Envenenamento: casal é preso

0

A professora está presa acusada de envenenar uma criança de seis anos Foto: reprodução Portal Infonet
O crime dos chocolates envenenados que chocou moradores do município de Itabaiana, distante 56 km da capital sergipana, está perto de ser completamente elucidado pela polícia. Na manhã desta segunda-feira, 19, o delegado de Itabaiana, Paulo Cristiano Alves Ricarte, efetuou a prisão de um casal acusado de ter cometido o delito.

De acordo com o delegado titular da Delegacia Regional, Marcelo Hercus, foram presos a professora Genailde Cardoso Santos de Oliveira, de 33 anos, e o marido dela identificado como Adilson da Cunha Lima. Segundo a polícia, a acusada é professora da Escola Municipal Profª Neilde Pimentel Santos.

O delegado também informou que a professora é responsável por ter enviado os chocolates envenenados para a residência de Jéssica de Lima, de 17 anos. O sobrinho da jovem comeu um dos bombons e está internado em estado grave no Huse. “O crime foi

A criança de seis anos permanece em estado grave
passional motivado por ciúmes”, explica.

“Será pedida a prisão preventiva da mulher e do marido a prisão temporária”, conta o delegado, ressaltando que o homem não colaborou com as investigações.

O delegado salienta que aguarda o resultado do exame toxicológico que foi realizado para saber qual o veneno utilizado. Segundo Marcelo, o casal nega a participação no crime.

Entrega

Marcelo Hercus conta que a professora usou uma ex-aluna de 10 anos para fazer a entrega da cesta de chocolates para um motoboy que  levou os chocolates até a casa de Jéssica.

A equipe do Portal Infonet conversou com a irmã da criança que levou os bombons. Segundo ela, a menina foi usada pela ex-professora. Muito abalada, a jovem revela que a criança está sofrendo muito e que deverá passar por tratamento psicológico.

“Minha irmã é uma criança, ela não sabia o que estava fazendo. Essa ex-professora a pegou em

A jovem Jéssica nega envolvimento com o marido da professora
casa e pediu para levar a entrega até um motoboy. Minha irmã foi inocente”, desabafa a irmã que prefere não ser identificada.

A irmã explica que a criança só ficou sabendo do que tinha feito após ouvir a história na cidade. “Quando ela ouviu as pessoas dizendo que um menino tinha sido envenenado falou para a minha mãe que chamou imediatamente Genailde até a minha casa e perguntou se ela tinha feito isso”, diz a garota.

Investigação

A jovem que recebeu os bombons, Jéssica de Lima, diz que desde o início desconfiava da autoria do crime. Segundo Jéssica, a professora já tinha feito ameaças. “Há dois meses ela botou o carro por cima de mim e chegou a

Jéssica lembra que o sobrinho está entre a vida e morte / Fotos: Portal Infonet
ameaçar minha mãe e minha irmã dizendo que eu sofreria”, diz.

O motivo de tanta raiva seria o ciúme descontrolado pelo marido. “Ela dizia que eu estava com o marido dela, mas isso nunca aconteceu”, relata.

Assédio

A jovem afirma que estava sofrendo assédio do marido da professora. “Ele queria sair comigo, mas eu nunca saí com ele. Ele chegou a vir até a minha casa com uma arma e disparou seis tiros. Eu cheguei a falar para a mulher dele que o marido dela vivia atrás de mim”, conta Jéssica.

Justiça

Para a jovem a prisão da professora não traz alívio para a família. “Só vou me sentir aliviada quando o meu sobrinho estiver em casa. Ele está entre a vida e morte e essa mulher precisa pagar pelo que ela fez”, declara.

Criança

De acordo com a assessoria de comunicação do Hospital de Urgência e Emergência de Sergipe (Huse) o menino de seis anos está em estado grave. A informação é que ele já foi submetido a vários exames e uma tomografia cerebral diagnosticou hemorragia, isquemia e edema cerebral. A criança já passou por outros exames específicos e está sendo monitorada pela equipe do CTI Pediátrico em período integral.

Por Kátia Susanna

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais