Ministério Público discute irregularidades na Ala Amarela do Huse

0

MP aguarda relatório do Huse com comparativo entre admissão e óbitos
Na manhã desta quinta, 24, o Ministério Público (MP) realizou uma audiência para tratar de assuntos referentes à Ala Amarela do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). Presidida pela promotora Miriam Teresa Machado, a sessão contou com a presença de representantes do hospital, do Conselho Regional de Medicina (CRM), da Vigilância Sanitária e do Conselho Regional de Enfermagem (CRE).

Numa inspeção solicitada pela Promotoria de Saúde ao CRM, constatou-se uma série de irregularidades no setor: número elevado de óbitos, internação prolongada e um grande número de pacientes que fazem uso de ventilação mecânica. A falta de um médico responsável pela monitoração constante dos internados, para o caso de intervenções imediatas, foi apontada como um fator de risco iminente à vida dos pacientes.

Quando questionado sobre o critério utilizado para a triagem de pacientes entre as alas amarela e vermelha, o representante do Huse explicou que o grande número de pacientes críticos, em situação de média e alta gravidade, nesse último setor motivou a instalação de uma área específica dentro da ala amarela. Os critérios de alta para esses são os mesmo da UTI.

O Huse deve encaminhar ao MP um relatório comparativo entre o número de admissão e óbito mensal no período de um ano. Já a vistoria do CRE, realizada em agosto, constatou que o principal problema é a descentralização do posto de Enfermagem e o monitoramento de pacientes por técnicos de enfermagem e não por profissionais de nível superior e médicos.

A solução apontada para esse problema foi a aquisição de um monitor multiparâmetro com painel de controle instalado no local daria visibilidade de todos os pacientes pela equipe multidisciplinar.

Uma nova inspeção será realizada pelos órgão presentes na audiência e novamente encaminhado para o MP. A Vigilância Sanitária Municipal comprometeu-se a enviar o relatório da inspeção feita no início deste mês em até 30 dias.

Comentários