Canindé: servidores públicos irão parar por sete dias

0
Servidores decidiram paralisar atividades por sete dias (Foto: Divulgação / Sindiserve-Canindé)

O Sindicato dos Servidores Públicos de Canindé (Sindiserve) decidiu durante assembleia  iniciar uma paralisação de advertência com duração de sete dias. A categoria vai cruzr os braços entre os dias 21 e 27 de agosto.

De acordo com o presidente do Sindiserve, Emanuel Aleixo, a categoria protesta contra o decreto 441/2017, que foi assinado pelo prefeito Ednaldo da Farmácia (PP). Esse decreto suspende pagamento de férias, adicional de periculosidade, horas extras, dentre outros benefícios, por 150 dias, podendo ser estendido pelo mesmo período quantas vezes for necessário. “São quase R$ 600 mil só de retroativos que o Município deve [aos servidores]”, declarou Emanuel durante entrevista ao Portal Infonet.

O assessor de comunicação da Prefeitura de Canindé, Silva Júnior, disse que a cidade vive um momento de contenção de gastos. “A gente tá vivendo agora um momento de estrangulamento financeiro. A folha hoje está sendo maior do que a receita. Hoje o déficit chega a R$ 1 milhão por mês”, ressaltou Silva Júnior. O assessor disse ainda que a prefeitura de Canindé possui atualmente uma dívida de mais de R$ 100 milhões com o INSS, iniciada há quatro gestões atrás. Silva Júnior acrescentou que a gestão irá dialogar com os servidores para que haja consenso, evitando que a paralisação se estenda.

Nesta manhã, 16, o Sindiserve notificou a Prefeitura de Canindé sobre o início da paralisação. De acordo com Emanuel, os servidores decidiram que todas as categorias irão parar as atividades, exceto aquelas que trabalham no Hospital Haidee de Carvalho, no Centro de Atenção Psicossocial (Caps) e no programa Melhor em Casa.

Por Carluz Lima e Verlane Estácio

Comentários