SSP apresenta acusado de assassinato

0

Flávio Albuquerque confirma que não houve premeditação (Fotos: Portal Infonet)

Na manhã dessa segunda-feira, 01, na sede da Academia de Polícia (Acadepol), a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP) realizou coletiva de imprensa para apresentação de Júlio César Alves dos Santos, de 29 anos, conhecido como Júlio Lacraia e acusado de assassinar o policial militar Alexsandro Silva dos Santos na cidade de São Cristóvão.

Segundo o coordenador da Delegacia de Homicídios, delegado Flávio Albuquqerque, o assassinato pelo qual Júlio dos Santos é acusado ocorreu sem premeditação. “No dia do crime, Júlio saiu com um bornal que guardava a arma do crime e a máscara que ele utilizava, mas a intenção dele era assaltar uma fazenda no povoado Candeal, local em que ele havia trabalhado por um mês. A vítima desse assalto era o gerente da fazenda, que trazia dinheiro para o pagamento dos funcionários, mas que naquele dia não foi ao local. Como não efetivou o assalto, Júlio voltou para casa e no caminho encontrou o Cabo Léo”, contou Flávio Albuquerque.

Júlio César Alves dos Santos confessou a autoria do crime

Para o polícia, apesar de o assassinato ter sido cometido por acaso, havia um desentendimento entre a vítima e o acusado. “Júlio reconheceu o Cabo Léo, pois há dez anos, o policial fez parte de uma operação que vitimou o irmão de Júlio”, explicou o delegado. A polícia confirmou que o assassinato aconteceu enquanto o cabo Alexsandro Silva fazia reparos na placa da moto em que trafegava e que havia caído.

A Polícia Militar efetivou cerco à cidade de são Cristóvão, na tentativa de prender Júlio dos Santos, como o acusado não conseguiu fugir da cidade, se entregou à polícia. Diante das provas, Júlio dos Santos confessou a autoria do crime e negou envolvimento de outras pessoas. Um revólver, seis estojos de munição e a máscara usada por Júlio dos Santos, foram encontrados nas proximidades do local em que o cabo foi assassinado e servem de prova do crime. Apesar de preso o acusado, a polícia ainda efetua diligências, no inquérito, já foram ouvidas 38 pessoas.

Por Caio Guimarães e Raquel Almeida

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais