Astuto poema – por Gustavo Aragão

0

Na mágica plantada em tuas palavras, (Coisa comum!), revestida de véus por nevoeiros, Faz brotar em mim um sem números de ilusões, A partir das mil e uma máscaras que assume, o astuto poema. Revelas-te-me, pouco a pouco, em instantes suados e silentes, A única face, que a ti pertence. Por Gustavo Aragão Cardoso Todos os direitos estão reservados ao autor perante a lei de Direitos Autorais.

Comentários