Orsse volta ao palco do Atheneu na próxima sexta-feira

0

(Foto: Arquivo Portal Infonet)

Próxima sexta-feira, 13, às 20h30, a Orquestra Sinfônica de Sergipe (Orsse), sob a direção artística do maestro Guilherme Mannis, volta ao Teatro Atheneu na segunda edição da série Laranjeiras de concertos. Criada especialmente para celebrar a reforma do espaço, que o colocou entre os mais modernos da região Nordeste, a série Laranjeiras contempla obras de grande expressividade da música universal, além de homenagear, como nas séries Cajueiros e Mangabeiras, os frutos da nossa terra. Os ingressos já se encontram à venda na bilheteria do teatro a preços populares.

Mantida pelo Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), com patrocínio do Instituto Banese e Banese Card, a Orsse continua a potencializar a música clássica no Estado, além de proporcionar à população experiências com diversos artistas.

Para o segundo concerto da série, a orquestra executará a conhecida Abertura Solene 1812 de Tchaikovsky, onde o compositor descreve a vitória russa sobre o exército de Napoleão. A segunda obra da noite contará com a presença do talentoso chefe de naipe dos contrabaixos da Orsse, Jair Maciel que executará o Concerto para contrabaixo e orquestra, Op. 3, em mi menor, do russo Sergei Koussevitsky.

O maestro Daniel Nery, regente assistente da Orsse comandará a noite. "Koussevitsky foi o principal mentor do maestro Eleazar de Carvalho, que regeu inclusive, no Teatro Atheneu nos anos 80. Além disso, Eleazar trouxe para o Brasil o modelo do Festival de Tanglewood idealizado pelo seu professor, criando assim, o Festival de Inverno de Campos do Jordão", explica Daniel.

Dando continuidade ao concerto, a elegante Sinfonia Escocesa do compositor alemão Felix Mendelssohn-Bartholdy. A sinfonia é rica em histórias e lendas das Highlands. Uma atenção especial ao segundo movimento – Vivace é uma dança dividida em duas partes: a primeira parte é um alegre Pibroch, ária de gaita de foles sobre um motivo de cinco notas, que na partitura é substituído pelo clarinete acompanhado pelas cordas.

Sobre o maestro

Regente assistente da Orquestra Sinfônica de Sergipe, Daniel Nery é Bacharel em Composição e Regência pela UNESP e Mestre em música pela mesma instituição. Têm na sua formação, os seguintes nomes da regência orquestral e coral: Johannes Schlaefli (Suíça), Osvaldo Ferreira (Portugal), e Abel Rocha.

Entre 2005 e 2010 foi discípulo do maestro Roberto Tibiriçá e juntamente com ele e outros colegas, em 2008 lançou o livro ‘O Regente sem Orquestra’, pela editora Algol, o único livro de exercícios editado no país para a formação de regentes. Em Atibaia/SP, foi regente do Coral Masculino Cantores de Atibaia e da Banda Sinfônica Primeiro Movimento, além de dirigir a Orquestra Sinfônica Jovem e a Big Band da cidade. Atuou como regente convidado da Orquestra de Câmara da UNESP e, em 2010, iniciou como regente assistente na Orquestra Sinfônica de Sergipe. No mesmo ano, foi premiado no I Concurso Carlos Gomes para Jovens Regentes, promovido pela Orquestra Sinfônica de Campinas. E ainda foi um dos quatro regentes brasileiros selecionados para participar do II° Laboratório de Regência Orquestral com o maestro Fábio Mechetti na Orquestra Filarmônica de Minas Gerais.

Sobre o solista

Jair Maciel iniciou seus estudos de música no Centro Cultura Musical de Campos (CCMC), em Campos dos Goytacazes/RJ, tendo sido aluno do contrabaixista Eduardo Vila Maior, passando, em seguida, pelo professor Valdir Claudino. Graduou-se bacharel em contrabaixo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UNIRIO) sob a orientação do professor Antônio Arzolla. Atuou como professor de contrabaixo do CCMC e do Projeto Orquestra Mirim Armando Prazeres, e monitor da classe de contrabaixos da UNIRIO. Foi vencedor do concurso Jovens Solistas da UNIRIO e finalista do Concurso de cordas Paulo Bosísio. Participou das Turnês de inverno da The World Orchestra, em 2010 e 2011, tendo atuado como chefe de naipe de contrabaixos na última. Atualmente é chefe de naipe de contrabaixos da Orquestra Sinfônica de Sergipe (Orsse).

Fonte: Ascom Secult

Comentários