Sindijor emite nota em solidariedade a comunicadores

0

A repórter Ana Lícia passa bem (Foto: Facebook)

O Sindicato dos Jornalistas de Sergipe (Sindijor) emitiu uma nota em solidariedade aos jornalistas agredidos na última quarta-feira, 25, durante a manifestação do ato Acorda Aracaju.

Dentre os comunicadores agredidos estão à repórter fotográfica Ana Lícia Menezes do jornal Cinform e integrante da equipe de São João do Portal Infonet que recebeu uma pedrada na cabeça durante a manifestação.

Abaixo segue a nota do Sindijor.

"O Sindicato dos Jornalistas de Sergipe e o Sindicato dos Radialistas de Sergipe vêm a público prestar solidariedade aos colegas Ana Lícia Menezes, José Mário, Alex Carvalho e Evenilson Santana que foram agredidos no ato público realizado na última terça-feira, dia 25, em Aracaju.

Os profissionais estavam acompanhando a manifestação no momento em que estavam em frente ao prédio da Prefeitura Municipal de Aracaju quando foram atingidos por pedras (Ana Lícia, Alex Carvalho e Zé Mário) e ameaçado com fogos de artifício (Evenilson Santana).

A exemplo de nota anterior publicada pelo Sindicato dos Jornalistas (no dia 21 de junho), os profissionais estavam lá exercendo o trabalho de reportar os acontecimentos e não na defesa irrestrita das empresas por qual trabalham.
É notório que, por muitas vezes, não coadunamos com a linha editorial dos vários veículos de comunicação sergipanos e também dos que atuam nos demais estados brasileiros. Em Sergipe, estamos em plena campanha salarial e o sindicato que representa os donos das empresas não buscam uma negociação. Os dois sindicatos também estão juntos na luta pela democratização da comunicação e contra o monopólio na mídia brasileira, mas, mais uma vez, repudiamos que profissionais da comunicação sejam agredidos, principalmente, quando estão no exercício de seu trabalho.

Os jornalistas e radialistas são cidadãos que, naquele momento, estavam no exercício da profissão. Dar visibilidade aos fatos e denunciar eventuais atos de violência contra aqueles que exercem seu direito de manifestação é imprescindível. A presença do profissional da comunicação em atos de protesto e exigência de melhores políticas públicas e cumprimento de direitos é essencial. O trabalho do jornalista e do radialista é fundamental para a defesa da liberdade de expressão, de ideias e opinião. É hoje, o trabalho do comunicador, que registra o momento histórico para as atuais e futuras gerações.

Por isso afirmamos veementemente que nós, comunicadores e comunicadoras sergipanos, não vamos aceitar sermos confundidos com os donos dos veículos de comunicação que nos exploram diariamente. Somos trabalhadores e, como tal, temos um papel social a cumprir, que é informar os fatos com precisão e veracidade. E do nosso exercício profissional, com liberdade de atuação, não podemos abrir mão", dia a nota.

Com informações do Sindijor

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais