Seis casas foram derrubadas no Riacho do Cabral

0

Só nesta terça-feira, 11, foram derrubadas seis casas (Fotos: Portal Infonet)
Mais seis casas foram derrubadas no Riacho do Cabral, região do loteamento Jardim Centenário, na tarde desta terça-feira, 11. As demolições tiveram início pela manhã e seguem até a próxima quinta-feira, 13. Mas muitos moradores ainda estão revoltados e inconformados com a situação.

 

Até o fim do prazo, mais de 28 casas deverão ser derrubadas por ordem judicial. De acordo com o presidente da Associação de Moradores do Bugio, Aragão Barroso, no dia 7 de janeiro deste ano a Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) apresentou uma planta da região, informando as edificações que estão nas áreas permanentes de preservação ambiental.

 

“Todas as famílias que 

Aragão conversa com moradores inconformados
estavam morando nessas casas até o dia 11 de novembro de 2010 estão sendo cadastradas pela Prefeitura para terem direito ao auxílio moradia ou em algum programa habitacional. Após essa data, as casas em construção (alicerces) seriam todas destruídos”, explica o presidente.

 

Revolta

 

Inconformados, muitos moradores se dizem desrespeitados e pedem que sejam amparados pela Justiça. É o caso do vidraceiro José Roberto que há dois meses construiu uma casa na localidade para morar com a família.

 

José diz que vai resistir até quando puder
“Tenho um filho e minha esposa está grávida de dois meses e ainda tenho que ver minha casa sendo destruída. É muita falta de respeito com a gente. Se tiver de sair, eu saiu, mas resisto até o quanto puder”, afirma o morador.

 

Mas, segundo Aragão, o caso de José Roberto é semelhante ao de mais quatro famílias que também terão suas casas derrubadas.

 

“Quando a Justiça veio fazer a vistoria no local, as casas dessas cinco famílias estavam em construção, ou seja, ninguém morava nelas. Daí esse pessoal acabou terminando a construção e indo morar lá após o prazo que a juíza determinou

Outras 28 casa ainda serão demolidas até quinta-feira, 13
para a destruição dos alicerces”, observa o presidente.

 

Ele afirma que agindo assim, as cinco famílias acabaram descumprindo a ordem judicial. Aragão ainda informa que na manhã desta quarta-feira, 12, irá para a Ação Social da prefeitura com o objetivo de pedir ajuda para dar destino às famílias que ficaram desabrigadas.

Por Victor Hugo

 

Comentários