Aves silvestres são apreendidas em feira de Lagarto

0
Esta foi a maior apreensão de 2014  (foto: PM/SE)

A Polícia Militar de Sergipe, através do Pelotão de Polícia Ambiental (PPAmb), apreendeu cerca de 165 pássaros durante operação na feira livre do município de Lagarto, a 75 quilômetros de Aracaju, na manhã desta segunda-feira, 10. Esta foi a maior apreensão em 2014 até o momento.

A apreensão se deu durante fiscalização de rotina que é desenvolvida pelo Pelotão Ambiental, com o intuito de coibir o tráfico de animais silvestres e também o comércio, principalmente, de pássaros silvestres. Por seu pequeno porte e facilidade no transporte, estes são os preferidos dos traficantes de animais em Sergipe.

“Não era comum a venda de animais silvestres na feira de Lagarto, sendo as maiores incidências nos municípios de Itabaiana, Nossa Senhora das Dores e Estância. Com essa última apreensão, percebe-se uma espécie de ‘migração’ deste tipo de crime, já que os infratores estão migrando para outras cidades com o intuito de burlar a fiscalização da Polícia Militar”, salientou o sargento Cristo, comandante da operação.

Outra tática usada pelos traficantes de animais para dificultar a atuação da PM, segundo informações do PPAmb, é escondê-los embaixo das bancas, misturados a outras mercadorias, ou comercializá-los em pontos distintos da feira.

No local, foram aprendidas aves cada vez mais raras, como filhotes de papagaios, periquitos e aves bastante comuns no Estado como papa-capins, cabeços, canários da terra, azulões e até pássaros bem valorizados, a exemplo do curió. Dentre os bichos, muitos encontravam-se debilitados, já que estavam escondidos em pequenos cumbúculos e gaiolas. “Como muitos animais são trazidos do interior da Bahia e do sertão de Sergipe, sofrem o estresse do transporte durante a viagem e acabam lesionados”, completou o sargento.

Após identificar e catalogar as aves, a guarnição composta pelo sargento Cristo, cabo Paulo, soldados Rejane e Ribeiro efetuou a soltura das que ainda não estavam ambientadas em gaiolas, no habitat natural em área apropriada. Já os animais que não puderam ser soltos, foram entregues aos cuidados do Ibama.

Fonte: PM/SE

Comentários