Deplan registra novos casos de estelionato

0
Golpes foram registrados na Deplan (Foto: Arquivo Portal Infonet)

Pelo menos três pessoas caíram em golpe, conhecido como o conto do vigário, e duas delas acabaram tomando grandes prejuízos. As três vítimas registraram as diferentes ocorrências na Delegacia Plantonista nesta quarta-feira, 10. Todos os três crimes tiveram origem em ligações telefônicas e, em uma delas, a vítima chegou a ter um encontro com a pessoa que aplicou o golpe vendendo um aparelho de telefone celular falsificado.

A ocorrência que chamou mais atenção foi registrada por volta das 15h30 da quarta-feira, 10. A vítima, uma idosa de 66 anos, estava em casa e recebeu uma ligação telefônica de um homem que se identificou com funcionário de uma rede de operadora de cartão de crédito, informando que o cartão dela estaria clonado e que alguém teria tentado comprar uma passagem aérea no referido cartão, no valor de R$ 1,1 mil.

O homem continuou a conversa ao telefone, forneceu os dados pessoais da vítima, convencendo-a a sustar a compra. No entanto, para dar prosseguimento ao procedimento de bloqueio, o estelionatário informou que seria necessário a idosa fornecer o número do cartão de crédito com o respectivo número de segurança [os três que aparecem no verso dos cartões de crédito]. A idosa confiou já que o estelionatário já possuía todos os seus dados.

À medida que ela ia fornecendo o número, o golpista informava que não seria aquele cartão. Nesta ação, a mulher acabou fornecendo o número de quatro cartões e o golpista ainda disponibilizou um número fictício, informando que aquele seria o protocolo da operadora para bloquear os referidos cartões de créditos. Posteriormente, a vítima começou a receber as mensagens telefônicas, informando diferentes compras, totalizando quase R$ 2,8 mil.

As primeiras compras totalizaram R$ 912,60 e foram registradas às 16h23. A vítima recebeu a segunda mensagem no celular Às 16h45, informando novas compras no valor de R$ 1.868,90 e, logo depois, nova mensagem informava à vítima a tentativa, não realizada, de novas compras em um dos cartões de crédito, que totalizavam R$ 1,6 mil.

Em seguida, a vítima entrou em contato com a operadora, informando o golpe e solicitou o bloqueio de todos os cartões de crédito, além de prestar queixa em boletim de ocorrência na Delegacia Plantonista.

Outras vítimas

A outra vítima, do sexo masculino, foi atraída por um anúncio de venda de um aparelho de telefone celular, que seria novo ainda embalado em caixa original. O rapaz ligou para o número indicado, fez contato com uma mulher, que se identificou como Mila, e, acatando a sugestão da pseudo vendedora, marcou encontro pessoal nas proximidades de uma faculdade particular no bairro Santo Antonio.

No local marcado, a mulher apareceu com o referido aparelho. Ele olhou o aparelho, gostou e pagou a quantia acertada, que não foi revelada. Mas, ao chegar em casa, o rapaz percebeu que teria sido vítima do golpe ao constatar que se tratava de um aparelho falsificado. Voltou a ligar para a pessoa que lhe vendeu, mas o número estava fora de área e ele decidiu prestar queixa à polícia.

A outra ocorrência foi registrada na Praia Treze de Julho, mas o golpe não foi concretizado porque a vítima reagiu, desligando o telefone. Um rapaz, de 37 anos, recebeu uma ligação telefônica de um número inibido. O interlocutor se identificou como funcionário de uma operadora de telefonia móvel, informando que a vítima seria ganhadora de um prêmio no valor de R$ 50 mil.

Na ligação, o golpista informou também que, para fazer o resgate do prêmio, a vítima teria que fazer um depósito bancário, em uma conta de uma instituição financeira federal, no valor de R$ 190. A vítima resistiu e o golpista baixou o valor do depósito para R$ 50. A vítima continuou resistindo e o golpista partiu para uma outra alternativa, pedindo o número e a senha do cartão de crédito. Desconfiado, o rapaz vítima desligou o telefone e prestou queixa na Delegacia Plantonista.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais