Proibição de estacionamento divide opiniões de comerciantes

0

Faixa amarela que indica proibição de estacionamento
A proibição de estacionar na Avenida Hermes Fontes – que passa a vigorar a partir desta segunda-feira, 7 – tem deixado os donos de algumas lojas apreensivos. Eles argumentam que, proibidos de estacionar, os clientes acabam desistindo de entrar nos estabelecimentos, o que pode diminuir de forma considerável o comércio no local.

Segundo Fernando Oliveira, dono da Junco Móveis, as vendas foram tão prejudicadas que ele pensa em fechar a loja da Hermes Fontes e ir para outro lugar. “Esse é o único jeito de não seguir o exemplo das lojas localizadas na Avenida Barão de Maruim [outro local onde o estacionamento foi proibido] e ir à falência”, afirma.

Retorno fechado é apontado como causa do congestionamento na avenida
Fernando acredita ainda que a justificativa da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) de que a proibição irá adequar a via ao aumento da frota em circulação é inadequada. “O que atrapalha o trânsito não é o estacionamento e sim os retornos mal projetados”, afirma. Ele reclama também da falta de notificação por parte da SMTT. “Sábado à noite, fiscais da SMTT pintaram o chão com uma faixa amarela [que indica a proibição de estacionamento] e não nos notificaram sobre isso”, completa.

Outros donos de lojas, por outro lado, acreditam que a proibição de estacionar na avenida não irá diminuir as vendas ao ponto de alguns estabelecimentos irem à falência. “Ainda não dá para afirmar nada porque a proibição começou hoje [7], mas eu acredito que as vendas não diminuam tanto assim”, afirma a gerente da loja Rommanel, uma das poucas lojas que não possuem estacionamento próprio.

A gerente da loja Medcom, Shirley Sena, discorda de Fernando Oliveira e afirma que a proibição não altera a vendagem de forma alguma. “Sempre foi proibido estacionar aqui, o problema é que não havia fiscalização. Os carros que param ficam menos de 10 minutos, não entendo como isso pode afetar as vendas”, diz.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais