Terror e “Malafogados”

0

Agosto de 1942. Cenário de guerra. O império nazista está no auge, a Europa dominada, com exceção da Grã

Navio mercante Baependi, o primeiro da noite de horror.

Bretanha, que resiste bravamente e da península ibérica, poupada pelo Eixo. Nessa altura, os Estados Unidos já são beligerantes, após ataque à base de Pearl Harbor.
O governo brasileiro, até então hesitante, finalmente toma posição favorável aos aliados na Segunda Guerra e Hitler despacha seus submarinos para o Atlântico Sul, para as costas do Brasil, fugindo da ameaça americana. A ordem era de promover ações de sabotagem e torpedeamento de portos e embarcações brasileiras, visando impedir a rota de suprimentos e o deslocamento de tropas. Quando os submarinos já estão na região, a ordem é estrategicamente suspensa. Mas eles não perdem a viagem.
Um deles chega bem pertinho da costa baiana e sergipana. O submarino U-Boat 507, comandado pelo Capitão-de-Corveta Harro Schacht, no trajeto de Recife para Salvador, passando pelo litoral sul de Sergipe, avista o navio

Comandante do U-507 Harro Schacht

Baependi, nas proximidades da foz do Rio Real, que segue de Salvador para Recife.
O relógio marca 19 horas do dia 15 de agosto. Dois certeiros torpedos afundam o navio mercante em quinze minutos, ceifando a vida de duzentos e setenta pessoas, muitas delas mulheres e crianças. Somente trinta e quatro conseguem sobreviver, chegando exauridos à praia do Saco no transcorrer do dia seguinte, alguns deles agarrados aos destroços e a maioria apinhada no único bote que sobra do naufrágio.
Horas depois, o U-507 avista o navio Araraquara, que tem igual destino. Não tarda, na mesma rota vem o Aníbal Benévolo, que entraria no porto de Aracaju, proveniente do Rio de Janeiro, com passageiros sergipanos. Também vai a pique atingido por torpedos, por volta das 4 horas da madrugada. Em suma, três navios são afundados, um atrás do outro, deixando grande número de mortos e náufragos, num espaço de menos de dez horas. A tragédia do Baependi é a maior entre todas as que se abatem sobre os navios brasileiros durante a Segunda Guerra Mundial. Em nenhum outro torpedeamento há tantas vítimas. Somado os três navios afundados, o ataque do U-507 causa a morte de 551 brasileiros.
No dia 17, o coronel Augusto Maynard Gomes, interventor federal que governa o estado com mãos de ferro toma o seu café da manhã em palácio quando é alertado por oficiais da marinha que o “Aníbal Benévolo”, que deveria chegar em Aracaju no dia anterior, não dera sinal de vida. Preocupado, manda acionar Walter Baptista. Coordenador de um grupo de aviadores amadores que havia recebido do governador Eronides Carvalho, em 1939, um avião para o aeroclube de Sergipe, Walter fazia voos de treinamento ao lado de outros pilotos amadores, entre eles Lourival Bomfim, Durval Maynard, Lindolfo Calazans, Valter Rezende, Arivaldo Carvalho e Evandro Freire. Quando a guerra se desloca para o Atlântico Sul, essas pequenas aeronaves passam também a vigiar as nossas praias, com incursões de reconhecimento pelo litoral sergipano, logo ao raiar do dia. Na época, o Aeroclube já contava com cinco teco-tecos. Maynard pede a Walter para que sobrevoe o litoral sul na tentativa de descobrir o motivo do atraso do navio. As notícias de torpedeamento de navios brasileiros em rotas internacionais já eram conhecidas, mas ninguém ainda imaginava que a guerra estivesse tão próxima. Ele chama Lourival Bomfim, médico e companheiro de aventuras, também aviador e juntos decolam. O que eles veem é desolador e sem ainda saber, são expectadores do fim de uma noite de tragédias e do início de um dia de lágrimas.
Corpos misturados a restos das embarcações, nas areias da praia, encontram mais de cinquenta. Até então não sabem ao certo o que teria provocado a tragédia. O que poderia ter sido um inesperado naufrágio revela-se, porém, em dolorosa tragédia. Walter e Lourival chegam a ver, do alto, pessoas saindo da água, cambaleantes, em trapos, feridas e

Zamir de Oliveira, médico sobrevivente do Baependi

ensanguentadas. Aterrisam o pequeno avião na areia da praia, prestam  os primeiros socorros e então ficam sabendo, atônitos, o motivo real do ocorrido. Pescadores e moradores dessas regiões ainda inóspitas e de difícil acesso, presenciaram o terror nas suas portas e ajudaram também no esforço de resgatar vítimas.
Entre os sobreviventes, o médico Viterbo Storry, que no momento do ataque ao Baependi, conversava no convés com outro médico, Zamir de Oliveira. Ambos haviam sido nomeados para o Serviço Nacional da Peste em Pernambuco. Tive contato recente com familiares de Zamir que me contaram toda a sua dramática história, desde o atendimento inicial em Estancia, a transferência para Aracaju e posteriormente para o Rio de Janeiro, onde foi recebido com festa.
Muitos feridos foram levados a Estância, onde receberam atendimento no Hospital Amparo de Maria, graças à ação dos médicos Jessé Fontes, Clovis Franco, Pedro Soares, entre outros. Os feridos não paravam de chegar. Na praia os corpos inertes, sem vida, são enfileirados e para lá se dirigem forças policiais acompanhadas do Dr. Carlos de

Boia presumidamente pertencente ao Aníbal Benévola. Acervo do Memorial do Judiciário

Menezes, médico legista que, com a ajuda do Dr. Aloysio Coutinho Neves, autopsia os cadáveres, descrevendo as lesões encontradas. Além de corpos mutilados, muitos utensílios deram na praia, sendo muitos deles saqueados e levados por curiosos, como troféu.
Os aviões do Aeroclube também pousam nas praias de Atalaia e do Mosqueiro, onde dezenas de corpos, trazidos pela mar, perfilam um quadro dantesco e aterrorizador.
Os sergipanos, em estado de choque, agora com a grande guerra “à porta”, temem que ela se alastre por toda a cidade. Fazem treinamentos e à noite, com a cidade às escuras, recolhem-se aos seus lares. Com a fuga dos submarinos, a sensação de alívio é geral, não sem os traumas que levam a população ensandecida a promover tentativas de linchamento de imigrantes alemães e italianos, como a que acontece com a família Mandarino, com o patriarca Nicola Mandarino sendo acusado de colaborador e espião do governo fascista. Acusação nunca provada.
Outros torpedeamentos ainda ocorreram na mesma rota destruidora do U-507. Em 17 de agosto, no litoral norte da Bahia, o Arará e o Itagiba são afundados pelo comandante Harro, resultando em mais cinquenta e seis mortes.
A tragédia no litoral sergipano desencadeia de pronto a reação do Governo brasileiro. Em 22 de agosto, o presidente Vargas reúne seu Ministério, que aprova por unanimidade a situação de beligerância entre o Brasil e as nações agressoras. Em 31 de agosto, finalmente, o Brasil declara guerra à Alemanha e à Itália.
Harro Schacht, carrasco dos navios mercantes brasileiros, não fica impune e é morto quando o U-507 afunda com toda a sua tripulação em 13 de Janeiro de 1943 no Atlântico Sul, atingido por bombas de um avião americano Catalina.
Passados quase 80 anos do torpedeamento dos navios mercantes brasileiros nas costas de Sergipe e da Bahia, muita coisa ainda tem pra ser conhecida, como a própria razão dos ataques, a rota seguida por muitos sobreviventes até chegar a povoados e hospitais, principalmente o de Estância, o destino dos “malafogados”, a ação dos saqueadores, o destino de muitos corpos nunca localizados, o perfil dos aviadores amadores civis que participaram do esforço de guerra, entre outros mistérios.
O descaso e a ingratidão dos homens fazem com que esse episódio, ao mesmo tempo épico e dramático, seja desconhecido da maioria dos sergipanos. Entretanto, notícias auspiciosas aos poucos vão chegando, a exemplo de novos trabalhos de historiadores vinculados à  UFS e à UFBA, de pesquisadores importantes, como o professor Luiz Cruz (Luizão), além do recente surgimento do Grupo Especial para Estudos da FEB – Grusef, que vem empreendendo ampla discussão sobre a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais