Uso de cadeirinhas: começa a fiscalização, mas blitze só ocorre após a volta às aulas

0

Major Paiva informa que os agentes de trânsito estão orientados a autuar quem descumprir a lei (Foto: Arquivo Portal Infonet)
Começa nesta segunda-feira, 3, a fiscalização da lei que entrou em vigor em setembro de 2010, e que torna obrigatório o uso de cadeirinhas. Agentes de trânsito da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito de Aracaju (SMTT) estão orientados a autuar quem descumprir a determinação.

Segundo informações do diretor de trânsito da SMTT, Major Paiva, inicialmente não será uma fiscalização do tipo blitze. “Orientamos nossa equipe para fazer a fiscalização nas ruas, em flagrante. A blitze só será iniciada no período de volta às aulas, quando há muito movimento de crianças nas principais vias da cidade”, informa.

A procura por cadeirinhas tem aumentado como informa Elisângela, vendedora de uma loja do centro da cidade. “Desde que implantaram essa lei as vendas aumentaram muito. Antes já vendíamos bastante e, agora, mais ainda”, ressalta a vendedora. Carine Sant’Anna, mãe de dois filhos, já utilizava as cadeirinhas antes mesmo de a lei entrar em vigor. “Acho super importante e sempre usei nos meus filhos. Sei que se acontecer algum acidente, eles estão mais protegidos o impacto pode ser menor”, destaca.

Lei

Comércio de cadeirinhas está movimentado: Em algumas lojas elas estão em falta (Foto: Portal Infonet)
A lei prevê que crianças de até um ano de idade deverão ser transportadas no equipamento denominado “conversível” ou “bebê conforto”; rianças entre um e quatro anos, em cadeirinhas; de quatro a sete anos e meio, em assentos de elevação. Crianças de até dez anos devem ser transportadas no banco traseiro.

Quem descumprir a lei está sujeito à penalidade prevista no artigo 168 do Código de Trânsito Brasileiro, que considera a infração gravíssima e prevê multa de R$ 191,54, sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação e a retenção do veículo até que a irregularidade seja corrigida.

Por Danielle Menezes e Diógenes de Souza

Comentários