Reféns da oposição

0

Os sergipanos menos avisados devem estar pensando que os políticos governistas perderam a língua. Até mesmo os mais radicais silenciam quando o tema do debate é algum deslize da oposição. Em outros tempos, haveria fila de governistas arrotando sobre a inclusão do prefeito de Aracaju, João Alves Filho (DEM), na relação dos réus do processo que apura o escândalo da ‘Operação Navalha’. Aproveitariam a deixa do Superior Tribunal Federal (STF) para espalhar que o demista corre o risco de ser condenado por corrupção passiva, peculato e formação de quadrilha. Refém da oposição, que tem maioria na Assembleia, a situação vai continuar de bico calado até a aprovação do Proinveste. Depois disso, pode até ensaiar um grito de liberdade, pelo menos até que o rolo compressor oposicionista lhe coloque outra mordaça na boca. Admitamos, é o fim!

Piedade!

‘Meu divino São José/Aqui estou a vossos pés/Dai-nos chuva com abundância/ Meu divino São José’. Este clamor popular, tão bem interpretado pela baiana Maria Bethânia, será ouvido hoje em todo o semiárido, onde a seca insiste em fazer vítimas. Esperançoso, o agricultor mantém a crença de que, se chover neste 19 de março, Dia de São José, o inverno será bom, garantindo uma excelente colheita. Que os Céus tenham piedade dos flagelados.

Novos rumos

É cada vez mais forte nos bastidores políticos o rumor dando conta que a oposição teria rifado o sonho da deputada estadual Susana Azevedo (PSC) de ser conselheira do Tribunal de Contas do Estado. Pelo que se comenta, a bola da vez é o vice-prefeito de Aracaju, José Carlos Machado (PSDB), num entendimento para que o prefeito João Alves Filho (DEM) venha apoiar o senador Eduardo Amorim (PSC) ao governo de Sergipe em 2014. Será?

Exagero

Parece fora de tom o discurso do vereador Dr. Gonzaga (PMDB) a favor do rodízio de carros em Aracaju. Que o trânsito da capital tem ficado cada vez mais desorganizado é fato, mas daí é querer compará-lo ao das grandes metrópoles é um exagero. Existem várias outras alternativas para reordenar o tráfego de veículos na capital antes que cheguemos ao caos vivido pelos paulistanos.

BR-235

A duplicação da BR-235 no trecho que corta Sergipe será defendida hoje pelo senador Eduardo Amorim (PSC) durante audiência com a ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior. Segundo o parlamentar cristão, o grande fluxo de veículos já justifica a duplicação da rodovia que, bem mais segura, se transformaria em uma nova rota para a interiorização e o desenvolvimento de Sergipe. Está certíssimo!

Repúdio

Por unanimidade, os vereadores de Dores aprovaram uma Moção de Repúdio contra o deputado federal Almeida Lima. Este teria feito denúncias infundadas ao dizer que as máquinas da Prefeitura estariam a serviço do desembargador Ricardo Múcio. Segundo o vereador Ricley Marcel Mota Santana, a estrada ligando os povoados Bravo Urubu e Junco passa pelo terreno do magistrado, sendo obrigação do município mantê-la em perfeitas condições.

Pacto

O prefeito de Aracaju, João Alves Filho (DEM), participa amanhã em Brasília de reunião para discutir o pacto federativo. O demista sergipano e demais prefeitos das capitais serão recebidos às 11h pelos presidentes da Câmara Federal e do Senado, respectivamente Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) e Renan Calheiros (PMDB-AL). Os dois tiveram a mesma conversa no último dia 13 com os governadores.

Domésticas

O deputado estadual Gilson Andrade (PTC) apelou ontem aos três senadores sergipanos para que votem a favor da PEC das Domésticas. A Proposta de Emenda à Constituição garante às empregadas os mesmos direitos já assegurados aos demais trabalhadores urbanos e rurais, a exemplo do FGTS, jornada semanal de 44 horas, pagamento de indenização nos casos de demissão sem justa causa e de hora extra em valor, no mínimo, 50% acima da hora normal.

Invocado

O empresário Sandro de Miro está invocado com a secretária da Saúde de Aracaju, Goretti Reis (DEM). Depois de tentar sem sucesso falar com ela, o rapaz recorreu ao twitter: “Desde a semana passada estou tentando uma audiência com a senhora. É sobre o fornecimento de combustível. Acho que não será preciso interromper o fornecimento”. Quem sabe agora Goretti recebe Sandro.

Do baú político

A música ‘Propriá’ foi resultado das andanças de Luiz Gonzaga pela região ribeirinha e pela sólida amizade que ele fez com o ex-prefeito propriaense Pedro Chaves (UDN). Os dois se conheceram no início da década de 50, quando ‘Lula’ colocou os pés na estrada para divulgar o vermute Martini, bebida muito apreciada na época. O prefeito fez uma praça e colocou o nome de Luiz Gonzaga, convidando-o para inaugurá-la. Segundo Luiz Chaves, filho de Pedro, a inauguração foi uma das maiores festas já vistas na região. Para desgosto do udenista, seus adversários mandaram arrancar a placa com o nome do Rei do Baião. O novo prefeito Nelson D’Ávila Melo (UDN) resolveu reparar o mal feito e consultou Pedro sobre a possibilidade de chamar Luiz Gonzaga para reinaugurar o logradouro. O convite foi aceito e a praça reinaugurada com uma festa mais estrondosa que a primeira. Foi nesta época que Gonzagão concebeu a música ‘Propriá’ que diz numa de suas estrofes: “E com a Rosinha eu deixei meu coração/ Por isso eu vou voltar pra lá/ Não posso mais ficar/ Rosinha ficou lá em Propriá”.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais