Segunda etapa da obra da Catedral está atrasada há cinco meses

0
Segunda etapa da obra da Catedral está atrasada há cinco meses (Foto: Portal Infonet)

A reforma da Igreja Nossa Senhora da Conceição, conhecida Catedral Metropolitana de Aracaju, segue em ritmo bastante lento. A segunda etapa da obra deveria ter sido finalizada no dia 9 de abril, ou seja, há cinco meses. O panorama, portanto, não é favorável, e não se tem uma perspectiva de quando vá ser efetivamente finalizada.

Os reparos foram orçados, nesta fase, em mais de R$1,6 milhões, provenientes de recursos a União e do Governo de Sergipe. A segunda etapa de reforma da estrutura, que tem 156 anos, começou em 11 de setembro do ano passado e deveria durar 210 dias.

O padre Peixoto, pároco da Catedral, lamentou a situação. “Está tudo muito solto, estranho. Fazemos contato permanente com o Governo, mas as coisas estão assim. O piso que foi tirado era de granito, preto. Ele estava começando a se deteriorar. Colocaram um piso novo de mármore. Ele é quase preto como o outro, só que risca muito. Pedimos para não colocar esse e atrasou”.

Os recursos são enviados por emendas parlamentares, e administrados pela Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra). “A empresa que executa terá de deixar os serviços e um novo processo licitatório deverá ser aberto”, diz o padre.

Enquanto a obra segue, as missas ocorrem em uma estrutura na rua Propriá, nº222. “Não é tão bom, mas quebra o galho”, disse Peixoto.

Seinfra

A Secretaria de Infraestrutura explicou, via nota, que “no projeto apresentado pela Arquidiocese, o piso especificado era mármore arabescato. Porém, no decorrer da execução dos serviços, a própria Arquidiocese alegou que o piso era inadequado para o espaço e solicitou a troca. A solicitação passa pela avaliação dos técnicos da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e da Procuradoria Geral do Estado (PGE). Uma nova licitação já se encontra na PGE para analise, para que ele seja substituído por granito branco polar”.

Informou, ainda, que “todos os projetos, orçamentos e licenças ambientais, são de competência da Arquidiocese de Aracaju”.

Iphan

Por meio de nota, a Superintendência do Iphan em Sergipe explicou que “todo recurso aplicado na Catedral é oriundo de verba parlamentar, e que cabe ao Iphan apenas a fiscalização do repasse do recurso transferido via Minc, para que seja aplicado na execução do projeto elaborado pela Arquidiocese mediante licitação realizada pela Seinfra”.

Disse também que “por ser verba parlamentar com repasses variados, várias etapas foram programadas e que os serviços propostos são de escolha da Arquidiocese, através dos projetos e orçamentos apresentados e que a gestão da obra e do contrato com os licitantes são de responsabilidade da Seinfra”.

Por Victor Siqueira

*Matéria alterada às 17 de setembro às 11h55 para acréscimo de nota do Iphan
Comentários