Lava Jato: empresário é liberado após depoimento

0
Polícia Federal analisará documentos apreendidos (Foto Ilustrativa: Arquivo Portal Infonet)

Depois de prestar depoimento à Polícia Federal, o empresário citado na Operação Lava Jato foi colocado em liberdade. Ele prestou depoimento na manhã desta terça-feira, 21, na sede da Polícia Federal em Aracaju, mas o nome não foi divulgado. Há informações de que o empresário seria prestador de serviços contratado pela Transpetro, alvo desta fase da Operação Lava Jato desencadeada no Estado Paraná.

Equipes da Polícia Federal, que atuam no Paraná e em solo sergipano, cumpriram mandados judiciais nas cidades de Aracaju e Itabaiana nesta terça, 21. O empresário foi localizado na capital sergipana, onde reside, segundo informações da assessoria de imprensa da PF em Sergipe. Não há determinação judicial pela prisão de envolvidos no Estado de Sergipe. Apenas mandado de condução coercitiva para ouvir o depoimento do empresário citado na Lava Jato.

De acordo com informações do agente policial Paulo Roberto Gomes da Silva, da assessoria de comunicação social da PF no Paraná, este seria o primeiro trabalho desenvolvido pela Polícia Federal nesta fase da Lava Jato, que tem como foco supostas irregularidades na Transpetro, subsidiária da Petrobas.

Transpetro
Em nota enviada à imprensa, a Tanspetro informou que o alvo desta fase da Lava Jato seria denúncias de supostas irregularidades em contratações da companhia envolvendo um ex-funcionário de iniciais J.A.J. Na nota, a Transpetro se declara vítima e garante que tomou todas as providências para colaborar com as investigações.

Empresário

O advogado Elízio Augusto de Souza, representante do empresário de Sergipe que foi conduzido à PF, disse que seu cliente prestou esclarecimentos acerca da ligação mantida com o ex-gerente da Transpetro, José Antônio de Jesus, preso temporariamente, também na manhã da terça-feira, 21, na Bahia, sob suspeita de recebimento de recursos para favorecimento de empresas com grandes contratos.

O advogado ressaltou que durante a ação, houve contribuição efetiva do seu cliente, que, além de não oferecer qualquer tipo de resistência, indicou endereço onde outros documentos correlatos ao feito poderiam ser encontrados, além daqueles que contavam no mandado de busca e apreensão. O advogado destacou também que seu cliente se manteve tranquilo e colaborativo perante a autoridade policial, e que os detalhes das informações prestadas não podem ser divulgados em razão do sigilo processual.

O empresário prestou esclarecimentos e foi liberado. Ainda de acordo com o advogado, o empresário possui uma reputação ilibada; é engenheiro civil com larga experiência e jamais esteve envolvido em qualquer esquema de corrupção, de lavagem de capitais ou desvios de recursos públicos da Petrobrás e suas subsidiárias.

Por Cássia Santana

A matéria foi alterada às 19h44 para acréscimo de informações. 

Comentários