Vítima de Covid-19, cantor Edgar do Acordeon morre aos 73 anos

0
O artista estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Cirurgia em estado grave desde a semana passada.(Foto: Portal Infonet)

Morreu na manhã desta terça-feira, 30, aos 73 anos, vítima de complicações decorrentes do novo coronavírus (Covid-19), o cantor sergipano Edgar do Acordeon. O artista estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Cirurgia em estado grave desde a semana passada.

Por meio das redes sociais, Rejanne Costa, filha do cantor, informou que o pai deu entrada na Urgência do IPES, no dia 17 de junho, com uma síndrome gripal. Ainda segundo ela, ele foi levado para a UTI do Cirurgia em estado grave, onde veio a falecer nesta terça.

Natural de Malhada dos Bois, Edigar é conhecido em todo o estado por ser um dos principais nomes do forró pé de serra e da cultura popular sergipana sergipana. Em 2020, já havia completado 55 anos de uma carreira exitosa e reconhecida, inclusive, fora de Sergipe. Além da carreira artística, Edgar era servidor público desde 1985, quando passou a fazer parte do quadro de motoristas da Sejuc.

A Sejuc emitiu nota lamentando profundamente a morte do cantor. O secretário Cristiano Barreto (Sejuc) ratificou a importância que o servidor público tinha para os quadros da administração estadual e reforçou que, além da função exercida no dia a dia, a morte de Edigar é um duro golpe na cultura popular sergipana.

Carreira

O sanfoneiro Edgar do Acordeon de Malhada dos Bois é músico, cantor e compositor e tem 55 anos de carreira. Em uma das entrevistas ao Portal Infonet, Edgar fala do amor pelo forró. Em 2015, o cantor tocou pela primeira vez no Forró Siri e contou um pouco da sua trajetória na música. Confira a entrevista abaixo:

Por João Paulo Schneider  e Verlane Estácio com informações da Sejuc

Comentários