JB cobra solução para impasse entre Apodi e Petrobras

0
Jackson cobra do representante da ANP solução para impasse entre Apodi e Petrobras (Foto: Marcos Rodrigues/ASN)

O governador Jackson Barreto cobrou do representante da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Waldir Barros, uma solução para o impasse que está ocorrendo entre a Petrobras e Companhia Industrial de Cimento Apodi. A Companhia pretende instalar uma fábrica de cimento em Sergipe, na região de Santo Amaro das Brotas, região onde também existe exploração de petróleo. A reunião ocorreu na tarde desta terça-feira, 28, no Palácio de Veraneio. Acompanharam o encontro o secretário de Estado do Desenvolvimento Indústria, Ciência e Tecnologia, Chico Dantas, e os assessores José Oliveira Júnior e Carlos Cauê.

No último mês de maio, o governador Jackson Barreto esteve na sede da Petrobras no Rio de Janeiro, para tratar desse assunto com a diretora de Exploração e Produção, Solange da Silvana Guedes. Na ocasião, ela informou ao governador que iria buscar junto a ANP uma forma de realizar uma exploração conjunta do petróleo e do calcário.

De acordo com o governador, o projeto da fábrica de cimento orçado em R$ 1 bilhão e com previsão inicial de geração de dois mil empregos, está temporariamente suspenso por força do impasse entre a indústria cimenteira e a empresa petrolífera sobre o uso do solo. Todo o impasse foi gerado pelo fato de existir um poço de petróleo com capacidade de produção de 50 barrisdia na área onde será explorado o calcário, matéria prima na produção do cimento, e a Petrobras acenou que não pretende liberar a área.

O governador quer que a ANP interceda na busca da solução do impasse e não inviabilize a instalação da fábrica em Sergipe. “Neste momento de crise não podemos perder um investimento de mais de R$ 1 bilhão e que vai gerar inicialmente cerca de dois mil empregos diretos. Sergipe é um estado pobre que precisa de investimentos da iniciativa privada para gerar emprego e renda para a sua população”, enfatizou.

Jackson Barreto recordou que fez um grande esforço para trazer a fábrica para Sergipe e se colocou à disposição do grupo, que é um dos maiores do país, para ajudar na sua instalação. “O próprio Banco do Nordeste disse que o maior financiamento aprovado pela instituição ano passado foi para a construção dessa fábrica de cimento em nosso estado e não podemos perdê-la”, acentuou.

Waldir Barros afirmou que levará o problema para a diretoria geral da ANP e se comprometeu em buscar uma solução para o impasse dentro das disposições legais da Agência.

Fonte: ASN

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais