Mais de mil casas devem ser construídas na invasão das Mangabeiras

0
De acordo com o prefeito Edvaldo Nogueira, até o final desse ano e início de 2020, será iniciada a construção das 1100 moradias (Foto: Arquivo Infonet)

O prefeito Edvaldo Nogueira anunciou, na noite da ultima segunda-feira, 22, uma grande conquista da gestão municipal para a concretização de um novo projeto de habitação no município. Durante pronunciamento nas redes sociais, ele compartilhou com os internautas a conquista de um financiamento com o Governo Federal, a partir do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), para a construção de 1100 casas que possibilitarão a retirada de 813 famílias da invasão das Mangabeiras, localizada na zona Sul da cidade.

“Quero dizer, em primeira mão, que conseguimos um financiamento do Governo Federal, com recursos do FGTS, para realizar um sonho que acalentamos desde que retornamos para a Prefeitura de Aracaju e que há dois anos trabalhamos no projeto, que é a construção de moradias dignas para as famílias que residem nas Mangabeiras. Vamos pôr fim àquela invasão e as condições subumanas em que as pessoas vivem. Esse foi o primeiro passo e se Deus quiser, ao final desse ano e início do outro, começaremos a construção das 1100 moradias”, expressou.

Ao divulgar a informação, Edvaldo ressaltou que a aprovação do projeto já foi publicada no Diário Oficial e que tanto o projeto arquitetônico, quanto o social já foram realizados. “A Assistência Social, inclusive, fez um trabalho de mapeamento e levantamento das casas, há 10 dias. Tudo está encaminhado para resolvermos esse grande problema e para que possamos construir casas que tragam dignidade para aqueles moradores, como fizemos em várias obras da cidade”, destacou.

Reajuste

Outro tema repercutido pelo prefeito durante o bate-papo com os seguidores, pelas redes sociais, foi a concessão de reajuste salarial para os servidores. Em resposta a uma internauta, Edvaldo explicou que “a tendência é não ter aumento” neste ano, mas que “a gestão está analisando”.  “Vai depender do balanço que vamos fazer agora no final de maio. Vamos analisar o comportamento da receita no primeiro quadrimestre e após sentirmos, vamos decidir. Mas quero dizer de antemão que só vamos conceder reajuste se tivermos condições de honrar com o pagamento em dia”, esclareceu.

Com informações da PMA

Comentários