Uma pausa, por favor!

0

A política sergipana vive um período de pausa. Muita gente viajando, poucos querendo falar de política e a maioria ainda tomada pelo espírito natalino. Esse é um período difícil para quem vive de fatos e análises políticas, embora o país esteja prenhe de problemas morais, corrupção, sujeira ética e uma falta de vergonha que ultrapassou todos os limites do obscuro mundo da política, exatamente em um período que se imaginava próspero em honestidade, caráter, reformas, compromissos morais e um comportamento exemplar. Mesmo que haja uma pausa para esse momento de reflexão, não há como apagar da mente e coração a decepção de um governo que feriu todo o sentido de dignidade política, de esperança, de melhoria de vida. Caímos na podridão e, mesmo diante de tanto assalto ao dinheiro público, ninguém foi preso. Dificilmente o será, principalmente quando se assiste um segmento conivente da Câmara Federal absolvendo um parlamentar que confessou ter recebido recursos do indescritível Marcos Valério.

 

Tem o cinismo de Delúbio Soares, que vive impune e protegido pela mão anômala do poder. Podre poder. Tem o José Dirceu cassado, mas em liberdade, sem falar em tantos outros criminosos do colarinho branco que circulam absolutamente despreocupados pela vil sociedade. E tem o presidente Lula. Quem diria heim Lula? Quem diria? Um cidadão que saiu do Nordeste miserável, um retirante da seca. Um fenômeno que chega ao Palácio do Planalto para distorcer a sua história e desfazer o seu currículo. Ou será que todos nós estávamos enganados daquela movimentação que parecia de esquerda? É que hoje o próprio presidente revela que jamais teve ideologia. É possível. As ideologias são posições adquiridas e adotadas por cabeças lúcidas, conscientes e difíceis de serem manuseadas. As marionetes não pensam. Movimentam-se ao sabor da vontade dos zedirceus, dos genoinos e de tantos outros que arquitetaram o projeto corrupto de poder, em que Lula era apenas um ser descartável.

 

Em qualquer outro país. Até mesmo numa republiqueta de bananas, o presidente Lula já não estaria à frente da Nação. Um cidadão que produziu um dos mais tristes escândalos do pais, que expôs ao povo uma fase marginal de segmentos políticos, que banalizou o caixa dois de campanha em uma entrevista montada em Paris, não pode ser o homem que foi eleito presidente por trás de um discurso de mudanças e à frente da expectativa de esperança. É incompreensível que um presidente desse tipo fale em golpismo da elite ou culpe setores da imprensa por divulgar o que ocorria pelos corredores do Planalto, nos gabinetes bem arrumados e na vaidade que subiu à cabeça do único – e talvez último – torneiro mecânico que chegou à presidência da República. Golpe na realidade sofreu o povo brasileiro. Sofreu o cidadão que acreditou nas palavras bem programas e articuladas, a ponto de provocar o maior estelionato político da história do Brasil.

Este país de tanta alegria, ginga e espontaneidade está triste, envergonhado…

 

E a demonstração de que a população está respondendo ao golpe fatal é que está fazendo o presidente despencar. Caiu do terceiro andar, que é muito mais vergonhoso que cair das nuvens. Dificilmente Lula vai recuperar o que foi perdido. É muito difícil tirar do atoleiro quem está com lama até o pescoço. É possível que isso repercuta nos estados e até mesmo quem não se enlameou pode pagar o pato, pelo descrédito que o Partido dos Trabalhadores adquiriu entre aqueles que ouviu deles palavras de euforia, de trabalho, de mudança, de honestidade e ética. As eleições estão próximas, lamentavelmente não há nome novo para conduzir o país e, tristemente, pode-se cair na continuidade de um neo-capitalismo que enriquece banqueiros e castiga o povo, além de manter as distâncias regionais e sociais. Há necessidade de se construir um outro país. Mas, lamentavelmente, a decepção venceu a esperança e não há luz no final do túnel…

 

 

RICARDO

O empresário Ricardo Franco (PSDB) avisa que colocou seu nome à disposição para ser o vice, porque foi procurado por um emissário importante do PFL.

Ele inclusive chegou a relatar a conversar a pessoas do PSDB e não entende como depois houve uma mudança de rumo.

 

INDEPENDENTE

Caso continue dessa forma, Ricardo acha que o PSDB deve sair com candidato próprio ao governo do estado, com chances de fazer uma boa composição.

O PSDB não pretende se unir a nenhuma força que trabalhe contra a eleição do candidato do partido a presidente da República. Acha um incoerência…

 

CONVERSA

O prefeito Marcelo Déda (PT) e o vice Edvaldo Nogueira (PCdoB) conversaram com a direção do PMDB para discutir alianças para 2006.

À radio Jornal o prefeito Marcelo Déda disse que “o PMDB é um importante partido e pode ajudar na ocasião exata”.

 

CANCELA

O governador João Alves Filho (PFL) cancelou a viagem que faria neste período de final de ano, quando tiraria breves férias.

A informação é que com a possibilidade da liberação do empréstimo do BNDES para a ponte, fez com que João Alves permanecesse em Sergipe.

 

OUTRA RAZÃO

Atendendo a sugestão de setores do Tesouro Nacional, que pediram para o governador ficar mais alguns dias, ele resolveu não viajar.

João Alves foi alertado que o problema dos gastos no legislativo pode ser solucionado essa semana e o empréstimo no exterior pode sair.

 

VALADARES

O senador Antônio Carlos Valadares (PSB) disse que tem dois nomes do partido para indicar a vice-governador na chapa de Marcelo Déda (PT).

Admite discutir, dentro do grupo, outras opções que beneficie a eleição de Déda, mas não vai permitir veto puro e simples: “isso não”. E endureceu: “caso haja, vão ter que explicar”.

 

JOÃO FONTES

O deputado federal João Fontes (PDT) está mais para descansar. Ontem ele embarcou para passar alguns dias no Sul do Chile.

Retorna no início de janeiro, fica em Aracaju por uns dias e vai a Brasília para participar da convocação extraordinária do Congresso.

 

SUKITA

O prefeito de Capela, Manoel Messias Sukita (PSB) está entusiasmado para 2006, embora tenha se esquivado de falar em apoio para a sucessão estadual.

Já quanto aos deputados proporcionais, Sukita ficará com candidato que terá o seu perfil de eleitor, como é o caso de Valadares Júnior e André Moura.

 

DOCUMENTO

O secretário do Planejamento, Sérgio Fontes, disse que o Convênio entre governo e prefeitura sobre o projeto viário da cabeceira da ponte em Aracaju está na Procuradoria.

Afônico, com a garganta em pandarecos, Sérgio pareceu surpreso em relação ao Convênio, que deverá sair do empréstimo do BNDES para construção da ponte.

 

CONVOCAÇÃO

A Assembléia Legislativa não deve ser convocada este ano. Segundo um parlamentar, se não foi até agora não há necessidade para o próximo ano.

O governo também enviou uma série de projeto no apagar das luzes do período eletivo, praticamente anunciando a não convocação.

 

PARTICIPAÇÃO

O PSC está unido na disputa por uma vaga na chapa majoritária ao governo do estado. Não vai abrir mão disso.

Foi um partido que teve crescimento rápido em Sergipe e pretende fazer uma boa bancada de deputados estaduais. Vai mais longe: quer fazer dois federais.

 

DUTRA

O ex-presidente da Petrobrás, José Eduardo Dutra (PT), trabalha em silêncio para retornar ao Senado Federal em 2006.

Segundo uma influente fonte do PT ele tem a preferência da ministra Dilma Roussef, da Casa Civil, com quem se dá muito bem.

 

SILÊNCIO

Neste momento, José Eduardo Dutra está em silêncio para que o prefeito Marcelo Déda faça todos os contatos e monte as bases para a sua candidatura.

Déda já disse que em janeiro vai conversar diretamente com José Eduardo para ver onde ele se encaixa. A tendência é tê-lo na chapa majoritária.

 

 

Notas

 

CARAS-DE-PAU

O presidente do TSE, Carlos Velloso, duvida que o presidente Lula da Silva repetisse que a prática de caixa-2 é sistemática” no Brasil, como havia dito na entrevista em Paris. Afirma que o endurecimento das penas para crimes eleitorais intimidará os “caras-de-pau” que “confessaram a prática impunemente”.

O ministro reafirmou que as penas, hoje, são brandas e não coíbem a prática: “É necessário endurecer as penas. Os delitos eleitorais, tais quais postos no Código Eleitoral, são punidos muito brandamente”, disse.

 

EMPRÉSTIMO

A Comissão de Trabalho, Administração e de Serviço Público rejeitou o projeto de lei do deputado Fernando Coruja (PPS-SC), que extingue o sistema de empréstimos descontados diretamente do contracheque de trabalhadores assalariados ou de beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

O relator, deputado Pedro Canhedo (PP-GO), sugeriu a rejeição do projeto por considerar “insustentável” a justificativa de que essa modalidade de crédito prejudica os trabalhadores, aposentados e pensionistas do INSS.

 

PROTEÇÃO

A Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público rejeitou o projeto de lei do deputado Murilo Zauith (PFL-MS), que prevê a utilização do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) como garantia para os empréstimos com desconto em folha de pagamento. O objetivo era reduzir juros.
O relator, deputado Pedro Canhedo (PP-GO), que emitiu parecer pela rejeição da proposta, disse que o FGTS não pode ser usado como garantia de operações financeiras. Mas para proteger o empregado em caso de demissão.

 

 

É fogo

 

Uma reunião marcada para as 7 horas da manhã de ontem fez todos os secretários de estado acordar mais cedo.

 

Depois de esperar alguns minutos foram informados que a reunião foi cancelada pelo governador João Alves Filho (PFL).

 

Tudo está começando a ficar preparado para o Pré-Caju. A armação dos camarotes está adiantada e ficará pronta três dias antes do evento.

 

A maioria dos políticos passou o Natal em casa, mas apenas à noite, durante o dia foram visitar amigos no interior.

 

Muita gente está deixando Aracaju para passar o reveillon em Buenos Ayres, enquanto os argentinos preferem o Rio de Janeiro e Camburiú (SC).

 

O ministro Carlos Ayres Britto passou o Natal em Sergipe com seus familiares e visitou alguns amigos.

 

Os lojistas estão comemorando as boas vendas do Natal este ano. Shoppings e centro da cidade estiveram sempre superlotados.

 

A orla de Atalaia foi o ponto de concentração de muita gente que veio a Aracaju neste período de festas. Houve um grande movimento.

 

O prefeito Marcelo Déda (PT) deixou Aracaju e se recolheu a uma praia próxima à capital para curtir a família.

 

Até o momento não tem nada definido em relação à convocação extraordinária da Assembléia Legislativa.

 

Toda a bancada federal estará viajando à Brasília dia 15 de fevereiro para dar participar da convocação extraordinária do Congresso.

 

Esta semana começa os preparativos para o reveillon na praia de Atalaia. Terá o show pirotécnico e a presença da cantora Simone.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários