Operação Valquíria: mais sete réus ouvidos no Gumersindo

0

David Winne Messias, quando foi preso e apresentado no Cope [Foto: Arquivo Portal Infonet)

Aconteceu na manhã desta terça-feira, 14, no auditório da 4ª Vara Criminal do Fórum Gumersindo Bessa, o interrogatório de seis réus denunciados pelo Ministério Público Estadual (MPE), suspeitos de envolvimento em uma associação criminosa com atuação no tráfico de drogas em Sergipe, denominada Operação Valquíria.

Foram ouvidos Damião Tavares de Mendonça, David Winne Messias [presos], Givaldo Teles da Silva Júnior, Helio Aparecido Delbech Junior [soltos], Herilio de Lima Cunha [presos], José Márcio Nunes Santos [preso] e José Augusto Alves de Andrade [soltos].

No depoimento, o acusado David Winne Messias, apresentado à imprensa pelo delegado Jonata Evangelista, do Cope, em 29 de maio de 2014, negou a participação em tráfico ilícito de entorpecentes, mas confirmou o uso de entorpecentes a exemplo da cocaína. David Winne disse ainda não ter relação com nenhum dos acusados, acrescentando que trabalhava em uma panificação em Propriá, que ia e voltava diariamente e adquiria a droga no município.

Todos os réus ouvidos na manhã desta terça-feira pelos juízes Lidiane dos Santos Andrade, Roberto Flávio Conrado de Almeida e Leonardo Souza Santana Almeida, e ainda pelo promotor Akel de Andrade Lima, foram investigados pela chamada Operação Valquíria, desencadeada pela polícia civil de Sergipe em 2012, com a finalidade de desarticular a suposta quadrilha envolvida no tráfico de drogas, homicídios, lavagem de dinheiro, agiotagem, estelionato e roubo de cargas e receptação de mercadorias roubadas.

Na audiência de instrução e julgamento, não foi permitido o registro fotográfico por parte da imprensa e o Colegiado decidiu pela manutenção das algemas em todos os réus presos, durante os seus interrogatórios, a fim de resguardar a segurança do local e das pessoas no local, tendo em vista a gravidade dos fatos, a periculosidade dos réus, alguns, inclusive, com condenações criminais definitivas, além da quantidade de acusados.

Todas as testemunhas já foram ouvidas.

Por Aldaci de Souza

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais