Curso atualiza técnicos sobre a cultura do algodão

0

Um Curso de Atualização sobre a Cultura do Algodão, parte integrante das ações do convênio acordado entre o Governo de Sergipe e o Ministério da Agricultura, operacionalizado pelo Departamento de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Deagro) será aberto logo mais às 8 horas desta terça-feira, prosseguindo até a quarta-feira, no Centro de Apoio ao Desenvolvimento da Fruticultura Tropical, em Boquim, sendo destinado aos técnicos do Deagro, do Dehidro e da Superintendência Federal da Agricultura.
De acordo com o coordenador do Programa de Revitalização do Algodão em Sergipe, Agrônomo Luiz Carlos Nunes, o governo tem envidado esforços contínuos visando soerguer a cultura no Estado, provocando os agricultores para a importância do trabalho para a economia estadual e pela viabilidade em cada vez mais se ampliar o cultivo, levando-se em conta que Sergipe já contou com uma boa estrutura de beneficiadoras de algodão que alimentavam indústrias locais de fiação.

Ele acrescentou que a disseminação da praga do bicudo e a falta de subsídios práticos para motivar a persistência com a cultura provocaram o total esvaziamento do setor, o que direcionou as aquisições da matéria prima da parte dos empresários, a outros Estados, findando um ciclo auspicioso que Sergipe deteve. “Desde o ano passado, que o Governo, através da Secretaria da Agricultura, desenvolve um trabalho de conscientização dos agricultores, distribuindo sementes selecionadas e paralelamente tem garantido, além do respaldo da assistência técnica do Deagro, pesquisadores da Embrapa na Paraíba, para ministrarem cursos para os técnicos sergipanos, incluindo a demonstração de pulverizador especialmente desenvolvido para racionalizar o uso de defensivos, registrando assim a possibilidade total de convivência com o bicudo, uma das mais contundentes e destrutivas pragas do algodão. Agora, o Governo de Sergipe, viabiliza em parceria com a Superintendência Federal da Agricultura, a realização do presente curso, trazendo do Centro Nacional de Pesquisas do Algodão da Embrapa-Paraíba, os Pesquisadores José Carlos de Aguiar e Dalfran Gonçalves, para que nesses dois dias, repassem ensinamentos, compatibilizando a necessidade de atualização dos técnicos sergipanos, às exigências do próprio desenvolvimento da cultura do algodão no nosso Estado”.

Comentários