Chiquinho do Além Mar lança cordel sobre os guerreiros tupinambás

0

Chiquinho do Além Mar lança livro sobre história sergipana
Desde criança o sergipano Francisco Passos Santos, popularmente conhecido como Chiquinho do Além Mar, escreve poesias. Aos 23 anos, Chiquinho teve a oportunidade de conhecer a fundo o universo do cordel, graças aos encontros de cordelistas realizados na Biblioteca Pública Epifânio Dória, onde recebeu todo o suporte necessário.

Hoje, aos 32 anos, o cordelista, que também é professor de inglês, músico e jogador de futevôlei nas horas vagas, diz estar mais preparado e realizado profissionalmente. Nesta terça-feira, 14, a partir das 20h, no Espaço Yázigi, Chiquinho estará lançado seu novo cordel, intitulado de “A Saga dos Guerreiros Tupinambás: A invasão portuguesa e a conquista de Sergipe em 1590”.

Foco na história sergipana

Para o cordel ficar com a “cara” do escritor, ele relata que passou dois anos pesquisando, lendo artigos científicos e entrevistando historiadores locais para poder ter todo embasamento necessário.  O desejo de resgatar a cultura e história sergipana, partiu da necessidade que o Estado possui em passar esse conteúdo para a sociedade, uma vez que são poucos os livros voltados para essa temática.

Chiquinho lembra que foi o primeiro artista sergipano a lançar um guia turístico do Estado em forma de cordel. E a partir desse trabalho, conta que os demais seguiram a mesma linha. “Eu quero oferecer à população uma oportunidade de conhecer a história de Sergipe que é inexplorada”, completa.

Por conta do amor à terra, o cordelista afirma que seus trabalhos são voltados para todos, especialmente aos estudantes, já que no vestibular um dos assuntos abordados é a história de Sergipe. “Quero ajudar aos estudantes também”.

Seguindo com esse intuito, o novo livro traz como tema “A Saga dos Guerreiros Tupinambás”, e

Livro será lançado nesta terça-feira, 14
mostra em forma de versos e com uma linguagem peculiar como foi a luta dos índios pela sua terra, com a chegada dos portugueses.

Falta de apoio

Embora Chiquinho queira levar a história sergipana para o conhecimento de todos, ele ressalta que um dos pontos negativos nessa jornada, é a falta de apoio. “É difícil querer viver de sua arte, quando se falta apoio, patrocínio”. Mas, felizmente, para o novo livro, Chiquinho comemora o patrocínio conseguido  do governo do Estado. “Espero que agora as pessoas possam conhecer mais meu trabalho”.

Por ser uma literatura regional, Chiquinho espera, pelo menos, um reconhecimento da sociedade e dos órgãos públicos e privados. “O cordel está longe de receber o apoio e o reconhecimento que merece”, desabafa.

Por Mariana Rocha e Carla Sousa

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais