Multidão acompanha Nossa Senhora da Purificação

0

(Foto: Ascom Capela)

Devoção e fé. Foram estes sentimentos que levaram centenas de religiosos a seguirem a imagem de Nossa Senhora da Purificação, na tarde de ontem, 2, em Capela, município distante 67 quilômetros de Aracaju. A tradicional peregrinação cuja imagem da santa – feita de gesso – sai pelas vias da cidade, envolvida por um grande terço de madeira, faz parte das comemorações alusivas à padroeira da cidade e atrai anualmente devotos de diversas localidades de Sergipe.

É o caso de Josefa de Souza Santos, que mora em Nossa Senhora do Socorro. Devota da santa desde pequena, ela diz que todos os anos vai à Capela prestar homenagens a padroeira, Purificação. “Quando eu era criança fiquei muito doente. Então minha mãe, em um ato de fé, pediu que Nossa Senhora da Purificação me curasse. Logo a graça foi concedida e nós passamos a agradecê-la desde então”, relatou a mulher de 43 anos.

Descalça e vestida de branco, Josefa afirma que participar da procissão é uma maneira de demonstrar seu sentimento de amor e fé à mariana. “Sou muito grata por hoje estar curada. Não vejo isso como sacrifício, mas como uma prova do amor e da gratidão que sinto por ela. Faço questão de seguir por todo o percurso assim e ao contrário do que muitos imaginam é até confortável. Minha filha e minha nora também me acompanham assim”, diz emocionada.

Outra devota de Nossa Senhora da Purificação, que aproveitou a data para agradecer pelas graças recebidas, é Ilma Teles Menezes. A senhora, que nasceu em Monte Alegre e reside em Capela há 14 anos, relata que, após ser abençoada com uma graça, nunca mais deixou de acompanhar a procissão. “Isso aconteceu há 4 anos. Eu vivia internada no Hospital São Marcelo e até os médicos duvidavam da minha cura. Foi quando intercedi por ela, pedindo uma vida saudável e ela me deu”, lembrou a senhora.

Assim como Josefa, dona Ilma demonstrou sua devoção acompanhando a imagem de Nossa Senhora da Purificação com os pés descalços. “Desde que fui agraciada acompanho dessa forma. Moro no povoado Lago do Meio e já saio de lá assim. Para quem hoje tem saúde em abundância, sair pelas ruas descalças uma vez por ano, não é nada. Sou muito grata a minha santa protetora”, afirmou dona Ilma.

Agradecimentos

Já a capelense Renilde Cunha da Cruz, resolveu agradecer a protetora de Capela de uma forma diferenciada. Integrante de diversos grupos religiosos da igreja do município, ela resolveu homenagear a santa, trabalhando durante o festejo. Além de ajudar na organização da festa, Renilde conduziu algumas novenas e acompanhou a procissão segurando o terço que envolve o andor da santa.

“E fico muito feliz por isso. É cansativo, porque durante nove dias, não paro um só segundo, mas quando penso que Nossa Senhora já me deu tanto e continua me ajudando, faço com um orgulho enorme. Principalmente na peregrinação, quando faço o percurso, segurando o terço protetor. É uma honra para mim. Enquanto eu tiver vida e saúde, vou acompanhar Nossa Senhora da Purificação em seu dia, e prestando meus serviços a ela”, assegurou a capelense.

Dever cumprido

Quem também esteve presente, apoiando o evento e prestando seu papel de cidadão capelense, foi o prefeito, Manoel Messias Sukita Santos. Acompanhado de sua esposa, Silvany Mamlak, do vice-governador, Jackson Barreto e do deputado federal, Valadares Filho, o gestor seguiu a imagem da protetora da cidade, pelas principais vias do município.

“Sou um dos poucos políticos que assumo meu lado religioso e sou respeitado por quem não é católico justamente por ostentar esta postura. Adoro participar dessa festa, minha família é toda religiosa, me criei dentro dos ditamos da igreja, e dessa forma, não poderia ser diferente. Estou dando minha contribuição como cidadão católico que sou e devoto de Nossa Senhora da Purificação”, garantiu Sukita.

Ao presenciar a multidão que percorria as ruas louvando a santa, Sukita se deu por satisfeito e creditou o sucesso da festa a religiosidade dos moradores de Capela e a organização do evento. “Primeiro a religiosidade, uma vez que 83% da população capelense é religiosa, ocupando o espaço de uma das populações mais religiosas do estado. Depois, atribuo a organização. Conseguimos construir, junto com  nossos colaboradores, colegas de trabalho, uma grandiosas festa. E claro, era um sonho que tinha na minha vida, de poder resgatar os festejos de Capela e com a oportunidade de ser  prefeito, tive condições de fazer isso”, enfatizou.

“Terminamos o sétimo ano de mandato em dezembro, iniciamos o oitavo em janeiro e já em dois de fevereiro, conseguimos construir a oitava festa, com o tamanho e importância que Capela merece. Por isso, em dezembro de 2012 deixo o comando da prefeitura com o sentimento de missão cumprida. Entendo que fui eleito pelo povo, governei para o povo e rezo a Deus que devo sair nos braços do povo”, concluiu Sukita.

Fonte: Ascom Prefeitura Capela

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais