SSP quer reduzir em 20% taxa de homicídio

0
João Eloy: índices continuam altos (Foto: Portal Infonet)

O secretário João Eloy, da Segurança Pública, tem como meta reduzir em 20% a taxa de homicídios em Sergipe, até o final do ano. Nesta terça-feira, 22, o secretário, a delegada geral Katarina Feitosa, e o coronel Marconi Cabral, comandante geral da Polícia Militar, reuniram a imprensa para divulgar a estatística do Centro de Estatística e Análise Criminal (Ceal) da SSP, que revela uma queda de 12,22% no índice de homicídios no primeiro semestre deste ano, se comparado com o mesmo período do ano passado.

Apesar da queda na estatística, o secretário reconhece como elevada a taxa de homicídios em Sergipe, considerando que esta realidade afeta todos os Estados brasileiros. A causa, na ótica do secretário, está diretamente relacionada com o tráfico de drogas e ao tráfico de armas. Mas a solução para este problema, conforme frisou o secretário, não está no âmbito da competência dos Estados, mas da própria União, que passa pelo fechamento das fronteiras, como forma de impedir a entrada ilegal de drogas e armas que são contrabadeadas de outros países.

“Sergipe não é produtor de armas nem de drogas, produtos vêm de outros países porque as fronteiras estão abertas”, diz o secretário. Para João Eloy, nestas condições, o Estado por si só não tem conseguido prender sequer 10% das drogas e das armas que conseguem transitar no país. Apesar das dificuldades, Eloy acredita que o Governo de Sergipe está começando a colher bons frutos, a partir da queda nas taxas de homicídios.

DHPP ganhará reforço para aumentar índice de elucidação de homicídios

Eloy revelou que está no patamar de 48% [dados de 2015] o índice de elucidação de crimes e acredita que a atual estrutura do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) está preparada para se chegar ao patamar de 50% em elucidação. Para tanto, o governo, conforme frisou, está deslocando 15 agentes recém-contratados, a partir do último concurso público, para o DHPP para dar esta contribuição com o objetivo de aumentar as taxas de elucidação dos homicídios. “Como investigador, considero pouco. O índice de elucidação de homicídios em Sergipe é excelente, mas eu não me conformo”, ressaltou.

Taxas

Conforme os índices apresentados pela SSP, Sergipe apresentava uma taxa de crescimento semestral nas taxas de homicídios no patamar de 18%, entre o período de 2012 a 2015, com a perspectiva de se atingir a casa dos 731 mortes no primeiro semestre de 2016 e de 862 casos no primeiro semestre deste ano. Mas, de acordo com os dados apresentados pela SSP nesta terça-feira, verificou-se um declínio na ordem de 12,22% neste ano, considerando o mesmo período do ano passado.

Em 2015, a SSP registrou 620 homicídios, passando para 622 no mesmo período de 2016 e se estabilizando em 546 ocorrências desta modalidade criminosa no primeiro semestre deste ano. A estatística revela que houve queda de 20,7% no número de homicídios ocorrido no período em Aracaju, de 4,9%, considerando a região metropolitana e de 10,7% no interior do Estado.

Com base nos dados de 2016, que apresentou aumento superior a 3,5% na taxa de homicídios, se comparado com o mesmo período de 2015, Aracaju despontou na 12ª posição no ranking mundial e se destacou entre as  cidades mais violenta do mundo, segundo estatística referente aos dados coletados em 2016 catalogados pela ONG mexicana Seguridad Justicia y Paz – Consejo Ciudadano para La Seguridad Publica y Justicia Penal A. C.

Mas nos dados deste ano, a SSP contabiliza queda nos índices, com destaque para os municípios de Lagarto, com queda de 44%, Tobias Barreto [66,7%] e em Itabaiana [19,2%]. Na capital, a estatística da SSP verificou queda de 35% na Zona Norte e de 11% nos bairros Santa Maria e 17 de Março. O secretário reconhece que está concentrado em Nossa Senhora do Socorro os maiores problemas enfrentados pela Segurança Pública no tocante a homicídios. “Socorro está fora de controle”, admitiu João Eloy. “Estamos quebrando a cabeça para reduzir os índices”, observou.

Por Cássia Santana

Comentários