Um golpe de triste memória

0

Ha exatos 45 anos, a democracia foi varrida do Brasil por um golpe militar que colocou o país numa escuridão que durou 21 anos. Naquele 31 de março de 1964, os militares cassaram o presidente João Belchior Marques Goulart e suspenderam todas as garantias constitucionais. Políticos, intelectuais e pessoas comuns foram presas, torturadas e mortas nos porões da ditadura. Outras tantas simplesmente desapareceram e o povo teve que conviver com governos indicados pelos generais de plantão. Só em 1985, quando, indiretamente, o mineiro Tancredo Neves foi eleito presidente da República, o Brasil voltou a respirar ares democráticos. Hoje os militares permaneçam nos quartéis, conscientes de suas responsabilidades e desempenhando seu papel constitucional. É triste lembrar o aniversário do golpe militar, mas é preciso fazê-lo para que episódios como aquele de 64 nunca mais ocorram.

Prestação de contas

Os partidos políticos têm até o dia 30 de abril para entregar à Justiça Eleitoral a prestação de contas anual referente ao exercício 2008. Os balanços devem conter, entre outros, os seguintes itens: discriminação dos valores e destinação dos recursos originários do Fundo Partidário; origem e valor das contribuições e doações; despesas de caráter eleitoral, com a especificação e comprovação dos gastos com programas no rádio e televisão, comitês, propaganda, publicações, comícios, e demais atividades de campanha e discriminação detalhada das receitas e despesas.

Poupança cresce

Os depósitos em poupança na economia sergipana totalizaram R$ 2,04 bilhões no mês de janeiro de 2009, o que significa um aumento de 1,25% em relação ao mês anterior. A informação foi divulgada ontem pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), com base em dados do Banco Central. No período de janeiro de 2008 a janeiro de 2009, os depósitos em poupança cresceram 16,79%.

Feira da Indústria

Com o intuito de criar meios para a promoção de intercâmbio entre as empresas sergipanas e divulgar entre a sociedade local os produtos fabricados em Sergipe, o Governo do Estado vai apoiar a realização da I Feira da Indústria e Inovação Tecnológica de Sergipe (Fitec). O projeto foi demonstrado a empresários e instituições parceiras, a exemplo da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (Fies), durante reunião coordenada pelo secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia, Jorge Santana.

Medo da inadimplência

Levantamento divulgado ontem pela Serasa aponta que 78% dos empresários brasileiros esperam crescimento da inadimplência dos consumidores no segundo trimestre deste ano, em relação ao mesmo período de 2008. Nos primeiros três meses do ano, 72% já apontavam para o aumento. A pesquisa realizada com 1.015 executivos indica que, no Nordeste, 75% dos entrevistados pensam que haverá alta na inadimplência. O pessimismo com o aumento do número de devedores é maior entre executivos
das instituições financeiras, com 95% das respostas apontando para essa perspectiva.

Aluguel mais barato

Essa interessa aos inquilinos: o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), usado para reajustar aluguéis, teve queda de 0,74% em março. Essa queda foi provocada, principalmente, pelo menor registro em dois componentes do IGP-M: o Índice de Preços por Atacado (IPA-M) que caiu 1,24%, ante 0,20%, e o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que teve deflação de 0,17% após subir 0,35% em fevereiro.

Largue essa idéia

Esse negócio de fumar não está dando certo. Agora o governo colocou na conta dos fumantes a perda de arrecadação causada pela redução de impostos para os setores automotivo e de construção civil. Para compensar essa perda de arrecadação tributária, o governo vai elevar as alíquotas do IPI e do PIS/Cofins sobre os cigarros, que terá validade a partir de 1º de maio. A perspectiva é que o preço final do produto suba até 25% com a decisão. Os cigarros mais baratos devem ter um preço em média 20% maior, e os mais caros, aproximadamente 25% maior.

Segure o bolso

A partir de hoje, está mais caro ficar doente. É que os preços dos remédios estão 5,9% mais elevados. Os consumidores deverão sentir mais depressa o reajuste, principalmente nas farmácias independentes ou ligadas a pequenas redes. Como não têm o mesmo poder de barganha das grandes drogarias, que podem negociar diretamente com as indústrias, os pequenos estabelecimentos estão tendo que comprar com prazos mais curtos e encontrando poucos medicamentos com desconto. Resultado: não terão como não repassar o aumento para o cliente.

Ovos salgados

Pesquisa divulgada pela Fundação Getúlio Vargas registrou uma variação no valor de ovos de Páscoa entre 2008 e 2009. O produto de número 15, entre 180g e 240g, e o de número 20, com 375g, chegam ao mercado este ano com aumento médio de 12% em relação ao ano passado. Apesar do reajuste, os empresários do setor estão eufóricos com a proximidade da Páscoa.

Laércio empossado

O empresário Laércio Oliveira, presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços e Limpeza Ambiental (Febrac), foi empossado ontem como presidente do Instituto Teotônio Vilela em Sergipe. Bastante prestigiada, a solenidade de posse aconteceu no auditório Oviêdo Teixeira do Centro de Convenções da CDL. O Instituto é o órgão de estudos e formação política ligado ao PSDB e atua com o propósito de investir no fortalecimento do processo político brasileiro.

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários