Sinttra: haverá nova paralisação em caso de violência em coletivos

0
Ônibus continuam alvo de violência (Foto: Arquivo Portal Infonet)

Apesar de regularizar a prestação de serviços dos transportes coletivos no bairro Japãozinho em Aracaju, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Aracaju (Sinttra) alerta para novas paralisações dos transportes públicos, em linhas que atendem outras comunidades na região metropolitana caso a violência e os atos de vandalismo permaneçam ocorrendo.

De acordo com informações do presidente do Sinttra, Miguel Belarmino da Paixão, a violência e os atos de vandalismo não estão restritos à linha 607 [Santos Dumont/Mercado], que também atende à comunidade do Japãozinho, que ficou sem circular na quinta-feira, 28, devido à falta de segurança nos ônibus.

O sindicalista alerta que há outras linhas tão problemáticas quanto àquela no quesito violência e que os motoristas já estão dispostos a cruzar os braços caso a incidência de crimes continue em alta. Segundo Belarmino da Paixão, a regularidade dos serviços, que ocorreu por volta das 6h da manhã desta sexta-feira, 28, quando os três primeiros veículos da linha foram liberados, é consequência de entendimentos entre o Sinttra e as equipes de segurança pública que compõem a Guarda Municipal de Aracaju (GMA) e também a Polícia Militar de Sergipe.

“Hoje de manhã já fizemos ronda e verificamos a presença dos agentes da Guarda e também das viaturas da Polícia Militar na área”, disse o sindicalista, fazendo referência ao Japãozinho e adjacências. Mas há o alerta. “Havendo novos casos de violência e de vandalismo, vamos parar tudo de novo e não só a linha do Japãozinho. Esta é a palavra de ordem”, diz Belarmino.

O Portal Infonet tentou ouvir a Polícia Militar e o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Aracaju (Setransp) sobre esta posição do Sinttra relacionada a outras linhas que poderão ser afetadas. Os representantes das duas instituições pediram um tempo para dar respostas. O Portal Infonet permanece à disposição. Informações podem ser enviadas por e-mail jornalismo@infonet.com.br ou por telefone (79) 2106 – 8000.

Por Cassia Santana

 

Comentários