Cresce número de emprego formal em Sergipe

0

Sergipe teve o melhor desempeno do Nordeste/Foto: César de Oliveira
O nível de emprego formal em Sergipe cresceu 0,46% em fevereiro deste ano. O percentual corresponde à abertura de 1.039 novos postos de trabalho com carteira assinada, resultado da diferença entre 7.070 contratações e 6.031 demissões. Os dados foram divulgados na última quarta-feira, 19, pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Nos dois primeiros meses deste ano, o saldo de empregos com registro em carteira foi de 720, um crescimento de 0,32%. Em 2008, o nível de emprego formal em Sergipe foi o maior verificado nos últimos dez anos, a partir da criação de 11.038 oportunidades de trabalho.

Os resultados apresentados nesta semana mostram que Sergipe teve o melhor desempenho do Nordeste, onde houve uma queda de 0,35%, o que representa uma eliminação de 16.692 postos de trabalho em fevereiro. Somente o estado da Bahia também apresentou saldo positivo, com a criação de 422 novas vagas, uma leve expansão de 0,03%. Em todo o país, foram gerados 9.179 empregos com carteira assinada, representando um crescimento de 0,03% sobre o estoque de assalariados celetistas do mês anterior.

De acordo com o governador Marcelo Déda, o crescimento do número de empregos formais em Sergipe demonstra que o Estado e as medidas adotados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva estão no caminho certo. “Mesmo com a crise econômica, conseguimos elevar esse número. Sergipe, em nenhum momento, cortou os investimentos prioritários para o Estado. Continuamos a execução de todas as obras e não tem uma obra em execução que não tenha o dinheiro para pagar. A crise precisa ser vista com cautela, mas não com medo”, frisou o governador Marcelo Déda.

Na avaliação do assessor econômico do Governo de Sergipe e professor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), as medidas tomadas pelo Governo Federal para enfrentar a crise financeira internacional, como a redução da taxa de juros e a oferta de crédito, foram importantes para a retomada da expansão do mercado de trabalho formal brasileiro, que havia apresentado resultados negativos nos últimos três meses. “E o fato de Sergipe ter sido o que mais criou novas vagas de trabalho no Nordeste e se destacado nacionalmente é muito positivo, ainda mais para um estado que representa 0,7% do PIB [Produto Interno Bruto] do país”, considera.

Fonte: ASN

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais