CUT quer aumento do salário mínimo para R$580

0

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) realiza mobilização nacional em defesa do reajuste do salário mínimo para R$ 580 e ainda pela correção da tabela do imposto de renda e reajuste das aposentadorias.  A política da valorização do salário mínimo vem sendo pautada em todas as manifestações públicas da CUT pelo Brasil.

Presidente ds CUT, Rubens Marques (Fotos: Portal Infonet)
Na próxima quarta-feira, 26, às 16h30, a Central Única dos Trabalhadores e as demais centrais sindicais se reúnem em Brasília com o Secretário- Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho para discutir a proposta.

O presidente da central em Sergipe, Rubens Marques, ou Professor Dudu, como é mais conhecido, informa que essa é a pauta principal da CUT atualmente. “Nos últimos quatro atos que fizemos aqui em Aracaju, falei sobre a valorização do salário, é muito importante bater nesta tecla”, disse o presidente.

Ele acredita que possa haver um recuo do governo, visto o debate tem ganhado fôlego nos últimos dias. “Esse reajuste do salário dos deputados criou muita insatisfação em nós da CUT, não tem como não comparar as duas porcentagens de reajuste”, disse o Professor Dudu.

Economia

O economista Ricardo Lacerda fala sobre o aumento do salário do ponto de vista econômico
O economista e professor da Universidade Federal de Sergipe(UFS), Ricardo Lacerda, conversou com o Portal Infonet para falar sobre a atual economia e esclarecer se existe ou não a possibilidade desse aumento.

Ricardo aponta que, pelo fato de o Brasil ter tido aumento do salário mínimo maior do que a inflação do período nos últimos tempos, o mercado consumidor aumentou consideravelmente, deixando-o aquecido, o que causa impacto na inflação. “O Banco Central já anunciou o aumento dos juros nas compras, na tentativa de desaquecer o consumo”, informou.

O maior motivo da baixa porcentagem de aumento dada pelo Governo, segundo Ricardo Lacerda, é o impacto nas contas da previdência, além dos outros benefícios que tem de ser pagos junto com o salário. Ricardo explica também o motivo do reajuste ter sido tão baixo esse ano, comparado com os anos anteriores. “O cálculo do reajuste do salário é feito com base no valor do PIB do ano anterior mais o valor da inflação. Como esse cálculo foi feito em 2010, teve como base a porcentagem do PIB de 2009, que sofreu queda de 0,6%”.

Para 2012, o cálculo do economista prevê um aumento de cerca de 12%, pois no ano de 2010, a porcentagem do PIB foi de 7,5%.

O economista acredita que a melhor opção para que o salário seja reajustado de forma economicamente viável, é que haja um acordo entre Governo e CUT, escolhendo uma média de R$560 reais. “Nem R$545 proposto pelo Governo, nem R$580, proposto pela CUT”, finalizou.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais