Studium Danças: 40 anos de amor a arte a dança

0

(Foto: Ascom/ divulgação)

Em 1971, surgia um dos principais e mais consistentes pilares da dança em Sergipe. Naquela época, percebendo uma lacuna a ser preenchida por aqui, a baiana Regina Lúcia Matos Spinelli, mais conhecida como Lu Spinelli, fincou raízes em Aracaju e criou o Studium Danças. Hoje, quarenta anos depois da sua fundação, não tem como ser indiferente à importância dessa instituição de ensino, considerada um verdadeiro marco na história da cultura sergipana.

Este ano, celebrando quatro décadas de existência, o Studium Danças preparou uma programação especial para o XXXX Festival de Dança Contemporânea e XXXX Festival Infantil de Dança. Em ambos os espetáculos, Lu Spinelli vai apresentar releituras de montagens que marcaram a trajetória da escola.

A entrada, para ambos os espetáculos, são dois quilos de alimentos não perecíveis, os quais serão destinados a instituições de caridade.

Para o Festival de Dança Contemporânea, que acontece no dia 10 de dezembro, a partir das 20h, no Teatro Tobias Barreto, Lu volta no tempo para relembrar o ponto alto de cada década, desde a criação do Studium Danças, nos anos setenta. Já no Festival Infantil de Danças, que acontece no dia 11 de dezembro, às 17h, também no Tobias Barreto, a coreógrafa traz o passado à tona com o tema “Dançando no Tempo”, com a proposta de reviver espetáculos que encantaram gerações de crianças.

“Como estamos comemorando quarenta anos de história, vamos reviver um pouco da trajetória do Studium, através das coreografias que serão apresentadas nos festivais. Além disso, nossos alunos e professores também vão mostrar o que desenvolveram, em sala de aula, durante o ano de 2011”, explica Lu Spinelli, diretora do Studium Danças. 

Outro destaque dos festivai0s deste ano vai ser a participação de convidados ilustres, os quais fazem parte da história do Studium. Já confirmaram presença: Clyde Morgan, coreógrafo, professor e diretor do departamento de dança da Universidade de Brockport, em Nova York; Marcelo Moacyr, especialista em técnica de Graham e coreógrafo da Escola de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb); Fred Salim, delegado do Conselho Brasileiro da Dança (CBDD) em Recife-PE; e Laís Morgan, ex-diretora do Departamento de Dança da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Fonte: Assessoria de Comunicação

Comentários