Delegacia de Neópolis será transferida

0

Audiência com a promotora da Comarca de Neópolis (Foto: ABSMSE)
Representantes da Associação Beneficente dos Servidores Militares de Sergipe denunciaram a falta de condições de funcionamento da Companhia de Polícia no município de Neópolis. Por conta do problema, foi realizada nesta sexta-feira, 1º, uma audiência com a promotora de Justiça da Comarca de Neópolis, Karla Chistiany Cruz Leite. Ficou definido que a delegacia deverá ser transferida até o próximo dia 30 de novembro para outro imóvel que dê condições físicas e de segurança aos policiais e à comunidade.

De acordo com o diretor da Associação Beneficente, sargento Jorge Vieira, “o prédio não oferece as mínimas condições de higiene e dignidade para o policial militar, com infiltrações nas paredes, fiação elétrica exposta, armários velhos, cadeiras com os estofamentos rasgados, telhado velho e com telhas quebradas, rachaduras nas paredes, instalações hidráulicas precárias, dentre

Sargento Vieira e sargento Edgard (Foto: Portal Infonet)
outras irregularidades”. Ele mostrou na audiência, juntamente com o gestor Edgard Menezes, o coronel Péricles Oliveira e o advogado Márlio Damasceno, fotos recentes expondo a situação da companhia policial.

Ao final da audiência, foi firmado um termo de acordo onde ficou pactuado de que até o dia 30 de novembro do ano em curso, a estrutura administrativa e do contingente policial lotado na 2ª Companhia de Neópolis seria transferido para um outro imóvel com estrutura física, equipamentos mínimos de segurança e mobiliário compatíveis com a relevância do serviço e a dignidade do policial militar, até que seja reformada a antiga companhia ou encontrado outro imóvel para sediar em definitivo a unidade militar.

Sem telefone

Na reunião os representantes da ABSMSE tomaram conhecimento de que o telefone da Delegacia de Santana do São Francisco, onde trabalham dois militares por dia, encontra-se bloqueado para originar chamadas, repassando tal problema para a Representante do Ministério Público, onde também ficou acordado que seria providenciado uma linha de telefone fixo e/ou móvel na mencionada Delegacia, uma vez que a existente só recebe ligação. “Ficou definido que até o dia 30 de outubro, deve ser providenciada a instalação de uma linha que funcione a contento”, acrescenta o advogado Márlio Damasceno.

Estiveram presentes ainda à audiência o coronel João Henrique Braz da Silva e o comandante da 2ª Companhia do 2º Batalhão.

P
or Aldaci de Souza

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais