Comerciantes fazem abaixo-assinado para continuar na R. dos Náufragos

0
A Emurb deu um prazo de 72 horas para que todas as barracas fossem retiradas, porém os comerciantes permanecem no local (Foto: Valmir Andrade)

Os comerciantes que tem suas barracas instaladas na Rodovia dos Náufragos resolveram elaborar um abaixo-assinado em protesto à solicitação da Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb) para que eles deixassem o local.

De acordo com Valmir Andrade, que comercializa há mais de 5 anos na localidade, centenas de pessoas já assinaram o abaixo-assinado. “Cerca de 500 pessoas já assinaram”, informou. Segundo ele, os vendedores permanecem com as barracas aguardando um novo posicionamento da Emurb. “Eles precisam arrumar um outro local para a gente ficar”, declarou.

A notificação da Empresa Municipal foi entregue aos comerciantes na última quarta-feira, 5, solicitando que eles deixassem o local em um prazo de 72h, ou seja, até o sábado, 8. Conforme a assessoria de comunicação do órgão, apesar de não ter retornado à rodovia, a Emurb tem ciência que os vendedores permanecem com barracas instaladas. “A Emurb ainda não retornou ao local e ainda não definiu o que será feito sobre a permanência dos comerciantes”, afirma.

Em nota enviada ao Portal Infonet na última semana, a Emurb informou que está cumprindo o que diz o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e o Código de Obras do Município. “Os barracões se encontram sem a devida permissão da Prefeitura Municipal de Aracaju, estando instalados irregularmente, desrespeitando, também, o Código de Obras, Lei nº 13 de 3 de junho de 1966, em seu item XIII.3. A desocupação da via pública tem o objetivo de proteger o patrimônio publico e a segurança dos transeuntes, em especial, os pedestres que utilizam aquela faixa para deslocamento” aponta.

por Yago de Andrade

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais