Rasgou o verbo

0

Caso seja eleito governador em 2014, Eduardo Amorim vai pintar o cofre do estado de azul e levar pra casa dizendo que é uma geladeira. Essa foi uma das tantas acusações graves feitas ontem aos irmãos Amorim pelo prefeito de Capela, Manoel Messias, o “Sukita” (PSB). Para surpresa dos ouvintes da rádio Mega/FM, o prefeito disse cobras e lagartos contra os desafetos políticos, a quem acusa de terem enviado pistoleiros para aterrorizar os capelenses. “Eles precisam dizer onde colocaram as 240 carretas que compraram e não pagaram” atacou Sukita, que também pediu explicações sobre “os 150 milhões desviados da Secretaria estadual da Saúde” quando o senador Eduardo Amorim era o titular das pasta. Pelo visto essa briga está longe do fim, pois os acusados prometem processar o prefeito, que ameaça lavar mais roupa suja nos próximos dias. Misericórdia!

Sabatina

A presidente da Assembleia, Angélica Guimarães (PSC), nomeou ontem as duas comissões de deputados que vão sabatinar Susana Azevedo (PSC) e Belivaldo Chagas (PSB), candidatos a conselheiro do Tribunal de Contas do Estado. Na próxima semana, serão definidos os dias da sabatina que acontecerá na sala das comissões do Legislativo.

Segurança

Até agora o Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe já aprovou o envio de tropas federais para 15 municípios sergipanos. São eles: Salgado, Laranjeiras, Canindé do São Francisco, Poço Redondo, Ilha das Flores, Campo do Brito, Lagarto, Aquidabã, Canhoba, Graccho Cardoso, Japaratuba, Pirambu, Carmópolis, Monte Alegre e Estância.

Classe média

Mais da metade da população (53%) fazem parte da classe média, o que significa um total de 104 milhões de brasileiros. A pesquisa classifica como classe média os que vivem em famílias com renda per capita mensal entre R$ 291 e R$ 1.019 e tem baixa probabilidade de passar a ser pobre no futuro próximo. A estimativa é que, mantidas a taxa de crescimento e a tendência de queda nas desigualdades dos últimos dez anos, a classe média chegue a 57% da população em 2022.

Para ricos

O prefeiturável Valadares Filho (PSB) disse ontem que o projeto do adversário João Alves Filho (DEM) para a Zona de Expansão visa beneficiar os ricos e prejudicar os pobres. “Ele sonha em repetir as obras irresponsáveis que fez na Coroa do Meio, onde foram gastos milhões para beneficiar os ricos. Aracaju não merece isso”, discursou o candidato.

Proteção

O prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PC do B), apresentou ontem o projeto de defesa litorânea da Praia 13 de Julho, onde as ondas estão atingindo o muro de contenção. A obra custará R$ 5 milhões e o prazo de execução é de seis meses. O prefeito viaja hoje a Brasília em busca de recursos para iniciar as obras antes de dezembro.

Cassado

A Justiça Eleitoral cassou a candidatura de José Araújo Leite Filho a prefeito de Porto da Folha. Ele é acusado de pagar contas de água e energia dos eleitores em troca de votos. Segundo o Ministério Público, o candidato tinha tanta certeza da impunidade que usava o próprio cartão de crédito para quitar as dívidas dos simpatizantes. Araújo promete recorrer contra a decisão do TRE.

Lula na TV

Depois da presidente Dilma Rousseff (PT), agora será a vez de o ex-presidente Lula (PT) pedir votos para o prefeiturável Valadares Filho (PSB). O petista aparece hoje no horário eleitoral gratuito defendendo a eleição do aliado. Os coordenadores da campanha acreditam que as aparições de Dilma e Lula vão aumentar a popularidade de Valadares junto aos eleitores.

Guia

O presidente do Conselho Nacional Deliberativo do Sebrae, Roberto Simões, esteve ontem em Aracaju para lançar o “Guia do Candidato Empreendedor” dirigido aos futuros prefeitos e vereadores. O documento, que contém um conjunto de propostas para a promoção de pequenos negócios nos municípios visando estimular a geração de empregos e renda, está à disposição no site do Sebrae nacional.

Do baú político

Além de crítico literário, ensaísta, poeta, filósofo e professor, o lagartense Sílvio Romero também foi político. Em 1890, portanto no século 19, engaja-se na formação do Partido Nacional, ao lado de Leandro Maciel e Coelho e Campos. Entusiasmado com a política, Sílvio disputa uma cadeira no Senado, mas é reprovado nas urnas. Quatro anos depois, marcha com o povo de Aracaju e ajuda a depor o capitão José Calazans, governador em exercício de Sergipe. Com o apoio do padre e chefe político sergipano Olímpio Campos, o intelectual lagartense se elege em 1900 deputado federal para um mandato de dois anos, que não consegue renovar. Mesmo assim, Sílvio Romero continua participando ativamente das lutas políticas, tendo assistido à morte do amigo Fausto Cardoso, assassinado por tropas federais em frente ao Palácio do Governo. Revoltado, desiste da vida pública, mas antes cunha um terrível apelido para o ex-aliado e mentor da morte de Fausto, padre Olímpio Campos: “O vampiro do Vaza-Barris”.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários