Som alto, tiros e pedra cantada

0

Este espaço, por mais de uma vez tocou no assunto do som alto, alertando que apesar de todo trabalho do Ministério Público e outros órgãos, o serviço é prejudicado por conta da identificação de quem chama a polícia e de alguns cidadãos – principalmente policiais – que se acham acima da lei e não obedecem a chamada lei do silêncio.

 

Leia essa matéria publicada no site de Gilmar Carvalho, o Nenoticias, no sábado 15: “PM tentou matar militar, que está internado no São Lucas – Não há mais dúvida: foi um PM que tentou matar o PM Edizan Machado de Souza, ontem à noite na avenida Beira Mar. Por volta das 20 horas, Edizan discutiu na rua Riachão, por causa do volume alto de um som que estava sendo usado por outro militar. Com a chegada de policiais do Batalhão de Choque, os dois pararam de discutir. Depois da saída do Choque, os militares voltaram a se desentender e saíram do local. Ao chegarem à avenida Beira Mar, por volta das 21 horas, um deles puxou a arma, uma pistola ponto 40, e disparou dois tiros em Edizan. Ferido, o PM foi levado para o Hospital de Urgência de Sergipe, antigo João Alves Filho, onde sofreu cirurgia. Depois, foi internado no Hospital São Lucas. Embora a polícia ainda não tenha certeza que a tentativa de homicídio foi cometida por um militar, Ne Noticias informa que a vítima não tem dúvida de que as balas foram disparadas por um colega de farda. Edizan se recupera no São Lucas e seu estado de saúde é considerado bom. Ainda não se sabe o nome do militar que tentou matar o colega”.

 

Se confirmando a notícia acima, está claro que esse espaço “cantou essa pedra há alguns dias”. Se com um policial a reação dos donos dos ouvidos alheios é assim, dá para imaginar com um cidadão comum. Até quando, a polícia, que deveria dar exemplo e seguir a lei, continuará sendo a primeira a desrespeitar a ordem e passando por cima, até mesmo de colegas da corporação?

 

 

E aí Samarone! Vai uma sopinha?

Deu na coluna Cajueiros e Papagaios (Grace Melo) no alternativo Folha da Praia: “Enquanto uns batalham para organizar o trânsito, outros teimam em complicar. É o caso do restaurante Rei da Sopa, no conjunto Sol Nascente, que todas as sextas-feiras à noite, horário de maior movimento, simplesmente fecha duas ruas ao seu redor para ampliar seu espaço de atendimento. No lugar dos carros, as ruas ficam servindo de estacionamento para mesas e cadeiras.

 

Já pensou se todos os bares fecharem as ruas?

E essa reclamação não é de agora. Já tem muito tempo, mas a SMTT, diga-se Samarone de Santana, fecha os olhos. Qual será o motivo? Já pensou se todos os bares da cidade resolverem fechar as ruas à noite? É correto? E aí Samarone! Vai uma sopinha no Rei da Sopa?

 

José Guimarães perdeu o bom senso

No domingo, 15, em entrevista ao jornal Correio de Sergipe, o ex-superintendente do Sebrae/SE, José Guimarães, candidato a deputado estadual pelo PSC, soltou toda a ira por ter perdido a eleição do órgão. Primeiro tentou passar que não teve mudança no Sebrae/SE. A mudança é real e pelos e-mails recebidos de diversos funcionários o clima é totalmente outro naquela instituição. Depois desceu o verbo no governo estadual, por conta das declarações do governador Marcelo Déda defendendo a mudança no Sebrae/SE.

 

Desespero

“É uma turma de incompetentes que já no governo que tem inveja das pessoas. Porque as pessoas que precisam apagar a luz dos outros para fazer a sua própria brilhar são invejosas. Não merecem sequer estar em cargos públicos. O governo tem muita gente de bem, só que tem uns quatro incompetentes e fofoqueiros. E não é muito difícil identificar…” José Guimarães demonstra que não engoliu a saída do Sebrae/SE e que pensava em fazer o mesmo que fez com os ex-governadores Albano e João Alves.

 

Blog vai descobrir o significado de “pedágio”

Guimarães não poupou nem mesmo o empresário Henrique Brandão Menezes que criticou o governo Albano Franco e expôs a público algo que é comentado por diversos empresários nos bastidores. Por falar em bastidores, este espaço vem colhendo informações com alguns empresários sobre incentivos fiscais. Alguns falam nos bastidores, mas não assumem publicamente, mas um deles pediu “um tempo” para reunir mais informações e está disposto a falar na imprensa. Este jornalista esta de “cabeça quente” para descobrir o que significa “pedágio” na linguagem destes empresários. Todos eles falaram essa palavra que foi muita usada nos bastidores no passado…este jornalista jura que ainda não entendeu…

 

Piso salarial em São Cristóvão

Alguém sabe se a Prefeitura de São Cristovão está pagando o piso nacional do magistério? O curioso é que lá, ninguém fala em assembléia, paralisação, audiência com o prefeito e menos qualquer coisa sobre o Piso Nacional do magistério. O blog recebeu uma informação interessante, está checando, mas parece que lá – como em outras cidades – um determinado sindicato está usando as duas faces do poder.

 

Biriba exonera Manuca

Piada na sexta-feira, o garoto Biriba, que ficou conhecido nacionalmente no programa da Rede Globo, Caldeirão do Hulk, no final do ano passado, a convite do prefeito Alex Rocha, assumiu a prefeitura. Como seu primeiro ato, exonerou o secretário de administração de São Cristóvão, Manoel Barros Santos (Manuca), considerado o “mala” da administração de Alex. Ainda bem que sobra alegria ao povo daquela cidade, que sofre há muito tempo.

 

Vereador cobra licitação em São Cristovão

O vereador Carlos Alberto dos Santos Meneses (PV), conhecido como Carlos Vilão, deu entrada em um requerimento dirigido ao presidente da Câmara Municipal de São Cristóvão para que seja solicitado ao prefeito Alexsander Andrade uma cópia do processo licitatório de contratação da Empresa Torre para prestar serviços no município. Em plenário, Carlos Vilão justificou o seu pedido e manifestou sua preocupação com o caso, pois, como vereador, tinha conhecimento da existência de um contrato entre a Prefeitura e outra empresa, denominada LOC Construções e Empreendimentos Ltda., para a realização dos mesmos serviços realizados pela Torre. Não seria mais lógico fazer a licitação, já que o contrato com a LOC se expira em maio deste ano? Com a palavra o MP.

 

Rescisão com outra empresa sem realizar licitação

E mais: o contrato entre a Prefeitura de São Cristóvão e a LOC Construções e Empreendimentos Ltda. tem validade, no caso agora tinha validade, até 2 maio deste ano e, curiosamente, foi assinado pelo atual prefeito, Alexsander Andrade, quando naquela oportunidade também respondia pela Prefeitura. Ao procurar se inteirar melhor do fato, o vereador do PV foi informado, através do representante legal da LOC Construções e Empreendimentos Ltda., Derneval de Jesus Marques, que a empresa tinha recebido uma “Notificação de Rescisão Contratual” assinada pelo prefeito Alexander Andrade comunicando “a rescisão do contrato nº 701/2008, conforme estabelecido pela cláusula décima, do mesmo, por se tratar de relevante interesse público”.

 

Aquecimento das obras públicas

Ao conceder entrevista ao jornalista Adiberto de Souza – no Jornal do Dia do último domingo – o empresário Luciano Barreto, presidente da Associação dos Empresários de Obras Públicas e Privadas – Aseopp, disse que acredita muito no aquecimento do setor de obras públicas este ano, “pois sempre que existe um risco de recessão, o governo aciona logo setores como a construção civil, a agricultura e o turismo, por serem fortes geradores de emprego e renda”.

 

Burocracia nas obras de Sergipe

Luciano Barreto falou também na demora na execução das obras em Sergipe: “Entendo que o modelo de gestão de obras públicas usadas no país está errado…na verdade, existem equívocos na forma do controle desenvolvido pelo poder público, que delega essa missão a pessoas despreparadas, que nunca entraram num obras antes, e, portanto, não sabem como executá-las. A burocracia e o modelo de gestão resultam numa equação perversa, ou seja, preço, empresas e obras ruins e inacabadas”.

 

Instrumentos para execução correta

Questionado o que precisa fazer para mudar a situação Luciano Barreto disse: “O governo precisa incorporar o modelo usado pela iniciativa privada, que parte de um projeto bem elaborado, liberação das licenças em tempo hábil e preços adequados. O poder público deve usar instrumentos que permitam a execução da sua parte corretamente. Só assim terá condições de cobrar o serviço contratado e punir o empresário que não honrou o compromisso assumido. O empresário que, ao contratar uma obra, encontrar o projeto correto, as licenças liberadas e o preço justo, não terá como justificar o atraso e a não execução da obra”.

 

Apoio a Francisco Rocha

Sobre o apoio a Francisco Rocha para presidente do Sinduscon/SE: “No início do processo, eu sugeri que o candidato a presidente fosse Francisco Rocha, tendo como vice-presidente imobiliário, Tarcísio Teixeira, com que tenho hoje uma excelente relação. E por que sugeri isso? Porque o setor imobiliário está muito bem organizado e tem uma atuação muito forte através da Ademi, que é muito bem dirigida pela empresária Danusa Silva. Tarcísio não conhece o setor de obras públicas, mas ninguém conhece como ele o setor imobiliário de Sergipe e do Brasil”.

 

Governador participa do Projeto Verão 2009

O governador Marcelo Déda prestigiou no último sábado, 14, a terceira noite de shows do Projeto Verão 2009, promovido pela Prefeitura de Aracaju na Orla de Atalaia pelo 8° ano consecutivo. O evento se incorporou ao selo Verão Sergipe e conta com a parceria do Governo do Estado em sua divulgação e estrutura de segurança, garantida pela Polícia Militar de Sergipe, para oferecer uma programação variada que inclui atrações musicais, atividades esportivas, educativas e culturais. Na mega estrutura montada na Atalaia, o governador acompanhou os shows da banda Charlie Brown Junior, da banda sergipana Naurêa e do cantor internacional Manu Chao. Essa é a primeira vez que o projeto traz em sua programação uma atração estrangeira.

 

Elogios ao prefeito

Segundo o governador, a variedade da programação e a presença maciça de aracajuanos e turistas no local é um reflexo do sucesso da festa. “O prefeito Edvaldo Nogueira está de parabéns pela excelente programação desse ano. Essa é uma festa que já virou marca do verão de Sergipe e de Aracaju. O Projeto Verão mobiliza a cidade, traz figuras da maior importância da música brasileira e pop internacional, movimenta o turismo, enche hotéis e reafirma Aracaju como uma cidade cada vez mais procurada pelos turistas brasileiros. Acredito que esse projeto continuará a ser um referencial para o Nordeste”, comentou. (ASN).

 

Apuração de improbidade na prova de professores

A Justiça paulista determinou que o MP (Ministério Público) receba cópias dos documentos para apurar se ocorreu improbidade administrativa na aplicação da prova para professores temporários e na manutenção de professores “nota zero” no quadro de profissionais do Estado de São Paulo. A decisão foi assinada na última quinta-feira (12), pela juíza Maria Gabriella Pavlopoulos Spaolonzi, da 13ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo. Para a juíza, a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo confirmou na mídia que manterá em seus quadros professores que tiraram “nota zero” no exame. Este fato leva a “questionar a omissão dos agentes responsáveis pela fiscalização da produtividade e da qualidade do serviço de tais professores”, diz Maria Gabriella. Em outro trecho da decisão a juíza afirma ainda que “não deu guarida à mantença de profissionais desqualificados para a regência em salas de aula”.

 

Professor ruim em sala de aula?

De acordo com Maria Gabriella, “reconhecidamente a Secretaria da Educação mantém professores despreparados para ministrar salas de aulas. E não há vínculo algum com o Poder Público que garanta a estabilidade aos servidores e aos funcionários que não cumpram seu dever de forma satisfatória”. A decisão aponta ainda que, se o funcionário teve nota ruim na prova por boicote, isso demonstra desleixo do profissional. E pede a apuração de irregularidades na aplicação do exame. A magistrada finaliza sua decisão afirmando que o caso trouxe à reflexão “os prejuízos que a remota inércia dos ocupantes de cargos de direção de escolas e, quiçá, da própria Secretaria da Educação, causados aos alunos da rede pública estadual.” (FSP).

 

DO LEITOR

 

Ao leitor Yuri sobre a perseguição em Salgado I

Da assessoria de comunicação da Prefeitura de Salgado: “O que você define como perseguição, na sua mensagem enviada ao jornalista Cláudio Nunes, recheada de termos técnicos, invocando até mesmo a Constituição Federal, nós que fazemos a administração municipal, definimos como “Direito do gestor público de exercer o mandato com a responsabilidade que o povo lhe outorgou”. Vejamos: Qual a perseguição existente no ato da Prefeita Janete Barbosa (PMDB), eleita com a maioria dos votos da cidade, em colocar alguém para trabalhar? Quando estes poucos servidores que estão reclamando fizeram o concurso público tinham consciência que o local de trabalho era no município de Salgado, e pelo que nos consta os mesmos foram designados para o desenvolvimento das suas atividades em estabelecimentos que pertencem ao próprio município”.

 

Ao leitor Yuri sobre a perseguição em Salgado II

O curioso é que dentre estes poucos servidores que estão reclamando, afirmando que estão sendo perseguidos por terem votado no candidato derrotado nas urnas, alguns não vieram reclamar quando, por excesso de professores no município, resultado de uma convocação irresponsável do gestor anterior, que inclusive foi o candidato a vice-prefeito na coligação derrotada, Raimundo Araujo, o qual foi escondido durante a campanha, dizem até que por vergonha do vice,  praticou contra o município, ficou em disponibilidade por um bom tempo, não houve nenhuma reclamação. Agora que foram convocados para trabalharem estão reclamando. Isso é feio. Se não querem trabalhar no município, o que é a prefeita pode fazer? Assessoria de Comunicação, Prefeitura Municipal de Salgado.

 

Exploração da boa fé

E-mail recebido: “É notável o crescimento do número de pessoas que bate nas portas e abordam as pessoas na rua pedindo dinheiro. Chega ser constrangedor ver pessoas saudáveis e cheias de vida pedindo dinheiro quando poderiam estar buscando algo para fazer e ganhar seu dinheiro sem pedir favor. Faço parte da equipe de atendimento ao público em uma empresa de médio porte, e posso afirmar com certeza que a quantidade de pessoas pedindo uma “esmolinha ou um trocadinho” é maior que aqueles procurando deixar um currículo ou perguntando se precisa de alguém para trabalhar. É politicamente correto pedir, porém estar se tornando imoral a maneira que as pessoas estão explorando a boa fé de quem anda nas ruas ou estar em casa sem esperar, e de repente aparece alguém pedindo uma esmolinha. Existe um forte programa do governo (bolsa família), direcionado a famílias de baixa renda, justamente para que não haja tantas pessoas pedindo esmola nas ruas. Isso mostra que ainda existe muita gente sem acesso aos programas sociais do governo e que o índice de desemprego cresce assustadoramente”.

 

Insegurança em Campo do Brito I

Comentário de Hércules Mário: “A população de Campo do Brito clama por providências urgentes da Justiça no combate aos roubos que vêem acontecendo. Diariamente meliantes invadem residências e casas comerciais por toda a cidade, causando prejuízos, crimes e completo desassossego. E o pior, NÃO residem na cidade Juiz, Promotora, Delegado e nem Escrivão, o que piora ainda mais a situação de insegurança, pois a polícia despreparada, quando conseguem prender algum larápio no dia seguinte o solta e fica por isso mesmo… Até a própria Delegacia já foi invadida e os presos liberados, ficando detido o policial quardião”.

 

Insegurança em Campo do Brito II

Continua Hércules: “É essa a Segurança Pública prometida nas ricas campanhas eleitorais? Cadê as autoridades municipais e estaduais, o que têm feito, que deixa essa situação lastimável prolongar-se, como se nada estivesse acontecendo? É hora de agir!!! É hora do Estado por em ação a eficiência tão promulgada e anunciada pelos governantes e que na verdade na prática não se tem notícias, só despesas e propagandas. Campo do Brito merece respeito! A família britense merece respeito! Pois a cidade neste momento “encontra-se entregue aos ladrões e marginais” e isso nós não merecemos, pois somos cidadãos.”

 

Façam o que digo e não o que faço

Do leitor Diego Souza: “Muito pertinente o texto do leitor Messias Gonçalves, discordo apenas no tocante quanto diz que o Governador, como cidadão, tem o direito de não querer receber os representantes do Síntese. Realmente possui o direito mas como Governador do Estado têm também o dever de recebê-los, ainda que seja para expor publicamente a total falta de compromisso do Síntese com os cidadãos, visto que são muito ativos quando se trata de negociar seus aumentos (neste caso então a reclamação é incompreensível visto que a lei foi cumprida), mas mostram total desinteresse em aperfeiçoar suas aptidões profissionais bem como ficam ofendidos e agressivos quando recebem qualquer tipo de crítica, basicamente se consideram intocáveis. Tenho um amigo que é Promotor de Justiça e este diz que recebe constantemente ofícios de professores recheados de erros de português, isso em uma época que os editores de texto corrigem todos os erros, ou seja, temos uma geração fada a escrever “menas”, “seje”, “voçê”, etc… Uma vez chamada à atenção dos representantes da categoria sobre esse tipo de acontecimento o procedimento padrão deles é primeiro desmerecer quem fez a crítica e segunda tentar desviar o foco da atenção pública. Eles são excelentes críticos dos administradores públicos mas agem baseados na premissa “Façam o que digo e não o que faço”.

 

 

Crise e incapacidade I

Do leitor Marcos: “Incomoda e muito ler nos veículos de comunicação noticias atribuídas a membros do governo estadual que alardeam de forma até aparentemente festiva que “finalmente a crise chegou a Sergipe”. Parece até que soa como alívio para estas pessoas que finalmente a crise tenha chegado até nós, e parece, para justificar a falta de incapacidade deste pessoal para; realizar obras, edificá-las, acelerar a economia do Estado, tocar os empreendimentos e acima de tudo, como em toda crise, se destacar pela criatividade como governantes. “Ah graças a Deus, a crise finalmente chegou, finalmente temos o nosso álibi, vamos alarmar por aí que é tudo por culpa da crise, nós bem que tentamos, más esta danada desta crise não nos deixa fazer nada, então vamos todos ficarmos em nossas salas confortáveis com ar condicionado, quietos recebendo nossos ricos salários, jetons por participação em conselhos deliberativos que se reúnem de arake e não deliberam nada”.

 

Crise e incapacidade II

Continua o leitor: “O que este pessoal devem saber como bem diz o Luis Moura do Dieese, que alarmes como estes servem bem para resolver a falta de competência dos executivos  do atual governo mas também serve para colocar para baixo o ímpeto natural que as pessoas tem para consumir e sem consumo haverá sim queda de arrecadação no Estado.A irresponsabilidade, neste afã de criar este balão de ensaio para enganar as pessoas posando de vitimas da crise e que por isto não conseguem tocar o Estado de forma progressista. O Governador se desespera com este estado letárgico, preguiçoso de muitos dos seus auxiliares, para trabalhar, más que são muito bons de copo e mesa, altos consumidores gastronômicos pelos restaurantes chiques da cidade e além fronteira, más para trabalhar, produzir….Ah isto demonstra não muito ser a especialidade deste pessoal que estão no atual governo, salve-se, com raríssmas exceções alguns poucos. Por tanto, se o atual governo não consegue através de seu viés de força econômica, enquanto consumidor de alto poder de compra, procurando, incentivar e centralizar as compras governamentais aqui no estado acabando com estas compras eletrônicas, que somente beneficia empresas de fora do estado através do comprasnet.se.gov.br, pelo menos não atrapalhem o empresariado do estado com estes alarmes falso de que finalmente a crise chegou aqui por conte de que houve quebra de arrecadação por conta da crise, porque apenas nos restou a consumidor varejista. Enquanto o governo do estado comemora cem milhões em economia nas compras para o estado, o comercio de Sergipe nas grandes licitações do estado não tem nada a comemorar haja visto que, as grandes licitações realizadas os vencedores foram as empresas de outros estados, restando apenas as dispensas por valor (D.V.) para o comercio local, e quando alguma empresa do estado vence alguma grande licitação eletrônica é um aborto da natureza”.

 

Crise e incapacidade III

Finaliza Marcos:A queda na arrecadação acontece todos os anos – nos primeiros meses do ano –  no estado por conta de ferias, viagens, ressaca do consumidor que está pagando compras ainda feitas em novembro, impostos como IPTU que para a classe média é altíssimo, IPVA, laudênio, I.R. e uma infinidade de impostos, porque afinal o Brasil é o pais dos impostos. Claro que 2008 foi um ano atípico em todo Brasil com o ano começando a todo vapor, parecia que 2007 ainda não tinha terminado, onde finalmente estava parecendo que a profecia do Presidente Lula iria se realizar: O espetáculo do Crescimento finalmente tinha chegado. A crise existe? Sim, existe. Mas devemos agora sim, trabalhar muito, se possível, dia e noite, sem trégua, para vencê-la, ou pelo menos, não deixá-la nos alcançar. O Presidente fala que temos um quadro bom na economia, bancos saudáveis, não dinheiro para credito, financeiras até anunciando que se o consumidor está devendo em outro lugar ela compra a divida e o consumidor ainda sai com dinheiro. O Banese anuncia dinheiro para o empresariado, o BB, C.E. BNDS, BNB, etc, anunciam o credito e incentivo para pelo menos, manter a roda da economia rodando, claro de desaceleradamente, ou se quiserem sem a mesma velocidade de 2008, más tenho certeza que nossos presidente, junto com o ministro da fazenda e o presidente do banco central estão no caminho certo, mesmo com a urubuzada do PSDB e DEM, através dos seus portais e trombeteiros da grande imprensa e dos opositores do governador incrustados no estado estarem torcendo para que tudo dê errado para Lula e Déda”.

 

Desvio de Função em Itaporanga D´Ajuda

E-mail recebido: “Em Itaporanga D Ajuda distante, 29 kms da capital, Agentes de endemias desviados da função e lotado no setor de licitação, Serviços Gerais trabalham como Motoristas, pelo simples objetivo de atender interesses políticos, esse é o retrato da atual administração, que o Ministério Publico possa rever essa situação”.

 

Frase do Dia

“A ganância é insaciável.” Tales de Mileto.

 

 

 

 

 

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários