Roubo de cabos causa desabastecimento de água; dois são presos

0
Os suspeitos foram presos por policiais da 2ª Companhia do 6º Batalhão de Polícia Militar (2ª Cia/6º BPM (Foto: PMSE)

Um roubo de cabos de energia e materiais elétricos da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) ocorrido entre terça e quarta-feira, ocasionou o desabastecimento de água nos municípios de Salgado, Simão Dias e Lagarto, no Centro Sul de Sergipe.

O crime aconteceu na Estação de Tratamento de Água (ETA), localizada no município de Salgado e foi notado por volta da manhã do último dia. De acordo com a Deso, parte dos materiais foram recuperados e estão havendo reparos na estação desde ontem à noite. A previsão para o retorno do funcionamento completo está entre hoje e amanhã.

Ainda segundo a assessoria da Companhia, já foram tomadas também as providências policiais e o crime está sendo investigado pela Polícia Civil. Até o momento, dois suspeitos já foram presos.

Prisões

De acordo com a polícia militar, na manhã da quarta-feira, 30 de setembro, policiais da 2ª Companhia do 6º Batalhão de Polícia Militar (2ª Cia/6º BPM) prenderam dois homens por suspeita de receptação na Rodovia Lourival Batista, município de Salgado.

Assim que chegaram ao local, os policiais visualizaram os suspeitos próximos a um veículo. Nas imediações, os policiais encontraram vários cabos de cobre, os quais foram roubados da subestação na noite passada, segundo informações policiais.

Com o apoio de policiais civis, que já estavam na subestação investigando o caso, os suspeitos e os materiais apreendidos foram encaminhados à Delegacia de Salgado.

Desabastecimentos

Esta não é a primeira vez que um roubo na ETA provoca desabastecimento no município de Salgado. Em outubro do ano passado, criminosos invadiram a Estação de Tratamento e levaram materiais que deixaram o município sem água.

Já as cidades de Lagarto e Simão Dias chegaram a ser afetadas pela falta de água em abril deste ano por conta de um furto de materiais numa estação de captação em Lagarto.

 

Por Milton Filho e Aisla Vasconcelos

Comentários