Pólvora é encontrada em bomba caseira que matou criança de 11 anos

As amostras mostraram bombas com alto poder destrutivo, semelhantes a granadas (Foto: SSP/SE)

As equipes de perícia da Polícia Científica de Sergipe encontraram pólvora na bomba caseira que matou uma menina de 11 anos no bairro Japãozinho, em Aracaju. A informação é do Laboratório de Química Forense do Instituto de Análise e Pesquisas Forense (IAPF), que duas diversas análises  em artefatos explosivos à pedido da Polícia Civil.

Segundo o perito Nailson Correia, além de pólvora no material usando contra a criança,  outro material foi encontrado com coquetel molotov, arma composta por uma mistura de líquidos inflamáveis, feita com gasolina e também de pólvora, aumentando seu potencial explosivo.

“Numa dessas amostras, avaliamos a letalidade, o poder destrutivo desse material e acionamos o esquadrão de bombas da Polícia Militar para que juntos pudéssemos detonar o material, recolhendo assim amostras para a devida análise”, afirma Nailson Correia.

Nas análises feitas, os peritos encontraram bolas de sinuca preenchidas com pólvora, ação comum e ilegal no país, mas que possuíam característica diferente da normalidade. As bolas verificadas em uma das amostras possuíam um furo no centro com grande quantidade de pólvora comprimida, o que aumenta muito o poder de letalidade e pode ser comparada a uma granada. Nailson ainda afirmou que a descoberta causa uma grande preocupação para os peritos, diante do poder de destruição da arma.

Após o recolhimento das amostras, as equipes verificaram que o material possuía um alto grau de letalidade às pessoas e ao dano material. O laboratório segue avaliando e analisando a terceira amostra enviada pelas autoridades policiais.

 

Por Carol Mundim e Verlane Estácio

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais