Receita para ser um “profissional”

0

Final de ano, muita festa, confraternizações e comida à mesa. Então uma boa receita para o leitor analisar. Como ser um “profissional”:

Faça à sua parte, desde que ela não atinja políticos com mandatos e a chamada “elite” dominante. Cobre apenas a prisão dos chamados ladrões de galinha e mais nada.

Fique atrelado totalmente ao governo de plantão, para que as “portas” sejam abertas. Lembre-se: uma mão, suja ou não, lava a outra. Não queira fazer “a sua parte”, denunciando as irregularidades e imoralidades.

Monte uma empresa, você vai se dá bem. Crie até produtos que ninguém vai ler e totalmente defasados, o importante é vender e faturar bem.

Por outro lado passe uma idéia que é intelectual. Que tal um livro de poesia? Nada de escrever sobre política, você pode desagradar a todos os lados, ou então, desagradar quem amanhã estará no poder. Um livro de poesias é algo suave, passa a imagem de inteligente, mesmo que suas poesias sejam o óbvio e sem criatividade alguma.

Após a eleição, mesmo com todos os seus textos, o governante de plantão não venceu, não tem problema. Abra o seu texto do dia posterior com a importância da mudança e que o candidato eleito não é retrovisor para ficar olhando para o passado. Não tenha duvida da aproximação, afinal grande parte das autoridades adora uma bajulação, principalmente se essa vier publicada em letras garrafais no outro dia.

E o ingrediente principal. Nunca, mas nunca mesmo faça autocrítica. E o pior jamais se atreva a criticar posicionamentos de determinados colegas ou de algum meio de comunicação. Será fatal. Aqueles mesmos profissionais que criticam o corporativismo de algumas profissões, quando as criticas são com eles, simplesmente entendem como rancor.

Misture tudo no liquidificador e bata bem. É uma receita infalível para se dar bem e, principalmente, não ter problemas financeiros.

Agora, caro leitor, se você não engoliu a receita, mande tudo acima para pqp  e faça sua história. Bem ou mal você será falado. Aliás, não se sinta perseguido só porque nos últimos meses seus processos ultrapassaram a barreira do bom senso. Peça apenas para não tentarem que você deixe de fazer o que mais gosta: escrever.

Se você rasgar a receita acima, certamente não conquistará um patrimônio que permita mais do que uma aposentadoria tranqüila, porém terá outro patrimônio que ninguém compra e alguns profissionais não têm como conquistar: o seu nome e a sua honra que não se acabam com o tempo. Aliás, tem algo melhor do que você olhar para seus filhos olho a olho, botar a cabeça no travesseiro e dormir tranquilamente? Algo simples que muitos, muitos mesmo, não podem fazer, e, principalmente, não podem comprar. Paz e muita saúde para você caro leitor, que as energias sejam renovadas em 2008.

 

PAC não terá prejuízo em SE

O presidente Lula garantiu ontem, 20, ao governador Marcelo Déda que as obras do PAC não devem sofrer solução de continuidade. Lula e Déda ainda conversaram sobre 2008 e as perspectivas para o país e para Sergipe são positivas. O governador disse ao presidente Lula que, depois de um ano de arrumação e de realizações em diversas áreas, o Estado está pronto para viver uma fase de investimentos amplos, que vão gerar melhorias para a população. Lula desejou boas festas ao governador e disse que em 2008 a parceria com o Estado de Sergipe terá continuidade.

 

R$ 5,1 milhões para UFS

O senador Valadares (PSB) recebeu ontem,20, a promessa do ministro das Relações Institucionais, José Múcio, de liberação rápida de recursos previstos para a Universidade Federal de Sergipe (UFS) da ordem de R$ 5,1 milhões. “Estes recursos são fundamentais para as atividades da UFS e o ministro assegurou que encaminhará nosso pedido ao Ministério da Educação, com a recomendação de prioridade máxima para sua liberação. A verba está prevista em emenda da bancada de Sergipe ao Orçamento Geral da União”, explicou o senador.  Valadares disse ainda que seu encontro com o ministro José Múcio, para agilização da liberação de recursos para a UFS,  atende a pedido do reitor desta universidade, Josué Modesto dos Passos. Os R$ 5,1 milhões serão aplicados na modernização e recuperação da infra-estrutura física das instituições federais de ensino superior e dos hospitais de ensino de Sergipe.

 

Dayse quer R$ 38 mil de Cláudio Nunes e do Estado

Este jornalista informou no dia 19 que estava sendo processado pela senhora Dayse Kustra, presidente da OMF, responsável pela construção da maternidade Nossa De Lourdes com um pedido de indenização de R$ 38 mil. Ontem, 20, a coluna foi informada que o mesmo valor ela está pedindo num processo contra o Estado de Sergipe. É mole? A coluna já tem o relatório completo feito pela competente Controladoria Geral do Estado mostrando que quase R$ 4 milhões não têm como ser comprovados sua aplicação na obra. O jeito é pedir a reversão do ônus da prova e processar Dayse Kustra por constrangimento e danos morais.

  

Operação Navalha não existiu

Determinado setor da imprensa de Sergipe, acostumado com as tetas governamentais há muitos anos, descobriu uma perola; a operação Navalha não aconteceu. Foi obra de alguns jornalistas surrealistas. E mais o botafoguense Flávio Conceição não tem culpa no cartório. Foi preso e o nome apareceu no processo porque é conselheiro do TC. E a PF, o STJ e o escambal querem o cargo dele a todo custo. Tudo é obra da cobiça da imprensa e das investigações realizadas. É muita cara de pau! Só falta pedir a prisão de parte da imprensa que divulgou o fato.  Haja vela para acender, uma para Deus, outra para o diabo, outra para mandar recado, outra para receber…

 

Deso e a estrutura

Anotem a auditoria da Deso não só vai criar problemas para um grupo político, mas 

vai colocar na berlinda muita gente que até o momento os nomes não aparecerão nas páginas de Jornais. Vai de Itaporanga, passando por ….

 

Emenda Constitucional proíbe pagamento de extraordinária

Os deputados estaduais não podem receber mais pela convocação extraordinária. É o que diz a Emenda Constitucional aprovada em fevereiro de 2006. Leia o texto: “Art. art. 57. … § 7º – Na sessão legislativa extraordinária, o Congresso Nacional somente deliberará sobre a matéria para a qual foi convocado, ressalvada a hipótese do § 8º deste artigo, vedado o pagamento de parcela indenizatória, em razão da convocação.

Apesar de tratar do Congresso Nacional, a norma supra se estende aos legislativos estaduais, por força do § 1º do artigo 27 da CF: § 1º – Será de quatro anos o mandato dos Deputados Estaduais, aplicando-se-lhes as regras desta Constituição sobre sistema eleitoral, inviolabilidade, imunidades, remuneração, perda de mandado, licença, impedimentos e incorporação às forças armadas”. Portanto, a convocação extraordinária, desde a Emenda Constitucional nº 50, de 14 de fevereiro de 2006, que dá nova redação ao § 7º do art. 57 da CF, não é mais indenizada.

 

Esperteza extraordinária I

Em artigo publicado no último dia 19, o Dr. Maurício Gentil, mestre em Direito Constitucional alertou sobre o assunto, leia trecho: “Conforme noticiado aqui mesmo na Infonet, “O governador do Estado, Marcelo Déda, deverá confirmar, ainda esta semana, a convocação extraordinária da Assembléia Legislativa”. Isso porque nada menos do que dezoito projetos importantes ficaram pendentes de apreciação, inclusive na área da saúde. Ainda segundo a mesma notícia, tal convocação gerará despesas para o Estado, que “deverá desembolsar cerca de R$ 290 mil, tendo em vista que o salário bruto de um deputado estadual está em torno de R$ 12 mil”. A convocação extraordinária do Poder Legislativo para que este atue nos períodos de recesso parlamentar constitui, sem dúvida alguma, prerrogativa do Chefe do Poder Executivo, a ser exercida nos termos e limites traçados na Constituição Federal e na Constituição Estadual, “em caso de urgência ou interesse público relevante” (Art. 57, §6º, inciso II da CF e Art. 51, §6º, inciso II da CE)”. Todavia, deve ser ressaltado que desde a aprovação da Emenda Constitucional nº. 50, de 14 de fevereiro de 2006, que deu nova redação ao parágrafo 7º do Art. 57 da Constituição Federal, é vedado o pagamento de parcela indenizatória aos parlamentares em decorrência de convocação extraordinária.

 

Esperteza extraordinária II

Outra parte do artigo do competente mestre em Direito:Ou seja: aplicam-se as regras da Constituição Federal sobre remuneração aos Deputados Estaduais, dentre elas a que veda o pagamento, aos mesmos, de qualquer parcela indenizatória em razão da convocação, sendo o caso de se considerar a hipótese como de remuneração, em sentido jurídico amplo, a englobar as eventuais indenizações.  Além disso, o Supremo Tribunal Federal vem entendendo, reiteradamente, que as normas da Constituição Federal sobre “processo legislativo” se aplicam obrigatoriamente aos Estados. E normas sobre “sessão legislativa extraordinária” ou “convocação extraordinária” são normas que dispõem sobre o “processo legislativo”, num sentido amplo. Portanto, a sociedade sergipana deve acompanhar atentamente a eventual confirmação da convocação extraordinária da Assembléia Legislativa pelo Governador do Estado, com duas mais notadas finalidades: a) inteirar-se das discussões e deliberações que venham a ser tomadas no período, tendo em vista a alta relevância das matérias e as suas repercussões no cotidiano das relações sociais e administrativas; b) fiscalizar o correto cumprimento da norma constitucional supracitada, quanto à vedação de pagamento de parcelas indenizatórias aos Deputados Estaduais em razão dessa convocação. Nessa diretriz, será possível afirmar que essa convocação extraordinária não terá significado, dessa vez, uma esperteza extraordinária…”.

 

Pagamento pode gerar crime de responsabilidade

Se o governador repassar recursos para o pagamento da convocação extraordinária da AL vai de encontro a Constituição Federal e pode gerar um crime de responsabilidade. As entidades civis, como a CUT, já estão em alerta. A emenda constitucional foi uma vitória da democracia porque acabou com a mamata nos legislativos, em todos os níveis.

 

 

O custo da convocação extraordinária

Trecho de matéria do Informativo da CUT: Considerando que o deputado estadual recebe por mês R$ 12.000,00. Em janeiro, além desse valor, terá o acréscimo e mais R$ 12.000,00 no primeiro dia da convocação, e mais R$ 12.000,00 na quinta-feira, isto é, provável último dia da extraordinária convocação. O resultado de salário direto para cada parlamentar é de R$ 36.000,00. Como são 24 deputados, o gasto só com o salário dos deputados chega aos R$ 864.000,00. Incluindo aí os gastos com assessores e outras despesas administrativas, os valores conhecidos com a convocação da Assembléia Legislativa de Sergipe vão superar mais de R$ 1 milhão de reais.  “Premiar os deputados com uma convocação extraordinária é mais um absurdo vergonhoso, que depõe contra a história do próprio Deda. É inaceitável premiar quem não cumpre com suas prerrogativas constitucionais”, destaca o presidente da CUT/Se, Antônio Góis.

 

Cerimônia da Rede Petrogas

A cerimônia de entrega do Selo Destaque Participação do Projeto de Inserção Competitiva das Pequenas Empresas de Sergipe na Cadeia Produtiva do Petróleo, Gás e Energia – Rede Petrogas, foi um sucesso. Várias empresas foram homenageadas pelo projeto que é uma parceria entre o SEBRAE/SE e a Petrobras, tendo a frente os gestores Ana Lúcia Nunes Oliveira (SEBRAE) e Aládio Antônio de Sousa (Petrobras). O trabalho realizado pelo convênio resultou no aumento da mão-de-obra das empresas em 46% e 109% de aumento nas vendas.

 

Em 2007, Petrobras investe 1 bilhão em SE

Eugênio Dezen, gerente-geral SE/AL da Petrobras fez uma retrospectiva dos investimentos da empresa em Sergipe, lembrando que a média era de US$ 70 milhões, chegando a US$ 140 milhões em 2003. Em 2007 os investimentos em Sergipe, pela Petrobras, chegam a casa dos US$ 600 milhões, ou seja, R$ 1, 1 bilhão. E mais, Dezen anunciou que até 2012 o investimento ficará neste patamar. Eugenio ressaltou ainda que a Petrobras vai reestruturar poços em Carmopolis e em diversos outros poços no Estado.

 

Porto precisa ser ampliado

A necessidade de crescimento do Porto de Sergipe é uma realidade urgente. Além do aumento da demanda em outros setores, no caso da Petrobras, por conta do aumento da produção, vai duplicar o número de embarcações no porto. Em 2007, Sergipe que é o quinto produtor nacional de petróleo, fechará com a produção de 47,2 mil barris diários. A expectativa é que em 2008 chegue a casa de 78 mil e em 2012 ultrapasse a barreira dos 100 mil barris dia.

 

Fortalecendo a pequena e média empresa

Representando o governador, o secretário do Desenvolvimento, Jorge Santana, lembrou do entusiasmo que encontra-se o governador. “Esse primeiro ano, como ele bem diz, foi de reconstrução e 2008 será o ano dos resultados’”, disse, lembrando do incentivo do governo do Estado a micro e pequena empresa que hoje é referência nacional. Jorge Santana falou que na agenda de desenvolvimento do Estado, o segmento da pequena e média empresa faz parte da prioridade do governador Marcelo Déda.

 

 

Rio São Francisco: A luta continua

Na coluna Painel da FSP, de hoje, 21,:Encerrada a greve de fome contra a obra de transposição das águas do São Francisco, d. Luiz Cappio vai investir numa campanha pela aprovação da PEC 524/02, que prevê a revitalização do rio. A emenda cria um fundo, composto por 0,5% da arrecadação da União, para ser usado em desassoreamento, despoluição e recuperação de matas ciliares. Já foi aprovada pelo Senado e está pronta para ser votada no plenário da Câmara. Anteontem, o presidente da Casa, Arlindo Chinaglia (PT-SP), prometeu aos atores Letícia Sabatella e Osmar Prado e a políticos do PSOL que vai colocar a emenda em votação no início do ano legislativo, em fevereiro. O bispo avisou que vai participar do lobby pela aprovação da matéria. A emenda é do senador Valadares.

 

 

Frase do dia

 “Cartão de Natal. Aqui,/não a paisagem nevada/a neve que não conheço,sou do Nordeste/nem papai noel em trenó/na terra dos carros-de-boi./Como suariam as renas na minha terra!.” Alberto Carvalho.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários