Citação do Sebrae ainda não foi possível

0

Tão logo o pedido da Associação Comercial e Empresarial de Sergipe (Acese) chegou à 4ª Vara Cível solicitando a anulação da eleição do SEBRAE. O juiz Dr. José Pereira Neto mandou expedir citação ao órgão, para que ele apresente suas razões. Seria um fato normal, não fosse os desdobramentos que o caso tomou. É que o Oficial de Justiça não pode executar seu trabalho porque desde 4ª feira última encontrou o SEBRAE acéfalo. Não havia um só dos três dirigentes da casa nos seus postos de trabalhos. Todos fugiram.

Ressalvando-se o Dr. Emanoel Sobral, que encontrava-se em São Paulo, acompanhando a operação a que foi submetido o irmão, Elder, os demais diretores fugiram. Isto mesmo, fugiram. Despacharam por um ou dois dias na sede do CDL – quem diria, o CDL já foi refúgio do dr. João, agora o é do Zezinho Guimarães – até que Zezinho, na quinta-feira avionou para São Paulo, com a família a tiracolo e o aviso de que só volta no dia 17. Está de férias? Pediu licença sem remuneração? Quem sabe? Simplesmente tomou chá de sumiço. O sr. Paulo do Eirado tomou o mesmo caminho só que para Maceió.

Ambos seguem a orientação do advogado da tchurma. A tese deste é empurrar com o barriga o processo. Protelar ao máximo o recebimento da citação – que dá ao SEBRAE cinco dias para resposta, a partir da data da entrega – até que a Justiça entre de férias. Aí então, a turma toma posse no SEBRAE e, entendem eles, vai ser mais difícil anular a eleição com os “eleitos” já empossados. Até que o plano dê certo, o SEBRAE fica sem comando. Virou a casa da mãe Joana.

Tanto que hoje vai estar em Aracaju o Senador Aldeni Santana, e não tem ninguém para recebê-lo, a não ser o porteiro e os faxineiros do SEBRAE. O Senador é ninguém menos que Presidente do Conselho Nacional do Sebrae. Pois é…

Presidente da Fecomercio teria carta na manga


O Sr. Hugo França, presidente da Federação do Comércio – aquele que foi “destituído” da representação junto ao Conselho do SEBRAE para que não votasse no outro candidato que não Zezinho – esteve a semana que passou rapidinho em Brasília e voltou de lá com um parecer da Assessoria Jurídica da Confederação Nacional do Comércio afirmando que a “reunião” em dias de domingo é ilegal. Portanto, passível de ser nula. O que, se acatado pela Justiça, anularia a eleição do SEBRAE. É onde a porca torce o rabo.
Isso ainda vai dar fufunha…

Por Ivan Valença

Comentários