta, das 15h às 17h, acontecerá o Grito de Carnaval dos Idosos, no próprio Centro. E para fechar a programação do bloco em 2011, dia 8, terça de carnaval, estará desfilando pelas ruas do bairro Industrial, a partir das 09h, saída do final de linha de lotação da Rua Manoel Preto.Os interessados em participar dessa festa, comparecer ao Centro Social Século XX, situado na Avenida Filadelfo Dorea, nº 172 – B. Industrial ou entrar em contato com Joel Reis pelos telefones 3215 3452 ou 8806 8219.

 

DEBATE – Trânsito em Aracaju

 

Mobilidade urbana de Aracaju

Do leitor Carlos Anselmo Lima. “Sou cirurgião oncologista do Centro Oncologia/HUSE e do HU/UFS. Não estou só preocupado com as condições intrínsecas da saúde, mas enfim com tudo relacionado à qualidade de vida – o bem viver para todos nós. Pois bem, e a mobilidade urbana! Por definição não trata somente do trânsito, mas de tudo relacionado com a circulação das pessoas pelo ambiente onde elas vivem. O que mais chama atenção, claro é o amontoado de carros parados e em movimento pelas ruas, canteiros e calçadas (sim!) e as pessoas com dificuldade de locomoção. Como já foi dito, o aracajuano tem boa condição para cada vez comprar mais carros e colocá-los nas ruas. Ainda mais com facilitação da compra, financiamento a juros baixos, às vezes com diminuição de impostos pelo governo (como o IPI). É o franco privilégios às montadoras de automóveis, em sua grande maioria instaladas no Sudeste.Por isso entendo que para resolver a dificuldade da mobilidade urbana de Aracaju seria necessário impor algumas alterações que dependem da decisão dos gestores maiores: retirar os carros das ruas é muito necessário, mas onde colocá-los? Muitas cidades no mundo já resolveram isso com melhoria e subsídio ao transporte coletivo (por ai a fora chamado de transporte público); com locais de estacionamento específicos (não nas pistas de rolamento), ciclovias que podem ser construídas à direita das vias (sem carros estacionados); e calçadas (públicas) construídas pelo gestão pública, que sejam bem diferentes das hoje, verdadeiras pistas de obstáculos onde os nossos idosos, cadeirantes jamais ousarão percorrê-las. Se nossas ruas e avenidas são estreitas, podem em alguns casos serem alargadas. Existem muitas avenidas com canteiros centrais com calçadas de cada lado destes canteiros. Que se melhorem as verdadeiras calçadas e estas poderão ser removidas para ampliar as vias. Impor limites de velocidade e com sensores em muitas vias, não sou contra e entendo qe assim também deve ser. Já ouvi discussão sobre formas de transporte de massa para Aracaju, tipo metrô de superfície, etc. Entretanto, antes disso podemos discutir coisas como faixas exclusivas para os ônibus, ônibus expressos e com ar-condicionado e até mesmo transporte coletivo fluvial. Isso fará com que as pessoas deixem seus carros em casa e se locomovam através do bom transporte coletivo. Com a diminuição dos carros nas ruas e com o aumento do número de ônibus coletivos, os horários serão cumpridos. Quero lembrar do excelente meio de locomoção que é à pé – as caminhadas que podem ser muito mais estimuladas para percursos menores. São muito saudáveis e não poluentes. Lembre que agora temos calçadas planas e livres. Aliás, a Organização Mundial da Saúde preconiza que as pessoas andem mais, até para o trabalho, para melhorar a qualidade de vida e diminuir as chances de adoecer. O ideal seria cumprir uma jornada diária de caminhada de pelo menos 8.000 passos. Bom, esse é o meu sonho para Aracaju onde eu peetendo envelhecer e claro, seria bom ter uma velhice de muita atividade em parceria com a cidade”. Carlos Anselmo Lima.

 

ARTIGO

 

E a Conferência Municipal do Meio Ambiente de Aracaju? – José Firmo*

 

Há exatamente três anos, em fevereiro de 2008, a população aracajuana foi convocada a debater as questões ambientais da nossa capital, na I Conferência Municipal do Meio Ambiente de Aracaju.Agora – após esses três anos – a Prefeitura faz festa para implantar cajus de concreto espalhados pela cidade (lindos e importantes também), mas e o relatório aprovado na conferência?Agora o prefeito de Aracaju se esqueceu, na reforma administrativa, de criar o órgão ambiental.Foram centenas de pessoas confinadas no Espaço Emes durante um dia inteiro para produzir um diagnóstico e apresentar um relatório de soluções possíveis para os problemas ambientais que incomodam a toda população.Foram recursos dos cofres da prefeitura de Aracaju investidos numa grande estrutura para nada acontecer.

E quantas autoridades se expuseram numa conferência, que passados três anos não resultou em nada: Edvaldo Nogueira, Márcio Macedo, Geraldo Vítor Abreu (ministério do Meio Ambiente), Sérgio Góis, Conceição Vieira, Luciano Pimentel, Bosco Rollemberg, Rômulo Rodrigues, Vereador Francisco dos Santos (Chico Buchinho), Lício Valério mais representantes da Caixa Econômica Federal, do BNB e do Banese.

E as entidades que militam em prol da causa? Nos dias ou semanas que antecederam a conferência tivemos que realizar reuniões, produzir material, mobilizar os moradores, tudo a fim de se levar propostas reais e atuais (de 2008) para a conferência. E depois nada foi feito pela Prefeitura de Aracaju.

Mais revoltante ainda é que ao lermos hoje uma série de itens do relatório final, poderemos perceber que muita coisa poderia ser feita sem maiores investimentos. Outras apenas com projetos de lei encaminhados à Câmara Municipal e cujo retorno para a cidade seria muito importante.   

Mesmo algumas medidas que demandariam um pouco mais de recursos poderiam ter sido adotadas e alguns problemas que a cidade enfrenta justamente a partir de 2008 poderiam ter sido evitados.

Ao realizar a I Conferência Municipal do Meio Ambiente e não implementar absolutamente nada do que os delegados aprovaram, a Prefeitura de Aracaju não desrespeita apenas nós delegados que ali estivemos. Desrespeita toda a cidade, toda a população que foi representada na conferência.

E os delegados não eram apenas dos movimentos sociais. Ali estavam delegados representando construtoras, imobiliárias, universidades (pública e as privadas), escolas, bancos, conselhos de classe, antigo CEFET (hoje IFS), Deso, clínicas e hospitais, secretarias e órgãos do Governo do Estado. E mais: Márcio Macedo, então secretário de estado do meio ambiente, representava ali o governador do Estado.

E está lá no relatório final que o prefeito Edvaldo Nogueira disse no discurso na abertura da conferência: “…tudo que for aprovado democraticamente na conferência será feito um esforço no sentido de cumprir e procurar soluções”.  Será que foi feito mesmo o esforço? Eu tenho certeza de que não.

E tem mais: o Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental, o respeitado Condurb, foi representado na mesa por uma das mais renomadas estudiosas da área, a Doutora em Geografia, Vera França. Nem o Condurb, nem a professora Vera França concordam com o pouco caso feito pela Prefeitura Municipal de Aracaju com a conferência do meio ambiente.

Quem ler a conclusão do relatório da conferência, elaborada em 2008 pela SEPLAN de Aracaju há de imaginar que a questão ambiental foi repensada dentro da Gestão Municipal, tal foi o diagnóstico apresentado. Mas nada foi feito.

Basta que se acesse www.aracaju.se.gov.br/seplan/conferenciamunicipaldomeioambiente  que perceberão, por exemplo que quase todos os itens sobre transporte e trânsito poderiam sem efetivados com muito pouco dinheiro. Ainda que houvesse ou haja algum item absurdo aprovado na conferência e de inviabilidade técnica a obrigação, no mínimo, da PMA seria dar publicidade à tal inviabilidade.Em outras palavras, a prefeitura brinca com coisa séria, desrespeita a população e acaba tornando sem credibilidade instrumentos e espaços importantes de debate e de participação popular.A não ser que a I Conferência Municipal do Meio Ambiente de Aracaju, realizada em fevereiro de 2008, tenha sido feita com objetivos maiores do que debater os problemas ambientais da capital sergipana, como apenas eleger delegados às conferências estadual e nacional, o que me recuso a acreditar.

 

*Presidente da Ong ADCAR/Especialista em Gestão Urbana e Planejamento Municipal    

 

Blog no twitter: www.twitter.com/BlogClaudioNun

 

Frase do Dia

“As ditaduras fomentam a opressão, as ditaduras fomentam o servilismo, as ditaduras fomentam a crueldade; mas o mais abominável é que elas fomentam a idiotia”. Jorge Luis Borges.

 

 

 

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários