Investigada por tráfico é identificada por exame papiloscópico

A suspeita se recusava a passar dados pessoais e se identificou com nome falso. (Foto: SSP/SE)

Com a análise papiloscópica, o plantão criminal do Instituto de Identificação relatou nessa quarta-feira, 20, que conseguiu identificar uma investigada por tráfico de drogas que havia se apresentado como Vanielly da Silva. Ela se recusou a passar qualquer tipo de dado pessoal e, após investigações e coleta de dados, foi constatado a identificação oficial como Dalva Maria dos Santos.

De acordo com o papiloscopista Diego Santana Santos, com o nome falso informado por ela, foi concedida pelo juiz a liberdade provisória, por supostamente se tratar de uma ré primária. Dessa forma, por não possuir os dados necessários, não foi possível que a suspeita utilizasse uma tornozeleira eletrônica.

No entanto, após a realização de diligências e do confronto papiloscópico, com o apoio da da Polícia Federal, chegaram ao nome de Dalva Maria dos Santos. Na ação, também foi descoberto que a mulher já tinha outra passagem recorrente pelo mesmo crime de tráfico de drogas.

Diego Santana ressaltou a importância do exame papiloscópico no processo de identificação criminal, “o exame papiloscópico é a única forma mais eficaz para se confirmar a identidade de um indivíduo, e é através das impressões digitais que a gente individualiza aquele cidadão que tenta se passar por outra pessoa”.

A solicitação do exame pericial foi feita pelo delegado Matheus Cardillo, da Delegacia Plantonista de Lagarto, para onde o caso foi levado. Com o laudo emitido pelo Instituto de Identificação Papiloscopista Wendel da Silva Gonzaga (IIWSG) enviado à Vara Criminal de Salgado, Dalva foi intimada a comparecer à delegacia.

 

Fonte: Secretaria de Segurança Pública de Sergipe

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais