Cesta básica de Aracaju é a mais barata

0

Aracaju mais uma vez tem a cesta básica mais barata do país
Em agosto o custo da cesta de alimentos essenciais em Aracaju ficou em R$ 174,96, registrando o menor valor entre as 17 capitais pesquisadas pelo Dieese. Em comparação com julho, foi apurada redução de 3,36%. Entre janeiro e agosto deste ano, a cesta teve alta de 3,42%. Em relação a agosto de 2009 subiu 4,11%.

Os preços de oito dos doze produtos que compõem a cesta básica sergipana tiveram queda e dois deles foram determinantes para a redução no custo total do conjunto de gêneros alimentícios básicos: tomate (-22,45%) e o arroz (-5,10%). Pequenas variações ocorreram para o feijao (-1,27%), café (-1,23%), carne (-1,21%), farinha (-1,06%), pão (-0,87%).  Houve estabilidade no leite. Dentre os tres produtos que tiveram alta, o maior aumento foi registrado para o acucar (4,94%), seguido pela banana nanica (2,67%) e o óleo de soja (2,63%).

Nos últimos 12 meses – de setembro de 2009 a agosto de 2010 – o feijão (54,02%) foi o produto apresentou aumentoo significativo. Também subiram o leite (3,75%), a carne (3,23%), o acucar (2,41%), arroz (1,21%), a banana (0,87%), e o pão (0,66%). Recuo nos preços foi apurado para a farinha (4,08%), oleo (0,85%), tomate (-0,66%), manteiga (-10,66%), e o café (-0,41%).

O trabalhador sergipano remunerado pelo salário mínimo comprometeu, em agosto, 75 horas e 28 minutos de sua jornada mensal para a compra dos alimentos básicos, um pouco menos que o necessário em julho, quando correspondia 78 horas e 06 minutos.

Raciocínio semelhante pode ser efetuado quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social. Esta relação correspondia a 37,29%, em agosto, contra 38,58%, em julho e 39,28%, em agosto do ano passado.

A tendência de queda no preço dos produtos alimentícios essenciais manteve-se em 17 capitais. Apenas em Porto Alegre – onde o valor do conjunto de gêneros essenciais subiu 1,36% – houve alta. Entre as demais localidades, o recuo foi menor que no mês anterior nas capitais do Centro-Sul do país, enquanto no Norte-Nordeste a queda foi mais significativa. As menores retrações, em agosto, ocorreram para Florianópolis (-0,08%), Goiânia (-0,49%), Rio de Janeiro (-0,57%) e Curitiba (-0,71%). As variações negativas mais expressivas foram apuradas em Natal
(-6,39%) e Recife (-6,28%). 

Com informações do Dieese

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais