Movimento Acorda Aracaju se divide em dois grupos

0

Momento em que o movimento se dividiu (Fotos: Portal Infonet)

A Praça Fausto Cardoso lotou durante concentração do Movimento Acorda Aracaju. Mas, a presença da Central Única dos Trabalhadores (CUT), com uma integrante discursando como se estivesse em um comício, deixou os participantes irritados, gritando: “sem política, sem política”. O presidente da CUT, Rubens Marques, ainda tentou reverter a situação, mas a moça não parava de falar e não teve jeito: o movimento se dividiu.

Uma parte seguiu pela Avenida Beira Mar no percurso do Pré-Caju e outro grupo seguiu pela Av. Barão de Maruim, passando pela Av. Hermes Fontes, com destino ao Distrito Industrial de Aracaju (DIA).

“Eu estou querendo mostrar que estamos do lado dos trabalhadores, da população, que não estamos aqui com partidos políticos, mas eles não estão entendendo”, ressalta Rubens Marques.

Jornalistas participaram do movimento

Jornalistas, médicos, professores, contadores, advogados, trabalhadores e estudantes de um modo geral com faixas e cartazes, deixaram a praça, numa manifestação pra lá de pacífica. “Não deu tempo fazer os cartazes em casa e trouxemos o material para confeccionar aqui na praça. Viemos batalhar por um Brasil melhor, sem violência, com mais paz e educação”, ressalta o estudante de gastronomia, Rodrigo Froes.

A contadora Ana Cristina Sobral Maynard não pensou duas vezes quando a filha argumentou que seria um momento histórico. “Minha filha me convenceu que precisava participar para no futuro contar aos meus netos que viveu esse momento reivindicando melhorias. Só que tive que trazer os sobrinhos e os amigos da filha, que estão sob a minha responsabilidade”, destaca Ana Cristina.

Ana Cristina [blusa verde] levou filhos e sobrinhos para a manifestação

O vereador Max Prejuizo esteve no ato como cidadão. “Eu sempre fiz isso a minha vida inteira. Desde cedo comecei no movimento estudantil e não era hoje, porque sou parlamentar que ia deixar de participar revindicando saúde, moradia, educação e principalmente segurança. É um mesmo um momento histórico”, enfatiza.

Por Aldaci de Souza

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais