Aruana: Famílias de vítimas de acidente fazem ato no MPE

0
Famílias pedem apoio ao MPE. Ato foi pacífico (Fotos: Portal Infonet)

Familiares e amigos dos três jovens mortos no acidente de carro  ocorrido na madrugada do último domingo, 9, na avenida José Sarney, em Aracaju, realizaram na manhã desta quinta-feira, 13, um ato pacifico em frente a sede do Ministério Público Estadual (MPE). A manifestação teve como objetivo tentar impedir que o fato não seja esquecido. Os familiares foram recebidos pela Coordenadora Geral do Ministério Público de Sergipe, Ana Cristina Brandi.

A proprietária da residência, a qual os jovens se confraternizavam antes do acidente, Kátia Belém, rebate as informações de que os jovens teriam bebidos e garante que a jovem que conduzia o veículo não ingeriu bebida. “Eles não tinham bebido, eram responsáveis e costumavam freqüentar a minha casa para se reunirem. A gente clama hoje por justiça. Nós queremos que MPE nos ajude, pois três famílias ficaram dilaceradas. O objetivo é chamar a atenção de todos que operam o Direito para que os procedimentos legais sejam feitos de acordo com o que se encontra previsto na lei”, pede.

Apoio

Kátia Belém "Eles não beberam"

Em apoio às famílias, o pai de Marcele Christinne, o delegado Marcelo Paes, esteve no ato. Marcele foi também vítima de acidente de trânsito na mesma avenida, em outubro de 2011. A jovem teve a cabeça decapitada durante o acidente, parando cerca de 160 metros do local que ficou o corpo. A irmã gêmea da vítima, que estava entre os quatros ocupantes do veículo, sofreu apenas escoriações leves. O condutor e o outro passageiro, que não tiveram o nome revelado, fugiram do local. “Minha filha também foi vítima da imprudência de terceiros. Sei disso porque o condutor do veículo estava a 134 km/h, enquanto fazia uma ultrapassagem.  O caso ocorreu em 2011, mas só no próximo dia 11 de setembro que irá ocorrer a primeira audiência”, lamentou.

Ação Civil

O MPE divulgou nota na tarde da última quarta-feira, 12, informando que desde maio deste ano, a Promotoria de Justiça da Defesa do Consumidor, por intermédio do Promotor de Justiça Dr. Daniel Carneiro Duarte, ajuizou Ação Civil Pública com pedido de antecipação dos efeitos da tutela em face do Departamento Estadual do Trânsito de Sergipe (DETRAN) por conta da ausência de fiscalização eletrônica de velocidade na Rodovia dos Náufragos, localizada na Zona de Expansão da Capital Sergipana.

Marcelo Paes "Minha filha também foi vítima da imprudência de terceiros"

“Ao ajuizar a Ação, Dr. Daniel informou que os moradores daquela região enviaram documento ao MP relatando pontos cruciais da Rodovia dos Náufragos, onde ocorrem, constantemente, acidentes automobilísticos, por conta da ausência de fiscalização no controle de velocidade. Na Ação o MP requereu que fossem realizados estudos técnicos para instalação de aparelhos estáticos de fiscalização e de redução de velocidade nos pontos considerados “críticos” da Rodovia dos Náufragos. A Promotora de Justiça disponibilizou o procedimento ajuizado pelo MP e convidou os familiares das vítimas para integrar o polo ativo da demanda, ou seja, participar junto com o Ministério Público na Ação que tramita em face do DETRAN”, (Sic).

Acidente

No acidente, morreram os jovens Samuel Notre Dame Leite, 25, Felipe Brito de Lemos, 23, e Kláudia Monique Caruso, 21, que ocupavam o mesmo veículo conduzido por Viviane Pascoalino. O condutor do outro veículo, Ruy Pithon, já recebeu intimação para prestar depoimento na próxima segunda-feira, 17, segundo informou o delegado Paulo Ferreira.

Por Eliene Andrade

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais