Justiça encerra processo envolvendo a morte do delegado Ademir Melo

Ademir Melo foi morto em julho de 2016 (Foto: SSP/SE)

O Tribunal de Justiça de Sergipe(TJ/SE) decidiu encerrar o caso envolvendo a morte do delegado Ademir Melo. Nesta quarta-feira, 13, o processo foi transitado e julgado, mantendo a decisão que inocentou o motoboy Anderson de Souza. A informação foi confirmada pelo advogado Joseph Barreto.

Em agosto deste ano, a Justiça já havia mantido a absolvição de Anderson de Souza, mas o Ministério Público do Estado de Sergipe (MPSE) entrou com um recurso especial, que foi rejeitado. O MP, dessa vez não recorreu, e o processo transitou em julgado.

Apesar do encerramento do caso, a situação não foi totalmente esclarecida. O réu inocentado indicou um policial civil como autor dos tiros e um delegado como mandante do crime. A Secretaria de Segurança Pública de Sergipe (SSP/SE) sustenta a tese de que o crime praticado contra o delegado foi um latrocínio.

Entenda o caso

O delegado foi morto a tiros no dia 18 de julho de 2016 durante uma caminhada no bairro Luzia, em Aracaju. O acusado, o motoboy Anderson de Souza, confessou o crime e chegou a participar da reconstituição dos fatos. Algum tempo depois, ele alegou que era inocente e optou por permanecer em silêncio, justificando que a atitude seria necessária “para preservar a própria integridade física”. Mesmo assim, ele foi indiciado pela Polícia Civil pelo crime de latrocínio (roubo seguido de morte).

Júri

O caso teve uma reviravolta quando Anderson de Souza foi a júri popular no dia 10 de agosto de 2022 e acabou sendo absolvido do crime. Ele indicou um policial civil como autor dos tiros e um delegado como mandante do crime, sendo este último amante da viúva.

Por Verlane Estácio

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais