Pesquisas e Pe$qui$a$

0

Todo ano eleitoral é a mesma coisa. Antes mesmo das definições das candidaturas começam as divulgações de pesquisas em todo país, para todos os gostos. Presidenciáveis, pré-candidatos aos governos estaduais e ao Senado Federal são surpreendidos com pesquisas e percentuais que na maioria das vezes não refletem a realidade eleitoral.


 

Em Sergipe, já teve casos curiosos nos bastidores. De candidatos denunciado extorsão para que seus nomes fossem bem colocados em pesquisas e por ai vai. Teve um candidato que prometeu uma vez divulgar uma fita com uma extorsão, mas depois, tudo foi sanado, e o nome dele “repentinamente” apareceu em primeiro lugar, sem que fosse preciso pagar. Como bem diz o ex-governador Albano Franco, em Sergipe todos se conhecem e por isso é fácil diferenciar os institutos sérios (que são poucos, bem poucos, talvez apenas um), dos que aparecem apenas de dois em dois anos. Mais recentemente um instituto divulgou um percentual para a eleição de Capela, que foi desmoralizador. Um outro, com metodologia e padrão sério, acertou na mosca.


 

O assunto parece brincadeira, mas deveria ser objeto de um amplo debate pela sociedade organizada, no caso a OAB, o Ministério Público Federal  e todos os outros que desejam a concretização de uma democracia forte no Brasil. O Congresso Nacional ensaiou uma mudança na legislação para proibir a divulgação de pesquisas eleitorais, mesmo registradas, dois meses antes das eleições.


 

Para quem discorda deste ponto de vista é bom ler alguns livros que discorrem sobre o papel e a influencia das pesquisas eleitorais no Brasil nos últimos anos. O saudoso Leonel Brizola sempre combateu essa pratica e todo mundo sabe como ele foi o alvo principal de vários institutos renomados.


 

O certo é que as pesquisas eleitorais influenciam e tem levado à ilegitimidade do processo eleitoral.  Alguns institutos usam instrumentos científicos validos, porém é preciso lembrar que elas são feitas por homens contratados, que têm seus interesses, na maioria das vezes conflitantes com o interesse público.


 

São por essas manipulações constantes que vários cientistas políticos renomados em todo mundo escreveram livros e teses condenando o caminho desvirtuado de vários institutos.”Tal situação acaba enganando os cidadãos ao lhe transmitir um senso falso de influência quando na verdade o poder de opinião é exercido por uma elite que pode, ou não, estar agindo em nome do interesse público. A conseqüência disso é reduzir a opinião pública cidadã a um participante de enquetes políticas passivo e domesticado, cujas opiniões são previamente limitadas em função das opções de respostas pré-estabelecidas pelas elites”. Benjamin Ginsberg, em um dos seus livros, publicado em 1986. Retrata bem a realidade das pesquisas eleitorais no Brasil.


 

Exemplo de manipulação, num determinado estado, tem dois pré-candidatos fortes e outros pequenos disputando. Tudo bem que na pesquisa espontânea apareçam outros nomes, porém, um instituto realizar uma pesquisa induzida colocando três nomes que não são candidatos e são aliados de um dos pré-candidatos é tentar ludibriar o eleitor. Se juntar os percentuais dos três aliados, o percentual do pré-candidato aumenta em mais de 10%, disparando na frente. Outra distorção: entrevistar mais eleitores em determinados municípios sem levar em conta o percentual no bolo total do Estado. É fato, desconfie da pesquisa, ela foi feita para confundir. (Esse artigo foi publicado no dia 21 de fevereiro deste ano na coluna que escrevia no Jornal do Dia, porém está cada dia mais atual).  Albano: indecisão contínua


 

 
 Albano: indecisão contínua

Sinuca de Bico I


 

Parece que o ex-governador Albano Franco vai continuar indeciso até o final do mês, ou melhor, até o início de julho, quando são registradas as atas das convenções no TRE. Depois de anunciar na semana passada, que de ontem não passava, agora não tem mais prazo. Só para lembrar: Albano começou dizendo que após o Pré-Caju tomava a decisão, depois passou para o carnaval, repensou para a páscoa e agora chegará Corpus Christie e nada.


 

Sinuca de Bico II


 

Depois de tentar, sem sucesso, uma aliança proporcional com o PSL, PTN e PV, Albano tentou a ajuda de Marcelo Deda para repassar um partido da oposição, como o PL ou o PTB. Nada feito. Agora, um “mensageiro” já comunicou ao grupo do governador que as negociações que tinham sido paralisadas fossem retomadas.


 

Sinuca de Bico III


 

A verdade é que com a maneira dele, de esticar a corda o máximo possível, Albano Franco corre o sério risco de acabar sozinho, colocando uma corda no pescoço de seus correligionários políticos. Enquanto isso, o governador João Alves Filho começa a mostrar tranqüilidade “amarrando” as pequenas legendas que poderiam salvar Albano da degola final.


 

Verdade


 

Quando da licitação para cinco cotas de publicidade do governo estadual setores da imprensa alertaram para uma suposta empresa “laranja”  que poderia ser uma das vencedoras. A empresa ganhou e hoje, processos judiciais movidos por “sócios e laranjas” estão deixando o Judiciário de “olhos arregalados”. Já outro processo, este trabalhista, de um bancária que sofreu na pele por conta dos contratos da empresa, tem um depoimento que é nitroglicerina pura.


 

Obras I


 

O processo de carta–convite para empresas participarem de obras é normal e está dentro da Lei das Licitações. Porém, a legislação é clara quando obriga que a carta-convite seja fixada três dias antes num quadro do órgão responsável pela obra para que qualquer outra interessada, se desejar, se autoconvide e possa participar do processo licitatório.


 

Obras II


 

Porém este detalhe da fixação da carta-convite no quadro de aviso três dias antes não vem sendo respeitado na Dehop. Certamente o secretário da Infra-estrutura, Luis Durval, a qual a Dehop está subordinada não tem conhecimento do fato. Porque da forma que está ocorrendo parece que existe um direcionamento para as obras. Detalhe: os vencedores só ganham com os preços máximos, estabelecidos no processo.


 

Obras III


 

Em outra pasta, a Secretaria de Combate a Pobreza a carta-convite não é fixada no quadro de aviso, apenas é publicada no Diário Oficial do Estado. Seria até correto se o diário fosse diário, mas como ele circula com a edição atrasada por semanas, fica difícil alguém participar do processo licitatório.


 

Charada


 

Sentado no banco da praça aquele funcionário, com a consciência tranqüila, agradece a Deus por não ter endossado uma grande enrascada. Enquanto isso, o irmão dele, que antes dava conselhos para ele largar o barco se deleita, esquecendo que o passado não se apaga, principalmente quando é escrito.


 

Juventude


 

O governador João Alves participou ontem, ao lado da senadora Maria do Carmo, da implantação do Fórum Permanente da Juventude em Nossa Senhora do Socorro. É o quinto pólo do Fórum e o primeiro no interior.


 

Hotel I


 

Funcionários do Hotel Beira Mar, enviaram para este colunista farto material contando uma história interessante. Juram que a compra e venda do hotel foi estranha e o Ministério Público do Trabalho já tem conhecimento do fato. Segundo os funcionários o hotel não poderia ser vendido por conta de débitos trabalhistas com INSS e FGTS.


 

Hotel II


 

Os funcionários denunciam também que alguns colegas foram demitidos  depois de longos anos de trabalho sem receber seus direitos. E o pior os que ficaram no hotel trabalhando até hoje não foram registrados pela nova empresa. Além disso, o hotel deve impostos ao governo estadual. Até contas telefônicas o hotel devia, mas conseguiram mudar para uma outra operadora.


 

Turismo I


 

No site do Governo do Estado ontem uma matéria chamava a atenção de todos pelas fotos expostas. Com o título “Sergipe vende suas melhores rotas internacionais no salão do turismo”, a matéria destacava a presença do estado no maior salão de turismo do Brasil que está sendo realizado em São Paulo.


 

Turismo II


 

Nada demais se em quase todas as fotos não aparecesse nada mais do que o filho de Genivaldo Galindo, que está preso por vários crimes. Junior, o filho de Galindo também chegou a ser preso por improbidade administrativa em Canindé, mas depois foi solto. Hoje divulga o turismo de Sergipe. Arrepare, como diz o colega Osmário.


 

Frase do Dia


 

“Nunca se mente tanto como antes das eleições, durante uma guerra e depois de uma caçada”   Otto Von Bismarck.

Comentários