São Cristóvão: população sofre com o transporte coletivo

0

Os ônibus e terminais estão sempre lotados (Fotos: Portal Infonet)
A atual situação do transporte coletivo do município de São Cristóvão é um dos principais alvos de reclamações de quem mora na cidade. A precariedade dos ônibus e dos terminais de integração, a espera para pegar uma condução, a difícil acessibilidade para deficientes e idosos, além da falta de estrutura dos abrigos. É só conversar por alguns minutos com os moradores da localidade para ouvir deles que o transporte do município é uma verdadeira falta de respeito com a população.

Nos horários de mais movimento é impossível não pegar um ônibus lotado, outra dificuldade apontada pelos moradores é a espera para pegar uma condução de São Cristóvão até Aracaju. As condições de conservação dos veículos também estão entre os reclames dos moradores. De dia ou a noite, não importa, quem depende de ônibus para se deslocar para o trabalho, ou mesmo para cumprir compromissos precisa ter muita paciência para enfrentar os coletivos cheios e mal conservados.

A doméstica Jailde Souza reclama da estrutura do terminal
O problema já começa no Terminal de Integração do Campus da Universidade Federal de Sergipe (UFS), a diarista Edileuza Santos disse que sempre pega os ônibus lotados e tem que ir no aperto para não chegar atrasada no trabalho. “Todos os dias é a mesma coisa, é uma raridade pegar um ônibus vazio”, reclama.

A encarregada de departamento, Aparecida Santos, diz que todo dia a situação se repete. A demora e ônibus cheio segundo ela, é uma rotina diária. “Em horário de pico a espera ainda é maior”, relata.

Os terminais de integração de São Cristóvão também são motivos de preocupação e queixas de quem passa por ali diariamente. Área com lixo acumulado, instalações sanitárias sem possibilidade de uso, estrutura do telhado comprometida, dentre outros problemas.

Terminal de Integração de São Cristóvão
O terminal onde fica a antiga estação ferroviária é a prova da total falta de estrutura para o funcionamento. O local não tem condições de abrigar os usuários. Quase não existe acentos para acomodar as pessoas, outra dificuldade é a falta de rampas de acesso para deficientes, os banheiros estão sempre imundos e a estrutura do teto está desabando. Para a doméstica Jailde Souza, o local não tem a mínima estrutura para ser utilizado como terminal. “Este local aqui é péssimo, além de pegar ônibus cheio todos os dias temos que conviver com esse descaso que é esse terminal”, revelou.

O Administrador Allan Silva relatou que além dos problemas com a frota dos ônibus que circulam na cidade, e pelas péssimas condições dos terminais, os passageiros ainda tem que agüentar o mau tratamento por conta dos cobradores e motoristas das conduções. “É uma tremenda falta de respeito com o cidadão, a gente usa o transporte, paga, e ainda temos que ser agredidos com gestos obscenos por funcionários de uma empresa de transporte coletivo”, contou indignado, relatando que quando chove, a situação fica ainda mais complicada. “Quando chove, os motoristas fazem questão de parar o ônibus bem longe da plataforma de embarque, com isso os passageiros têm que descer em meio a lama e a chuva para poder subir no ônibus”.

Abrigos sem conservação
De acordo com o fiscal da empresa Progresso, as linhas de ônibus sentido Aracaju, ao todo fazem esse percurso doze ônibus, sendo sete carros escalados e quatro extras para dar suporte no horário de pico.

Outra situação encontrada é a falta de conservação e manutenção dos abrigos da cidade. Na ida para São Cristóvão, é perceptível a falta de pontos de ônibus na rodovia. Para esperar a condução, as pessoas têm que ficar à mercê da chuva e do sol forte, já que não é possível se abrigar nesses locais. 

Para saber se existia alguma previsão de reforma dos terminais do município de São Cristóvão, o Portal Infonet entrou em contato com a assessoria de comunicação da Secretaria Estadual de Infraesrutura (Seinfra) que administra os terminais de integração da cidade. A informação passada pela assessoria é que desde o dia 1º de abril a administração do local passou a ser da Secretaria de Desenvolvimento Urbano, Saneamento, Habitação e Transporte, e que antes da mudança a Seinfra havia aberto o edital de licitação para a reforma dos terminais, mas com a mudança não sabe como a nova secretaria irá proceder.

Por Grecy Andrade e Raquel Almeida

*Esta reportagem faz parte da série “São Cristóvão: antigos problemas”, que será publicada durante esta semana pelo Portal Infonet. Confira abaixo as reportagens já publicadas sobre a cidade.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais