PLÁSTICOS, DESCASO, SOL E BELEZA NO SERTÃO

0

O sertão sempre despertou a curiosidade dos visitantes, especialmente daqueles que somente conhecem o Nordeste através dos jornais e das páginas mágicas de milhares de romancistas, cantadores, cronistas e poetas espalhados pelo mundo. E se estas páginas são coloridas pelas mãos geniais de retratistas sociais como Gilberto Freyre, Jorge Amado, José Lins do Rego, Guimarães Rosa, Euclides da Cunha, João Cabral de Melo Neto e João Ubaldo Ribeiro, dentre outros, a curiosidade atinge proporções inimagináveis. Afinal, Gabriela, Tieta, Coronel Ramiro, Baleia, Manuelzão, Miguilini, Antônio Conselheiro, Mestre Carpina e Sargento Getúlio, dentre outros, povoam o imaginário popular tornando impossível pensar o Brasil sem que existissem.

 

O crescente número de turistas que procuram conhecer o sertão sergipano, mais especificamente os municípios de Canindé do São Francisco e de Poço Redondo, é a prova mais forte da sedução nordestina. E não poderia ser diferente, pois é raro encontrar um lugar onde se pode atender, simultaneamente, os gostos mais exóticos, aventureiros, radicais, exigentes, humanitários, cientistas, históricos ou culturais dos visitantes. Mesmo para os que gostam da vida mansa e simples, é possível se lambuzar nos passeios pelo Velho Chico, no bem estruturado Hotel Xingó, ou nos bares e restaurantes da aprazível, histórica e alagoana Piranhas.

 

Afinal, é lá que se encontra o maior cânion navegável do mundo, vestígios arqueológicos importantíssimos para comprovar a aventura e a presença humana na terra (Fazenda Mundo Novo e Museu Arqueológico de Xingó), além de fragmentos vivos da resistência quilombola (Mocambo) e indígena (Ilha do Ouro e Caiçara). Pode-se, também, reviver a História do Cangaço, percorrendo as trilhas e caatingas utilizadas pelas volantes e cangaceiros, principalmente a misteriosa Angicos que testemunhou a morte de Lampião e Maria Bonita. E para quem gosta de tecnologia, pode-se visitar a Hidroelétrica de Xingó, a terceira maior do Brasil.

 

Não foi surpresa, portanto, quando os amigos Kravchycyn, Zanotto e Guarnieri, sobrenomes que já demonstram não serem desta querida terrinha, manifestaram conhecer o sertão sergipano. Transformando-nos em voluntários guias da expedição turística, rumamos para o sertão, após conseguirmos as últimas vagas disponíveis no concorrido Hotel Xingó. A lotação, segundo constatei, decorria da falta de estrutura hoteleira na região, apesar da grande procura e fascínio que provoca nos turistas estrangeiros e nativos.

 

Surpresa mesmo foi descobrir a nova espécie de vegetação que floresce na rota turística, sendo o primeiro comentário manifestado pelos amigos de Santa Catarina. Em todo canto que olhávamos, desde Ribeirópolis até Canindé, a grande vedete do percurso não foi a seca, a caatinga ou o sol escaldante que ultrapassava quarenta e cinco graus, como pensávamos que seria. Não, o que chamava a atenção de todos era a enorme quantidade de sacos plásticos espalhados nos acostamentos, sítios, povoados e quintais das cidades que passávamos, como se fossem uma nova espécie de planta nativa.

 

Parecia até que se estava confirmando o vaticínio de Pero Vaz de Caminha, quando, em sua carta dirigida ao Rei de Portugal, afirmava que no Brasil “em se plantando tudo dá”. Infelizmente para nós, o que se estava plantando era sujeira, poluição e descaso das autoridades públicas para com uma questão fundamental para os sertanejos que ali habitam. A plantação de sacos plásticos confirmava que saúde pública era um artigo raro na visão dos prefeitos daqueles municípios, assim como aterro sanitário um palavrão que evitaram inserir nos discursos de inauguração.

 

Vencida a etapa da plantação de sacos plásticos, bem assim as queixas dos visitantes em relação ao sol, finalmente chegamos ao Hotel Xingó. E realmente estava o belo hotel lotado de turistas estrangeiros e de outros Estados, todos eles elogiando a beleza natural, a riqueza histórica, a diversidade cultural e o carinho exótico dos ribeirinhos daquela região. No dia seguinte, éramos nós os cantadores do mundo encantado do sertão sergipano, lamentando apenas a pouca divulgação do lugar.

 

E de volta para Aracaju, já nos preparando para enfrentarmos a plantação de plásticos que mais uma vez desafiaria o nosso olhar, meus amigos resolveram fazer outra intrigante constatação. Indagaram sobre a razão de tanta miséria, população carente, terras secas e não irrigadas,  quando a havia água e energia em abundância em Xingó, inclusive com a perspectiva de um bilionário projeto de transposição do Velho Chico. A minha resposta foi a mesma dada quando da floresta de poluição: “a miséria é fruto do descaso das autoridades públicas para com os sertanejos que ali habitam”.

 

* Cezar Britto, é advogado e secretário-Geral da OAB
cezarbritto@infonet.com.br

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais