Furto de energia e água causa prejuízo mensal acima de R$ 23 milhões

0
Ligações clandestinas de água e energia elétrica são debatidas em audiência no Ministério Público (Foto: Portal Infonet)

O furto de energia elétrica e água potável, acumulado, gera prejuízos mensais avaliados a um montante superior a R$ 23 milhões. Os valores foram anunciados por representantes da Empresa Distribuidora de Energia Elétrica (Energisa) e da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) durante audiência pública realizada nesta quinta-feira, 27, no Ministério Público Estadual (MP/SE). Na ótica da promotora de justiça Euza Missano, são situações que causam prejuízos maiores à população, que acaba assumindo, indiretamente, o ônus dessas perdas que são causadas à Companhia de Saneamento e à Energisa.

Durante a audiência, ficou pactuada uma ação conjunta, com participação da Polícia Militar e do Instituto de Criminalística, para combater as ligações clandestinas. As datas e os locais onde vão ocorrer a operação conjunta não foram divulgados e serão realizadas em sigilo. Identificada a clandestinidade, os responsáveis, conforme alerta a promotora Euza Missano, serão autuados em flagrante e responderão a processo judicial por furto qualidade, com possibilidade de cumprir pena de até quatro anos de prisão, conforme previsto no Código Penal Brasileiro.

A promotora de justiça explicou que o MPE recebeu diversas reclamações referentes a esses furtos. “Quem está fazendo isso pode ser responsabilizado por furto qualificado, destruição de coisa e ainda há um dano para a sociedade que é incalculável”, destaca a promotora. “Isso tudo reflete no custo operacional das empresas para gerir esses serviços. Está causando um dano à população, que está pagando pelo desvio que vem sendo realizado”, observou.

A Deso e a Energisa já identificaram o perfil desses consumidores que costumam furtar água e energia elétrica através de ligações clandestinas, conhecidas como ‘gatos’. Conforme a promotora Euza Missano, os danos são causados também por grandes unidades consumidoras tanto do setor industrial, comercial e pessoas físicas de elevado poder aquisitivo.

Na conta do consumidor

O coordenador de combate a perdas da Energisa, Lucas Bonfim, explicou que o furto de energia elétrica em Sergipe representa algo em torno de 2,5% da totalidade da energia comercializada em Sergipe, o que significa perdas mensais avaliadas em algo em torno de R$ 20 mil mensais. O representante da Energisa explica que o valor decorrente dessas perdas é revertido para a própria tarifa, o que implica um maior custo para o consumidor que paga regularmente a sua conta mensal pelo consumo de energia elétrica.

Já o superintendente de operações metropolitanas da Companhia de Saneamento de Sergipe, Napoleão Gomes Barreto Filho, informa que as perdas, avaliadas em algo em torno de R$ 3 milhões mensais no faturamento da Deso, ainda não são repassadas para a conta do consumidor. Pelo menos por enquanto. Segundo explicou, a tarifa é controlada pela Agência Reguladora do Estado que ainda não se debruçou para fazer a análise dos prejuízos que as ligações clandestinas provocam à Companhia de Saneamento. Mas ele deixa claro que em breve esse prejuízo será repassado para o consumidor final.

 

por Cassia Santana

 

Comentários