Denúncias contra a Câmara de Vereadores de Aracaju chegam ao MPE

0

Maria Edvan entrega documentação ao promotor Eduardo D´Ávila
As denúncias de possíveis desmandos administrativos cometidos pela presidência da Câmara de Vereadores de Aracaju chegou ao Ministério Público Estadual (MPE). A vice-presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo de Aracaju (Sindiplema), Maria Edvan Carmo, entregou na manhã de hoje, 13, ao promotor de Justiça, Eduardo D´Ávila, documentos que apontam prováveis irregularidades na administração da Casa.

Uma das denúncias dos servidores é que nos meses de março e abril deste ano, a Câmara gastou cerca de R$ 154 mil com pagamentos de diárias, que segundo Maria Edvan, ultrapassa a folha salarial dos funcionários do legislativo municipal na qual, de acordo com ela, está em torno de R$ 150 mil. “Como foi gasto? Porque se gastou todo esse dinheiro com diárias? É isso que nós queremos saber, por isso viemos aqui pedir a ajuda do Ministério Público”, disse a vice-presidente do Sindiplema.

Segundo Maria Edvan, a folha total de cargos comissionados na Câmara de Vereadores de Aracaju está em torno de R$ 756 mil. “Por que dessa folha tão alta? Queremos a abertura da folha salarial dos comissionados da Câmara, já que realmente não sabemos”, frisou.

“Depósito de servidores”

No anexo da Câmara Municipal de Aracaju, que vem sendo chamado de “depósito de gente”, de documentos e de entulhos, ou como mesmo classificou o presidente da Câmara, Sérgio Góes, o “lugar onde estão os servidores incompetentes e incapazes de serem aperfeiçoados profissionalmente”, estão 57 funcionários que “trabalham” no local e que foram parar na mídia sergipana.

Há cinco meses eles foram lotados no prédio que fica na avenida João Ribeiro, mas como não possuem o que fazer passam a manhã inteira sentados, conversando. Segundo Edvan, o que existe em relação a esses servidores é apenas uma perseguição por parte do presidente da Câmara.

Ela entregou ao promotor de Justiça, Eduardo D´Ávila, um relatório de fiscalização da Vigilância Sanitária Municipal sobre as condições higiênicas do local. O promotor informou que comunicará o fato à Procuradoria Regional do Trabalho, e os dois órgãos deverão atuar em parceria para investigar as condições de trabalho desses servidores municipais.

Segundo Eduardo D´Ávila, o presidente da Câmara estará entregando nesta sexta-feira, 14, toda a documentação contestando as denúncias feitas pelo Sindiplema.

Comentários