Morre acusado de matar técnica de enfermagem

0
Velório de Maria Menezes: familiares em estado de choque (Fotos: Portal Infonet)

Morreu nas dependências do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), José Carlos Santos Júnior, 30, acusado de matar com golpes de faca a técnica de enfermagem Maria José Menezes Vieira, 56. O crime ocorreu na tarde da segunda-feira, 14, no condomínio Santa Fé, no Conjunto Santa Lúcia, bairro Jabotiana. O corpo de Júnior está sendo velado em um velatório na rua Laranjeiras e o corpo da técnica de enfermagem Maria Menezes está em outro estabelecimento na rua Itaporanga, ambos no centro de Aracaju.

Os familiares da técnica de enfermagem estão chocados e não entendem os motivos do crime. Os filhos não se dispõem a conversar com jornalistas, mas um rapaz se apresentou como genro da vítima e, posicionando-se como porta-voz dos filhos de Maria Menezes, revelou que ninguém da família tinha convivência com o acusado, descartando, inclusive, a possibilidade da presença de uma terceira pessoa na cena do crime, além de uma criança de apenas seis anos que seria neta da técnica de enfermagem e teria presenciado toda a movimentação dentro do apartamento no momento do crime. “Pelo relato da criança não se fala em terceira pessoa. Ele [o neto da técnica] diz que ele [o acusado] já chegou dizendo que ia matar a avó dele”, revelou o rapaz, que preferiu manter-se no anonimato. “Não podemos aparecer, tudo está sob investigação e nenhuma possibilidade está descartada”, observou.

Couto: enfermagem de luto

Os profissionais da área de saúde, colegas de Maria Menezes, estão prestando as últimas homenagens à vítima. Segundo Augusto Couto, presidente dos Trabalhadores da Área de Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa), a técnica de enfermagem teve participação efetiva no movimento sindical e deu grande contribuição para a criação do sindicato em Sergipe. “Não podíamos deixar de homenagear uma profissional que muito contribuiu com a base do Sintasa, repudiamos a agressão e queremos dizer que toda a enfermagem está de luto”, observou o presidente do Sintasa.

O Portal Infonet tentou falar com familiares de José Carlos Júnior, mas não obteve êxito. No local onde o corpo de José Carlos Júnior está sendo velado, a equipe de reportagem encontrou apenas um senhor que se identificou como Humberto e se apresentou como um conhecido de Júnior, como o rapaz é conhecido. Humberto revelou que tomou conhecimento da morte dele através de um amigo em comum, com quem eles costumavam disputar partidas de futebol no Conjunto Orlando Dantas.

Júnior: circunstâncias do crime não esclarecidas

Mas ele não sabia efetivamente o que teria acontecido. “Acho que foi um acidente de trânsito”, observou, apontando para o corpo em direção aos ferimentos presentes nas mãos do acusado. Os familiares só irão chegar ao velatório depois das 10h, segundo informações da administração do velatório.

Por Cássia Santana

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais